Gatos, cães ou… galinhas. Quais são os melhores animais de estimação lá para casa?

A primeira pergunta que se impõe a futuros donos – mais do que saber que pet serve para eles – é: «Serei eu a melhor pessoa para este animal?» Segue-se a segunda: «De quanto espaço realmente precisam os animais de estimação?» E se pensa que qualquer aquário redondo serve para ter um peixinho dourado... bom, o melhor é pensar duas vezes.

Texto NM | Fotografias da Shutterstock

CÃES

São considerados os mais fiéis amigos do homem, os melhores companheiros, a devotar-nos o amor mais incondicional, mas a verdade é que apartamentos cada vez mais pequenos não são a melhor casa que podemos dar aos nossos cães. E isso explica a crescente popularidade do dachshund – o famoso cão salsicha – cujo tamanho pequeno, de perninhas curtas e pelo ralo o tornam a escolha ideal para quem não se imagina a ter outro animal além de um cão. Não foi à toa que no ano passado houve nove mil novos registos de dachshund só no Reino Unido, segundo o Kennel Club (o mais antigo do mundo). Os números representam um aumento de 40 por cento de salsichas face a 2015.

PEIXES

Já foram tidos na conta de animais mais fáceis de manter, uma vez que qualquer aquário minúsculo chegava e sobrava (assim pensávamos nós) para um peixinho dourado se sentir feliz em nossas casas. Porém, temos andado enganados todo este tempo, de acordo com o grupo online de aficionados de peixes It’s Not Just a Fish (à letra Não É Só Um Peixe). Se há coisa de que os pequenos amigos precisam, mais que de uma taça com dois dedos de água e uns flocos de peixe, é de espaço onde possam socializar com outros peixes (são animais que gostam de companhia), ter oxigénio suficiente e nadar sem ser em círculos na sua própria porcaria. Aquários de pelo menos 120 centímetros de comprimento são os mínimos olímpicos a cumprir.

GATOS

Da mesma forma, gatos sempre foram considerados animais de apartamento por exigirem pouco mais que uma caixa de areia para as necessidades e quase nenhum espaço para gastarem energias, mas esse é outro mito que importa clarificar: apesar de mais independentes que os cães, sim, o ideal é terem acesso a várias divisões da casa para poderem correr à vontade, incluindo uns quantos sítios a que trepar, brinquedos estimulantes próprios para gato e muita interação com os seus humanos a fim de garantir que não se aborrecem. E, claro, doses diárias de exercício estimuladas pelos donos – tal como sucede com os cães – para não ficarem gordos desnecessariamente.

COELHOS

São outra tendência relativamente recente entre quem procura um companheiro peludo – afinal, coelhos são fofinhos e meigos, com focinhos que derretem o coração mais empedernido. Mas ninguém pense que basta enfiá-los numa gaiola e está feito, porque a felicidade do animal depende de alguns fatores. A saber: ter pelo menos dois coelhos para fazerem companhia um ao outro, em vez do único previsto inicialmente. Espaço: qualquer coisa como uma divisão inteira só para eles, liberta de coisas que os podem matar como fios elétricos ou plantas venenosas. Brinquedos e barrinhas de cereais próprias para eles roerem (vão deixá-los menos interessados nos tais fios elétricos e plantas venenosas). Além disso, convém perder o amor aos rodapés de madeira e à mobília, já que é bem provável que nunca mais voltem a ser os mesmos.

GALINHAS

O que nos deixa com as galinhas. Ao contrário do que possa pensar – nomeadamente que o lugar delas é na panela, num saboroso caldo com massinha de letras –, são animais que apreciam bastante a companhia dos humanos (desde que venham por bem). Também se contentam com pouco espaço – conseguem perfeitamente correr num metro quadrado, embora prefiram mais um pouco se lho puder oferecer – e podem ser felizes solitárias, apesar de o ideal é terem mais uma ou duas galinhas com que socializar.