OPINIÃO

Rir para aprender

Professores sorridentes e bem-dispostos têm alunos mais interessados, motivados e com mais vontade de aprender.

Professores sorridentes e bem-dispostos têm alunos mais interessados, motivados e com outra vontade de aprender. O humor é uma ferramenta da pedagogia e estará em debate numa conferência sobre educação, que decorre esta semana, em Lisboa.

«A Sorrir também se Aprende» é o tema do congresso que vai decorrer no próximo dia 20 de junho no auditório da Fundação Montepio. Crianças satisfeitas e bem dispostas apren­dem com mais prazer?
_ Sim, já lá vão os tempos em que a chama­da boa educação se associava a postura rí­gida e sisuda. Hoje sabe-se que o prazer e o bem-estar são aliados fundamentais da educação e da aprendizagem e que o hu­mor é um facilitador do bem-estar. O hu­mor leva ao sorriso e, ao sorrir, libertamos endorfinas que dão uma sensação de bem-estar e são facilitadoras da aprendizagem.

O humor é uma ferramenta da pedagogia?
_ O humor pode ser usado de forma peda­gógica. Como outras estratégias de comuni­cação, propicia a interação entre professo­res e alunos e pode ser usado como um faci­litador que permite chegar a mais crianças e proporcionar vivências que estimulam mui­tas competências úteis aos alunos: a criativi­dade, a capacidade de refletir, o pensamen­to abstrato e a capacidade de generalização.

Mas quando falamos do humor na sala de au­la, falamos exatamente de quê?
_ Falamos de situações em que o profes­sor propicia momentos de boa disposição que funcionam como quebra-gelo. Pode di­zer uma piada, pode contar uma história engraçada, rir e fazer rir os seus alunos cap­tando mais a sua atenção. O uso de histórias favorece-a: enquanto estamos a ouvir, a nos­sa atenção está focada e a dos alunos também.

Um professor, para ser bom, tem de ter graça?
_Não. Há excelentes professores que nun­ca tiveram graça. O humor é mais uma fer­ramenta pedagógica e o professor que o usa não tem de ter uma postura menos séria ou menos exigente. O que defendo é que o hu­mor é uma ótima estratégia para ser usada sempre que um professor quer captar a aten­ção dos seus alunos e/ou quebrar a tensão na sala de aula. Claro que há outras estratégias, mas fazer uma piada é um meio eficaz para esse fim. E isto está provado pela investiga­ção das neurociências e da psicologia.

Não acha que se pede demasiado à escola e aos professores?
_ Pedem-se muitas tarefas burocráticas e ad­ministrativas,  é um facto. E do que os profes­sores gostam é de ensinar.  Não desvaloriza­mos o excesso de trabalho, mas um professor que marca os alunos é aquele que consegue ultrapassar essas barreiras e cativá-los na sala de aula. Se pensarmos, de que professo­res é que cada um de nós se lembra? Eu recor­do os que criaram uma relação comigo. Fo­ram esses que deixaram marcas e não os que mantiveram uma posição distante. O humor permite criar essa relação e facilita o prazer e a atenção para a aprendizagem.

Mas isso é a empatia…
_ Não, a empatia é a capacidade de estar em sintonia com o outro, enquanto o humor é um facilitador de relação. Não devemos, po­rém, usar o humor sarcástico, pois o risco de ser mal interpretados é grande. No geral, o humor permite despertar o gosto pelas au­las, por certas disciplinas e pelos professo­res. Tem muito que ver com a forma como estes gerem a aula e com as estratégias de re­lação que utilizam. Quando os professores fazem os seus planos de trabalho pensam nos melhores meios para cativar e envolver os alunos. E o que nós sabemos é que quan­do os momentos de boa disposição na sala de aula são recorrentes, os alunos tornam-se mais interessados,  motivados e envolvidos.

Alguns professores dizem que o humor pode ser um aliado da indisciplina. Não concorda?
_ Se o professor conseguir ser assertivo, isso não acontece. O uso do humor não im­plica o desrespeito pelas regras. Na relação professor-aluno está subjacente uma certa formalidade, mas sabemos que tende a ser mais rígida quando o professor se sente in­seguro diante dos alunos mais provocado­res. Quando os professores estão bem pre­parados são eficientes e, se souberem usar o humor, podem desarmar os alunos em si­tuações mais complexas. Introduzir o hu­mor na sala de aula implica que o professor esteja disponível para os seus alunos usa­rem também esta ferramenta. Encontrar um equilíbrio, gerindo as participações sem levar a excessos é fundamental.

