As 5 regras de Helen Mirren para ser feliz

Helen Mirren demorou a assumir-se como feminista, mas é hoje a primeira a dizer ao mundo que pode - e deve - defender a igualdade de oportunidades entre géneros. Um trabalho para todos sem exceção.

Texto NM | Fotos da Shutterstock e Patrick T. Fallon/Reuters

Muito pior do que terminar o curso e não ser capaz de arranjar trabalho é não dar às mulheres a liberdade de cumprirem as suas ambições se estiverem para aí viradas, as asas permanentemente a serem-lhes cortadas. «Elas são tão capazes e enérgicas e inspiradoras quanto os homens», disse a atriz britânica Helen Mirren na cerimónia de formatura da Tulane University, em Nova Orleães, EUA, onde foi convidada a discursar este sábado. Os aplausos da jovem assistência não tardaram nem falharam.

«Quando as mulheres são respeitadas, quando lhes é dada a possibilidade de perseguirem os seus próprios sonhos, a vida torna-se melhor para toda a gente.»

«O feminismo não é uma ideia abstrata e sim uma necessidade se todos nós, homens incluídos, quisermos andar para a frente em vez de retroceder, movidos pela ignorância e uma inveja medrosa», sublinhou ainda a Dame da Ordem do Império Britânico (o equivalente ao Sir para cavaleiros), vencedora de um Óscar da Academia pelo seu papel no filme A Rainha (2006).

Helen nunca se definiu a si mesma como feminista, embora agora que olha para trás, aos 71 anos, perceba que se comporta como tal há décadas. «Acreditava no óbvio: quando as mulheres são respeitadas, quando lhes é dada a possibilidade de perseguirem os seus próprios sonhos, a vida torna-se melhor para toda a gente», diz.

«Agora, não só me declaro feminista como vos desafio a fazerem o mesmo.»

Via-o em cada país que visitava, da Suécia ao Uganda, de Singapura ao Mali. Custava-lhe integrar o movimento por lhe parecer «demasiado didático e político», até constatar que o rótulo era o que menos importava quando, na prática, sempre se bateu pela igualdade de oportunidades.

«Agora, não só me declaro feminista como vos desafio a fazerem o mesmo», incentivou a atriz, que presenteou ainda os universitários com os seus cinco mandamentos para a felicidade.

AS 5 REGRAS DE HELEN MIRREN PARA UMA VIDA FELIZ

5. NÃO TE CASES DEMASIADO CEDO

Ela própria se casou com o marido Taylor Hackford aos 52 anos e tudo correu na perfeição para o casal. Uma adenda a este ponto: dar sempre ao parceiro a liberdade e o apoio de que precisa para poder realizar-se pessoal e profissionalmente.

4. TRATA OS OUTROS COM RESPEITO

Qualquer pessoa com quem nos cruzamos na vida, inclusive o motorista de táxi que nos apanha na paragem, merece o nosso respeito e generosidade. Adenda a esta regra: independentemente do vosso sexo ou raça, sejam feministas.

3. IGNORA OS QUE TE JULGAM PELO ASPETO FÍSICO

Especialmente se ele ou ela escolherem fazê-lo como anónimos na internet. É vergonhoso. Nada justifica uma atitude dessas.

2. NÃO TENHAS MEDO DO MEDO

Foram as palavras que ouviu da professora Mary Mildred aos 11 anos e recorda-se de ambas como se fosse ontem. Não deixar que o medo a domine tornou-se uma das suas máximas desde então.

1. NÃO COMPLIQUES DEMASIADO

Há que ser prático e saber atravessar os dias mantendo as coisas simples. Pela parte que lhe toca, umas quantas regras básicas servem para tudo: agradecer sempre a quem merece; não procrastinar; não perder o sentido de humor; não poisar chávenas quentes em superfícies de madeira envernizada (nem encerar superfícies de madeira em primeiro lugar); abrir o coração ao amor.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.