OPINIÃO

O que dizem os netos que ficaram com a avó alguns dias nas férias

– A avó também não disse que comemos um bitoque. – Eu comi um bitoque. Tu comeste uns três ou quatro. És uma besta a comer. – O bitoque tem glúteos? – Glúten. Não são glúteos. É glúten. Não, não há glúten no bitoque. Só se o arroz for contaminado.

– Tás aí?
– Tou aqui no meu quarto. Porque é que tás a mandar-me mensagens?
– A mãe pensa que eu já tou a dormir.
– Então desliga o som do whatsapp, estou a ouvir as minhas mensagens a apitar no teu telemóvel.
– Já está. Viste a carta da avó?
– Não consegui ler. Tu leste? E a mãe já leu?
– Eu já li. A mãe também. Telefonou logo à avó.
– E então? O que é que dizia? A mãe ficou chateada?
– Acho que não. Mas a avó não contou tudo.
– Então? O que é que não contou?
– Não disse que fomos para a praia e não usámos protetor.
– Eram cinco da tarde. Não precisávamos de protetor.
– Até parece que não sabes como é que é a mãe. Fator 50, seja a que horas for.
– Mas estávamos vestidos. Estava frio, nem tirámos as camisolas. Eu até tinha calças. Que exagero.
– A avó também não disse que comemos um bitoque.
– Eu comi um bitoque. Tu comeste uns três ou quatro. És uma besta a comer.
– O bitoque tem glúteos?
– Glúten. Não são glúteos. É glúten. Não, não há glúten no bitoque. Só se o arroz for contaminado.
– O arroz pode estar contaminado?
– Pode, mas isso é uma mania da mãe. Não ligues. Eu é que já sei isto de trás pá frente, já ouvi aquilo tanta vez. Gostaste dos bitoques, não gostaste? Então fica calado e não digas nada. Se a avó não disse, não digas tu. E dos bolos? A avó falou dos bolos?
– Falou. Mas não disse que comemos um bolo de arroz. E que a avó ficou cheia de medo por causa dos glúteos.
– Glúten!!
– Nunca tinha comido um bolo de arroz. É tão bom. Podíamos comer outra vez e não dizemos à mãe.
– Não. Se a mãe não quer, não vamos comer. Isso está cheio de porcarias. Come antes um biscoito.
– De aveia e quinoa dos Andes? Come tu. Detesto aquilo.
– Eu também. Não sabe a nada.
– Achas que conseguimos convencer a mãe a parar de comprar?
– Eu não me importava de comer aquilo uma semana inteira, eu queria era parar de usar aquele champô.
– Blargh!! Não fales nisso que fico com vontade de vomitar. Cheira a cocó. E vomitado.
– Olha, e ouviste o que a mãe disse ao telefone?
– Só ouvi partes. Tava a falar dos abraços nas árvores.
– O que é que tem? A mãe ficou chateada porque não demos nenhum?
– Não sei. Acho que até se riu. Devia pensar que como tínhamos uma árvore no quintal íamos andar sempre aos beijos ao tronco. Eu não gosto disso.
– Eu gosto. Tu é que és um esquisito. Com isso e com as minhas saias.
– Eu não vou usar as tuas saias. Não quero usar as tuas saias. Nem brincar com as tuas bonecas. Podes brincar com os meus carros, mas eu não quero as tuas bonecas.
– Os nossos carros. As nossas bonecas. A mãe diz que são nossas.
– Tá bem. Mas eu não quero as nossas bonecas.
– Sabes se a avó disse alguma coisa da música?
– Acho que disse que não ouvimos os monges e que gostámos de ouvir aquele do nós pimba. E o Despacito.
– É o Emanuel. Eu não gostei de ouvir o Emanuel.
– Eu também não. Mas a avó não sabe. Não lhe digas. A avó é velhinha, não precisa de saber que não gostamos de tudo.

Leia AQUI os recados da mãe para a avó. E AQUI a resposta da avó.