OPINIÃO

1 em cada 4 adolescentes praticam sexting

Com o acesso à Internet sem supervisão, os adolescentes têm acesso a todos os tipos de informação, estão presentes nas redes sociais e mantêm conversas regulares com amigos ou desconhecidos – que podem incluir o sexting (partilha de mensagens ou imagens de cariz sexual). Este é um problema real que implica um acompanhamento consciente dos pais.

Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia Shutterstock

É difícil encontrar um adolescente que não tenha um smartphone. Se antigamente havia um telefone fixo na casa e tínhamos horas marcadas para falar com amigos, hoje os mais mais novos não vivem sem os seus telefones, passam horas a mandar mensagens e são viciados em tirar fotografias, jogar e, o mais preocupante, a praticar sexting.

Segundo um estudo publicado no jornal digital Jawa Pediatrics, esta tendência tem aumentado. Ainda que os adolescentes não admitam facilmente que o façam, 15% dos jovens inquiridos (mais de dez mil) admitiram que enviam mensagens de teor sexual e 27% que já as recebeu.

Segundo o estudo, um em cada oito adolescentes já reenviou mensagens que recebeu com conteúdos sexuais sem o conhecimento do emissor.

Sheri Madigan, autor do estudo e professor de psicologia da Universidade do Canadá, afirma que «Este é um tópico que tem vindo a preocupar cada vez mais os pais, que ainda têm a dupla tarefa de se manter a par de todas as mudanças no mundo tecnológico e manter uma conversação equilibrada com os filhos adolescentes sobre os perigos do sexting».

Um dos principais problemas apontados no estudo é a «falta de consciencialização dos adolescentes para os perigos que atravessamos com a troca de dados na internet. Não percebem que as imagens ficam guardadas. A grande parte nem percebe que pode ter consequências graves».

Um dos exemplos mais comuns dessa exposição é o reenvio para outras pessoas de mensagens ou imagens íntimas. Segundo o estudo, um em cada oito adolescentes já reenviou mensagens que recebeu com conteúdos sexuais sem o conhecimento do emissor.

Para Sheri Madigan, os pais «têm de conversar mais cedo e regularmente sobre o assunto e focar de forma firme as consequências desta atitude». E, acima de tudo, estar atento aos comportamentos dos filhos.

 

 

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.