Reportagem da Notícias Magazine premiada

Capacitar jovens com deficiência

Publicidade

O artigo “Semear a mudança” recebeu o prémio Dignitas na categoria de imprensa.

O relato de um programa que promove a integração de jovens com deficiência valeu o prémio Dignitas, na categoria imprensa, a uma reportagem publicada em dezembro de 2015 na Notícias Magazine. «Semear a mudança», da autoria da jornalista Cláudia Pinto, debruça-se sobre a história da instituição BIPP – Soluções para a Deficiência, que promove a capacitação de jovens e a sua entrada no mercado de trabalho.

Neste caso, a jornalista acompanhou um grupo de jovens adultos com necessidades especiais que aprendiam a cultivar e jardinar no Instituto Superior de Agronomia. «São pessoas com vidas complicadas, muitas vezes têm contextos familiares difíceis, e a quem a sociedade empurra à partida para uma ideia de que são um peso, não servem para nada. Aqui, encontram vocação e utilidade», diz Cláudia Pinto. O trabalho, que fez capa da Notícias Magazine, tem fotografias de Nuno Pinto Fernandes e pode ser lido aqui.

 

A capa da Notícias Magazine de 20 de dezembro de 2015

A capa da Notícias Magazine de 20 de dezembro de 2015

 

O Prémio Dignitas, que se encontra na oitava edição, é uma iniciativa da Associação Portuguesa de Deficientes e recompensa anualmente trabalhos jornalísticos dedicados ao tema da deficiência, nomeadamente aqueles que valorizem «a dignidade das pessoas com deficiência,os seus direitos humanos e a sua inclusão social».

Miriam Alves, da SIC, venceu a categoria televisão e o Primeiro Prémio, escolhido entre todos os escalões. Impossível é só um exagero para difícil é uma reportagem sobre um campo de férias para crianças invisuais, que descobrem o mundo acompanhadas por miúdos da mesma idade, que não são portadores de qualquer deficiência. Houve também uma menção honrosa em televisão para Mafalda Gameiro, da RTP, com Corpos Sentidos, um documento íntimo sobre esclerose múltipla.

Em rádio, o vencedor foi Pedro Mesquita, da Renascença. O extraordinário mundo de Irina é um relato na primeira pessoa sobre o autismo por uma jovem de 17 anos. A história de Eduardo Jorge, tetraplégico após um acidente em 1991, e da sua luta por uma existência autónoma, valeu a Vera Moutinho, do Público, o prémio de Jornalismo Digital. O trabalho chama-se O que é isso de vida independente. Também foi premiado Tomás Albino Gomes, da Escola Superior de Comunicação Social, na categoria de Jornalismo Universitário, com A Genética do Amor.

A entrega dos prémios Dignitas está marcada para 3 de Maio na Assembleia da República. O Júri desta edição foi constituído por Humberto Santos, da Associação Portuguesa de Deficientes, Anabela Lopes, da Escola Superior de Comunicação Social, António Belo, da Amnistia Internacional, Paulo Neves, Professor no Instituto Superior de Psicologia Aplicada, e David Rodrigues, Presidente da Direção da Associação Pró Inclusão.