OPINIÃO

Guardar o mar no feminino

[CONTEÚDO PATROCINADO]

Os estuários são os guardiões do mar, sendo a sua flora única e o sustento de muitas famílias. O empenho das mulheres que protegem, limpam e vivem do Sado já ganhou um prémio. Um projeto que deve ser conhecido e replicado.

Eco-empreendedorismo, voluntariado e cidadania ativa. O meio ambiente precisa de tudo isto e muito mais. Precisa de ser cuidado, com dedicação e conhecimento e o meio aquático não é exceção.

Os estuários são o ponto onde os rios e o mar convergem, e onde se encontram as pradarias marinhas. Estas são nada mais, nada menos, que o 3º habitat com mais valor do planeta. A má notícia é que, a cada hora, em todo o mundo, o equivalente a dois campos de futebol de pradarias marinhas é destruído, graças a técnicas de pesca agressivas e à poluição.

É na flora das pradarias do Sado que muitos peixes encontram alimento e, em busca destes, é comum verem-se por ali golfinhos a mergulhar, bem como embarcações de pescadores que procuram o seu sustento. E é neste cenário que encontramos um grupo muito especial de mulheres.

O projeto “Guardiãs do Mar: salvar o ambiente, preservar empregos”, da autoria da bióloga marinha Raquel Gaspar, foi o grande vencedor da 8ª edição do Prémio Terres de Femmes Portugal 2017, atribuído pela Fundação Yves Rocher, que todos os anos destaca uma iniciativa na área do eco-empreendedorismo levado a cabo por uma mulher portuguesa.

Completamente feminino, este projeto envolve as mulheres pescadoras do Sado na proteção das pradarias marinhas, sensibilizando-as para a eliminação do lixo resultante da pesca e da mariscagem, integrando-as ativamente nos estudos científicos de monitorização do ambiente marinho e garantindo assim os seus postos de trabalho

O “Guardiãs do Mar” inclui ainda um Programa de Educação Marinha, essencialmente dirigido à comunidade escolar, onde a Ocean Alive, organização cujo objetivo é proteger as pradarias marinhas do estuário do Sado, propõe atividades como visitas de estudo guiadas, um dia a mariscar com uma guardiã do mar ou uma visita marinha a bordo.

Com este projeto, Raquel Gaspar recebeu o galardão de eco-cidadã do ano, bem como um prémio no valor de 10 mil euros, entrando na corrida ao “Prémio Internacional” e ao “Prémio do Público”, no valor de 5 mil euros, sujeito a votação online, até 24 de março.

Até agora, as campanhas de sensibilização no Sado já promoveram sete ações de limpeza de praia, envolveram 271 voluntários e abordaram 437 mariscadores. Foram apanhadas mais de quatro toneladas de lixo e cerca de 12 mil embalagens de sal. Seja no masculino ou no feminino, o importante agora é seguir em frente e continuar.

banner

Fotografia @