Prémio Gazeta 2015 para jornalista da Notícias Magazine

24786951_GI25052016REINALDORODRIGUES1110_

Publicidade

Ricardo J. Rodrigues foi premiado na categoria de Imprensa.

Ricardo J. Rodrigues, jornalista da Notícias Magazine, acabou de vencer o Prémio Gazeta de Imprensa. A reportagem «Um milagre na guerra, ou as muitas vidas de Isabel Batata-Doce» foi publicada a 15 de novembro de 2015 na revista de domingo do Diário de Notícias e do Jornal de Notícias e conta a história de Isabel Batata-Doce. Nascida Isabel Manuel Jacinto, a menina foi adoptada por um batalhão de artilharia português, depois de ter sido encontrada no mato junto a Catete, Angola.

A bebé, de 2 anos, tinha sido deixada para trás pela mãe – caíra-lhe das costas enquanto fugia de uma África em guerra. Os soldados portugueses viram-se com uma criança negra nos braços. Acolheram-na no quartel e trouxeram-na depois para Portugal, onde cresceu. Cinquenta anos depois, entrou no Arquivo do Diário de Notícias, para procurar uma notícia de 1965 sobre a sua chegada a Lisboa. O batalhão iria encontrar-se daí a dias, para celebrar cinco décadas de regresso salvo, e Isabel queria aproveitar a oportunidade para reconstruir o seu passado. José Simões Dias, chefe do arquivo, ligou imediatamente para a redação da Notícias Magazine: «Acho que tenho aqui uma história para vocês.»

«Percebi imediatamente que era uma história fantástica e passei mais de um mês em torno dela», diz Ricardo. «Fiz algumas incursões ao Arquivo Histórico Militar do Exército, tentei falar com algumas pessoas que tinham estado em Angola nesse tempo, com os homens que a encontraram e tomaram conta dela. Foi como reconstituir um puzzle. Tive muita ajuda da própria Isabel, ela que tinha tanta sede em saber quem era. E muita ajuda da revista, na edição e no tempo que me deram para investigar. Vivi intensamente esta história e cada achado era como se fosse um achado do meu passado.»


Leia na íntegra a reportagem «Um milagre na guerra, ou as muitas vidas de Isabel Batata-Doce»


spread_batata

«Fiquei muito feliz por ter ganho [o Gazeta] a contar a história da Isabel. É uma pessoa muito generosa, extraordinária», diz Ricardo.

O Prémio Gazeta de Fotografia foi atribuído ao fotojornalista Pepe Brix, pelo seu retrato da vida dos pescadores portugueses a bordo dos bacalhoeiros da frota portuguesa, publicado na Notícias Magazine com o título «Navegar é preciso», também com texto do jornalista Ricardo J. Rodrigues, a 1 de março de 2015. Antes disso, em fevereiro, o trabalho foi publicado na edição portuguesa da National Geographic, com o título «Código Postal: A2053N» e num formato diferente.

spread_pepe


Leia a reportagem «Navegar é preciso».


«Mar de palha, zona C» valeu à jornalista Rita Colaço, da Antena 1, o Gazeta de Rádio. O Gazeta de Televisão foi para Sofia Leite, da RTP, que venceu o galardão com a reportagem «Água Vai, Pedra Leva».

Com a reportagem «20 anos são dois dias», publicada no site da Rádio Renascença, a jornalista Catarina Santos ganhou, pelo segundo ano consecutivo, o Gazeta Multimédia. O trabalho junta texto, vídeo, fotografia e elementos gráficos.

O juri dos Prémios Gazeta distinguiu ainda Sibila Lind, jornalista do Público e autora da peça «Anatomia de uma Ópera», com o Gazeta Revelação. O jornal Reconquista, semanário da Beira Baixa, foi premiado na categoria de Imprensa Regional.

O troféu Gazeta de Mérito foi atribuído a Vicente Jorge Silva. Foi diretor do Comércio do Funchal, onde iniciou a carreira no jornalismo, teve um papel importante na criação e direção da Revista do semanário Expresso e foi o primeiro diretor do jornal Público.

Os Prémios Gazeta são os mais importantes galardões do jornalismo em Portugal e são atribuídos anualmente pelo Clube de Jornalistas. O juri foi formado por Eugénio Alves e Cesário Borga (membros do Clube de Jornalistas), Eva Henningsen (Associação da Imprensa Estrangeira em Portugal), Fernando Correira (jornalista e professor universitário), Fernando Cascais (docente no Cenjor), Jorge Leitão Ramos (crítico de cinema e televisão), José Rebelo (docente universitário), Paulo Martins (docente universitário e membro da Comissão da Carteira Profissional) e Fernanda Bizarro (freelancer).