Truques para dominar a sua linguagem corporal

A comunicação entre as pessoas divide-se entre o que dizemos e o que o nosso corpo e os nossos gestos dizem por nós. E nem sempre são coincidentes. Ter essa consciência e saber como otimizar a linguagem corporal é uma das ferramentas mais eficazes para evitar ideias erradas, mal entendidos ou maus julgamentos de personalidade.

Texto de Ana Patrícia Cardoso
Fotografia de Shutterstock

Quem é que nunca tirou conclusões sobre outra pessoa sem esta dizer uma palavra? Através do comportamento, é comum conseguirmos aferir traços de carácter de quem nos rodeia e as relações que estabelecem. A interação social é muitas vezes suportada pela linguagem não falada. Um gesto, um olhar, um sorriso são determinantes em qualquer relacionamento pessoal ou profissional.

Nos anos do cinema mudo, atores como Charlie Chaplin e Buster Keaton tornaram-se figuras admiradas por conseguirem dominar perfeitamente a linguagem corporal, contando uma história sem dizer uma palavra. Este tipo de linguagem é um dos fatores que nos une enquanto seres humanos, independentemente das diferenças culturais.

É importante prestar atenção aos sinais que o corpo está a dar, para além do que está a ser dito.

Há alguns sinais básicos de comunicação não verbal que coincidem em todo o mundo. Quando as pessoas estão felizes, em regra, sorriem; quando estão tristes, franzem o sobrolho, quando não sabem ou não compreendem alguma coisa, tendem a encolher os ombros.

O que não dizemos é muito importante. Os atos são um reflexo para o exterior do estado emocional que vivemos. Cada gesto pode ser um indicador valioso de uma emoção que, muitas vezes, tentamos esconder ou disfarçar.

Para conhecermos realmente o outro, é necessário prestar atenção não só ao que é dito, mas a toda a linguagem e sinais que o corpo está a passar e ao contexto em que a interação está a acontecer.

Um dos casos mais comuns de avaliação não-verbal é uma entrevista de trabalho. À partida, a tendência é sempre esconder o nervosismo e qualquer sinal de insegurança. Com maior ou menor sucesso, este é um dos momentos mais habituais em que a linguagem corporal pode «trair» a verbal. Para este e outros momentos, há pequenos truques que podem ajudar a melhorar a linguagem corporal e a ter maior consciência do que está a passar para o exterior. Porque uma comunicação não-verbal segura, confiante e assertiva pode valer mais do que qualquer palavra.

6. Rosto

Ter um rosto animado e tornar o sorriso parte do repertório habitual. Exibir bem os dentes.

5. Gestos

Ser expressivo, sem exageros. Manter os dedos fechados quando se gesticula, as mãos abaixo do nível do queixo, e evitar cruzamentos de braços ou pernas.

4. Movimentos da cabeça

Utilizar acenos triplos ao falar e inclinação ao escutar. Manter o queixo para cima.

3. Contacto visual

Estabelecer a quantidade de contacto visual que faça toda a gente confortável. Exceto se olhar para os outros constituir uma proibição cultural, as pessoas que olham ganham maior credibilidade do que as que não o fazem.

2. Postura

Inclinar-se para a frente quando escuta; sentar-se direto quando fala.

1. Território

Aproximar-se tanto quanto se lhe permita sentir-se confortável. Se a outra pessoa recuar, não voltar a avançar.