Então porque é que os alunos mais bem-dis­postos são tantas vezes penalizados?
_Acontece muito por receio e imprepara­ção dos professores, que não se sentem con­fortáveis e receiam destabilizar o grupo. Os alunos mais bem-dispostos geralmente são os que já utilizam o humor no seu dia-a-dia.

Ter ou não ter sentido de humor e saber usar o humor. Nasce-se com essas caraterísticas ou podem ser desenvolvidas?
_ O humor pode ser mais inato numas pes­soas do que noutras, mas é uma competên­cia que pode sempre ser desenvolvida. Os professores devem preocupar-se em ser eficientes no ato de comunicar para con­seguirem ser mais atrativos para quem os está a ouvir. Aprende-se a usar o humor tal e qual como se aprende a usar power points e vídeos para se ser mais eficiente a trans­mitir uma mensagem. Quanto mais se conseguir introduzir o humor de forma na­tural no discursos quotidiano, mais fácil se­rá de utilizá-lo no contexto escolar.

O que é que a escola ganharia se fosse um espaço mais colorido?
_ Dar cor a um espaço passa muitas vezes por o encher de sorrisos. No contexto esco­lar, caras motivadas e animadas demons­tram crianças com vontade de crescer e aprender. Rir é saudável e traz benefícios para a saúde, existem vários estudos que o comprovam.

Acha que esse tipo de discurso tem eco nas nossas escolas?
_ Gostava que sim. As neurociências dão–nos cada vez mais informações sobre a forma como o nosso cérebro aprende, o que permite aumentar a eficiência das rela­ções e os níveis de produtividade cognitiva. O que já sabemos é que estamos mais pre­dispostos a aprender se produzirmos níveis adequados de dopamina, endorfina, oxito­cina entre outras substâncias que nos dão prazer e bem-estar. É importante ter pro­fessores mais disponíveis para a utilização de novas ferramentas e conhecimentos, de forma a conseguirmos chegar a todas as crianças, independentemente das suas di­ferenças. Todas  têm o mesmo hardware, ca­be-nos a nós ajudá-las e motivá-las a trans­formar os seus softwares retirando o me­lhor proveito deles!

Mas esse conhecimento é muito recente, a maior parte das pessoas ainda não sabe…
_ Incluindo a maior parte dos professores. Saber como o cérebro aprende tem esta­do à margem da formação de base dos pro­fessores e essa é uma lacuna do nosso siste­ma educativo. É fundamental a educação acompanhar a evolução da investigação e procurar dar algumas respostas às dificul­dades com que os professores se deparam.

Há motivos para nos alegrarmos com a es­cola portuguesa?
_ Sim, claro. Com as condições que se dão aos professores, fazem-se coisas fantásti­cas. Mas são as menos boas que são divul­gadas, o que cria uma imagem deturpada da educação. Alegro-me com a evolução e o sucesso dos alunos, que não se traduzem apenas nos resultados dos testes.

Quem rouba o sorriso aos professores?
_ Quem os enche de tarefas burocráticas. O que os professores gostam de fazer é de propiciar boas aulas aos seus alunos. O res­to também faz parte, mas é um fardo que podia ser aliviado. A desvalorização social do papel que desempenham  também lhes rouba o sorriso. O problema é que se os pro­fessores não sorrirem, como podem pôr as crianças a sorrir?

E o que rouba o sorriso às crianças?
_ O tédio. Infelizmente, as aulas tendem a ser um espaço de tédio, ao contrário da es­cola, onde os alunos gostam de estar. Che­gam muito motivados ao início da escola­ridade, mas vão perdendo gradualmente o gosto pela aprendizagem.  Se não existir um moldar às capacidades de cada criança, um procurar do potencial de cada uma, um transmitir que é bom estar na sala de aula, acabamos por não dar razões às crianças para terem satisfação em aprender!

QUEM É RENATO PAIVA?
Pedagogo, é diretor da Clínica da Educação e faz formação de professores e formação parental. É autor dos livros SOS Tenho de Passar de Ano, Ensina o Teu Filho a Estudar e O Segredo para Alcançar o Sucesso na Escola (ed. Esfera dos Livros).

Célia Rosa
Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens