OPINIÃO

As crianças têm direito a não dar beijinhos

Quem tem filhos pequenos conhece o filme: frequentemente familiares, amigos e conhecidos querem beijinhos dos miúdos quando os encontram e, também frequentemente, os miúdos recusam. Faz sentido insistir comos pequenos para darem beijos ou deve ser a criança a escolher como cumprimentar?

Texto de Sofia Teixeira | Ilustração Shutterstock

Carolina Pimentel, 33 anos e três filhos, tem em casa um autêntico «expositor» do que são as diferenças de personalidade, socialização e atitude perante manifestações de afeto. Rodrigo, de 7 anos, escondia a cabeça no meio das pernas dos pais quando era mais novo, continua tímido e envergonhado e não dá beijos nem abraços a ninguém.

Sebastião tem 5, ainda ninguém lhe pediu nada e já ele se está a esticar para dar beijos e abraços (cumprimenta e despede-se de toda a gente, mesmo que seja ao entrar e sair de um elevador, cheio de desconhecidos, no centro comercial). Mafalda, de 2 anos, faz jus à fama de esta idade ser temperamental e tem dias: ora está expansiva e beijoqueira, ora relutante em aproximar-se de alguém.

Carolina tem feito sempre questão de lhes explicar que dar beijos é opcional, ser bem educado é obrigatório. «Respeitamos os momentos e a personalidade de cada um. Sabem que “olá”, “boa tarde”, “adeus” têm sempre de dizer, que devem responder quando falam com eles, mas os beijinhos e abraços dão quando querem e a quem querem, sem obrigações.»

«Com um passou-bem, um “boa-tarde” ou simplesmente com um sorriso e um aceno continuam a ser educados e simpáticos para com os outros, sem necessidade do beijo ou do abraço.»

As crianças, como os adultos, têm diferentes níveis de tolerância ao contacto físico por parte de pessoas que não lhes são próximas. «O que para algumas crianças é prática comum, para outras pode ser muito incomodativo ou mesmo causar-lhes repulsa», explica a psicóloga Carla Pacheco, defendendo que os limites de cada um devem ser respeitados.

Parece óbvio e do mais elementar bom senso, mas há pais que continuam a sentir-se incomodados perante a recusa dos filhos no que toca a cumprimentos físicos e há adultos que interpretam essa recusa das crianças como falta de educação.

Já a psicóloga clínica Cláudia Leal admite que, para os padrões da nossa sociedade, o cumprimento de beijinho faz parte da socialização, mas é importante que os pais consigam perceber que educação, regras e limites não devem chocar de frente com o respeito pelos afetos dos filhos, ainda que, por vezes, eles façam escolhas que vão contra o que é socialmente esperado.

Por essa razão, não tem dúvidas: «Os pais devem incutir-lhes a liberdade de poderem escolher a maneira como saúdam as pessoas, conhecidas ou desconhecidas. Com um passou-bem, um “boa-tarde” ou simplesmente com um sorriso e um aceno continuam a ser educados e simpáticos para com os outros, sem necessidade do beijo ou do abraço.»

Para Carolina, as recusas – quase sistemáticas de Rodrigo e esporádicas de Mafalda – são geridas com naturalidade e sem drama. Perante o pedido de alguém e a recusa deles, estando por perto, dirige-se aos miúdos dizendo: «Não precisas de dar beijinho, mas tens de dizer olá.»

«Nunca tive reações negativas entre o círculo de amigos ou conhecidos.» Mas admite que é mais difícil com pessoas mais velhas, como os avós e as tias, que não veem com tanta frequência. «Às vezes para os avós paternos é difícil aceitar. Mas explico-lhes que obrigar os meus filhos a dar beijinhos era o mesmo que obrigarem-me a mim a beijar alguém: não faz sentido.»

Cláudia Leal defende que a sensibilização para os afetos é muito importante para o desenvolvimento saudável de uma criança, mas não pode valer tudo. «Seja com os avós, tios, amigos ou até conhecidos, devemos sempre incentivar a retribuição de um gesto carinhoso, de uma palavra doce. Podemos e devemos promover o carinho, mas não podemos esquecer que o sentir não se impõe. Ao forçar, cria-se um falso conceito de afeto», defende.

De acordo com a psicóloga, muitas vezes, as crianças aceitam cumprimentar alguém dessa forma, mesmo quando não gostam, com medo de serem castigadas. «Que liberdade de sentir lhes damos assim?», questiona.

Há quem vá mais longe e entenda que as imposições são perniciosas: ensina-lhes que devem submeter-se a contacto físico não desejado, só porque esse é o desejo dos outros.

Carla Pacheco concorda: é importante sensibilizá-las para os estados emocionais dos outros e para o efeito das suas ações nelas, mas isto deve ser feito «sem culpabilização, chantagem ou com vista a convencer a criança, mas apenas com o intuito de fomentar a empatia e lhe permitir ser ela própria a desenvolver estratégias de retribuir o carinho e a atenção, nos seus próprios termos.»

Há quem vá mais longe e entenda que as imposições são perniciosas: ensina-lhes que devem submeter-se a contacto físico não desejado, só porque esse é o desejo dos outros. A coach parental norte-americana Jennifer Lehr criou celeuma no seu blogue quando, há dois anos, defendeu que este comportamento dos pais leva a criança a percecionar como sendo normal o uso do corpo para satisfazer os desejos alheios.

E – apesar de ter sido acusada por muitos de ser extremista – defendeu que isso era meio caminho andado para a criança tolerar uma relação abusiva, tanto na infância como na adolescência.

Carla Pacheco confirma que é essencial respeitar o espaço pessoal da criança, promovendo a noção de respeito por si própria e pelos seus afetos. «Ao forçarmos uma troca de afeto que não é sentida, estamos a transmitir-lhe a ideia de que a sua vontade, no que respeita ao seu espaço pessoal e aos seus afetos, poderá não ser tão válida como a de terceiros.»

A psicóloga defende que é importante não cairmos em extremismos – «Não vamos traumatizar a criança por a forçar a dar um beijinho à tia que veio de longe» –, mas que é importante refletirmos sobre qual é a mensagem implícita neste comportamento e quais são, afinal, as nossas verdadeiras motivações para isso.

«Enquanto pais, podemos sentir-nos melindrados, por receio de ver a nossa competência parental posta em causa pelos outros. Mas importa ter em mente que a criança é um indivíduo de direito próprio e que não existe para ir ao encontro das necessidades ou expetativas de terceiros.»

BEIJINHOS DAS VISITAS TODAS AO RECÉM-NASCIDO? É MELHOR NÃO.

Apesar de poder haver um batalhão de gente a querer ver, pegar e dar beijos ao bebé nos primeiros dias – seja na maternidade, seja já em casa, é prudente que, sem extremismos, haja alguma salvaguarda. O bebé esteve nove meses num ambiente perfeitamente estéril, protegido do exterior. Quando nasce tem alguma imunidade devido aos anticorpos da mãe, mas o sistema imunitário ainda é muito frágil e impreparado para lidar com os milhões de microrganismos do ambiente.

Herpes, mononucleose ou um simples vírus da gripe, que em crianças mais velhas ou em adultos não costumam ter um impacto muito grande na saúde, podem, num recém-nascido, provocar complicações. Por isso, sobretudo no primeiro mês de vida, as visitas devem ter o cuidado de não pegar no bebé se estiverem doentes e de lavar as mãos antes de lhe dar colo. Os beijos devem ser limitados às pessoas mais próximas da família e devem ser dados preferencialmente na testa ou cabeça, não na cara ou nas mãos.