OPINIÃO

O meu Facebook ressabiado é mais ressabiado do que o teu

Lavar ou não roupa suja no Facebook depois de acabada uma relação? Eis a questão.

– Viste o post da Sandra no Facebook?

– Qual Sandra?

– Qual Sandra?! A tua amiga Sandra. A Sandra do Ricardo.

– A ex-Sandra do Ricardo, queres dizer.

– Não. A Sandra do ex-Ricardo.

– Foi ela que acabou.

– Não foi o que ele me disse.

– É normal. Temos versões diferentes. O Ricardo é teu amigo, a Sandra é minha amiga, cada um conta a sua história. Não vi o post dela. Só vi o dele. Bem ressabiado, por sinal.

– Claro que temos versões diferentes. Ela deve ter dito que estava com dúvidas e precisava de um tempo e que ele a sufocava. E ele a mim disse-me que ela se enrolou com um colega do trabalho. São histórias diferentes. E não vi o post dele. O que é que dizia?

– Vai lá ver. Isso de ela se ter enrolado com um colega foi uma coisa que ele enfiou na cabeça e que não tem cabimento. Ela não se enrolou com ninguém enquanto andava com ele.

– Só se enrolou depois? E agora vai viver com ele? Duas semanas depois de o namorado acabar, ela muda de casa para ir viver com um tipo. E escreve isso numa rede social, com aquelas palavras?! E vais-me dizer que não houve nada antes?

– Eu não disse que não houve nada antes. Eu disse que não se enrolaram antes.

– Ah, só não se enrolaram. Tudo o resto, está bem. Mas só não se enrolaram. Deram apenas uns beijos e uns amassos. Foi isso?

– Não sei o que aconteceu, mas ela disse-me que não se enrolaram e eu acredito na minha amiga. Ele não acredita, está visto. Por isso é que escreveu o que escreveu no Facebook. Mal educado.

– Ela passou a dormir no sofá há uns meses porque não queria estar na mesma cama que o Ricardo, começou a andar irritadiça com ele e a responder torto. Recebia mensagens às três e quatro da manhã. Mudava a password do telemóvel de semana a semana… E duas semanas depois de o Ricardo se fartar e bater com a porta, ela decide ir viver com outra pessoa e espeta isso no Facebook a esfregar tudo na cara do rapaz. Mas não… tu achas que eles não se enrolaram antes…

– Não foi ele que bateu com a porta. Foi ela. E como é que sabes que ela mudava a password do telemóvel de semana a semana?

– A password do telemóvel?

– Sim, disseste que ela mudava a password do telemóvel de semana a semana. Como é que sabes? Como é que o Ricardo sabe?

– Não sei, isso não me interessa. O que interessa é que ele se fartou de andar a ser traído e ela vem confirmar que ele tinha razão ao publicar aquilo no Facebook.

– Ele andou a espiolhar o telemóvel da Sandra?

– Não faço ideia. Não me interessa. Não perguntei. O que é que isso importa agora?

– Importa porque isso era uma das coisas de que ela se queixava e que a fez acabar a relação. Ele sufocava-a, era controlador e ela desconfiava que ele ia ao e-mail e telemóvel dela.

– Não foi ela que acabou a relação, foi ele. E não sei se ele ia ao e-mail ou ao telemóvel dela. Nunca perguntei. Mas parece-me que é menos grave do que enganar o namorado. Mas se ela é capaz de escrever aquilo no Facebook, então é porque está de consciência tranquila com a bodega que fez. E isso diz muito do carácter dela.

– E se ele é capaz de ir para o Facebook lavar roupa suja e escrever o que escreveu, isso diz muito do carácter dele.

– Um dia, se nos separarmos, vais escrever coisas sobre mim no Facebook?

– Depende. Se prometeres que não escreves, eu prometo que não escrevo.