Trabalho da NM sobre o cancro volta a ser distinguido

Leonel de Castro e Ana Tulha foram distinguidos numa cerimónia realizada no Sindicato dos Jornalistas, em Lisboa

Reportagem de Ana Tulha e Leonel de Castro recebe menção honrosa nos prémios AMI - Jornalismo contra a Indiferença.

A reportagem “O cancro tem latitude e longitude”, da jornalista Ana Tulha e do fotojornalista Leonel de Castro, recebeu, nesta quarta-feira, no Sindicato dos Jornalistas, em Lisboa, uma menção honrosa nos Prémios AMI – Jornalismo Contra a Indiferença.

O trabalho, que já foi galardoado com o Prémio Jornalismo em Saúde e que pode ver aqui, é uma viagem às assimetrias do cancro, um retrato das dificuldades que os doentes oncológicos enfrentam diariamente nas regiões mais periféricas do país.

Nesta edição dos prémios AMI – Jornalismo contra a Indiferença, foram premiados os trabalhos “Ao fim de 40 anos, Vicente não queria sair da prisão”, da jornalista Ana Cristina Pereira (Público), “Crimes em Claro”, de Susana André (SIC) e “Violeta”, de Filipe Santa-Bárbara (TSF).

Foram ainda distinguidos com menções honrosas um trabalho de Céu Neves (Diário de Notícias) sobre o tráfico de pessoas e a série “Portugueses ciganos – Uma história com cinco séculos”, de Ana Cristina Pereira (Público).