Paulo Farinha

«Ó boa, fazia-te um filho», disse ele. Todos ouviram, mas ninguém fez nada.

Ainda não devia ter 30 anos. Usava umas calças pretas justas, talvez pele artificial, e umas sandálias douradas que a elevavam acima da calçada por onde conseguia andar sem enfiar os saltos nos intervalo das pedras.
Ferreira Fernandes

Lisboa pós-antiga

Andava eu pela Madragoa, talvez pelo belo nome, e reparei no cruzamento de povos, logo na Rua das Trinas: indígenas e forasteiros.

MAIS RECENTES

Helen Mirrengaleria

As 5 regras de Helen Mirren para ser feliz

Helen Mirren demorou a assumir-se como feminista, mas é hoje a primeira a dizer ao mundo que pode - e deve - defender a igualdade de oportunidades entre géneros. Um trabalho para todos sem exceção.
galeria

7 dicas para se livrar da maldita ressaca

Dor de cabeça, estômago embrulhado, boca seca, sede extrema, sensibilidade ao som e à luz. O dia seguinte depois de uns copos a mais pode não ser bonito. Mas como já quase todos tivemos manhãs difíceis depois de noites em que bebemos mais do que a conta, vale a pena tomar nota destas sugestões.
galeria

Cem anos de Kennedy

O mais jovem presidente eleito dos Estados Unidos faria hoje cem anos. Uma visita ao museu que presta homenagem a John Fitzgerald Kennedy em Boston é o pretexto ideal para relembrar uma presidência mítica – apesar de ter durado apenas mil dias.
galeria

O primeiro Dia da Criança em liberdade

Um mês e uma semana depois de quarenta anos de ditadura, Portugal celebrou o Dia Mundial da Criança com alegria – e responsabilidade – renovada.
cookies de chocolate sem farinha

Cookies de chocolate sem farinha

Estes cookies de chocolate sem farinha são os ideais para entreter as crianças na cozinha, acompanhar um chá entre amigos ou adoçar a boca naqueles momentos em que precisamos desesperadamente de mordiscar uma bolacha.
cookies de chocolate sem farinha

Cookies de chocolate sem farinha

Estes cookies de chocolate sem farinha são os ideais para entreter as crianças na cozinha, acompanhar um chá entre amigos ou adoçar a boca naqueles momentos em que precisamos desesperadamente de mordiscar uma bolacha.
galeria

O carro do futuro é elétrico?

Veloz, com bastante autonomia, luxuoso e ecológico. Assim é o Tesla Model X, um SUV 100% elétrico que já está à venda em Portugal. Não é para todas as bolsas, mas é uma boa antevisão do que os próximos anos vão trazer às estradas do planeta.
galeria

Prepare-se para o verão, com um regresso ao ginásio em grande estilo

Se acha que chegou a hora de voltar a praticar exercício físico e de pôr em prática a operação biquíni, comece já. Deixamos sugestões para se equipar da melhor forma quando for para o ginásio. Sem esquecer os cosméticos que, mesmo não fazendo milagres, dão uma boa ajuda.

SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER

Receba semanalmente a nossa newsletter no seu email

Luís Freitas Lobo

A loucura não é um lugar estranho

O jornalista Luís Freitas Lobo escreve sobre razão, emoção e esse campo relvado – e respetivas bancadas – onde as duas se misturam. O comentador desportivo acredita que há uma coisa que o futebol atual consagrou através do impacto da internet e das redes sociais: a verdade vende menos. A mentira é um produto lucrativo.
Luís Freitas Lobo

A loucura não é um lugar estranho

O jornalista Luís Freitas Lobo escreve sobre razão, emoção e esse campo relvado – e respetivas bancadas – onde as duas se misturam. O comentador desportivo acredita que há uma coisa que o futebol atual consagrou através do impacto da internet e das redes sociais: a verdade vende menos. A mentira é um produto lucrativo.

OPINIÃO

Ana Bacalhau

Tempos imemoriais

A memória esbate-se, como a tinta numa parede. Ou seleciona, tantas vezes sem nos perguntar se queremos apagar esta ou aquela informação.
Catarina Carvalho

Não FFF mas BFS

Por que Portugal não está condenado à trilogia que nos amarfanhou e tornou as almas pequenas. Agora é outra a história que temos para contar.
Paulo Farinha

Meia hora à noite com os filhos para compensar as horas em falta durante o dia?

Muitas vezes, o meu pai não percebe que precisamos de ser conquistadas. Ao nosso ritmo, não ao dele. E, para compensar o tempo que esteve longe de nós durante o dia, quer concentrar em meia hora ao fim da tarde o que demora umas três ou quatro horas a conseguir.