Criar aromáticas numa pequena varanda

(Foto: Unsplash)

O "Consultório de jardinagem" desta semana, por Sofia Manuel.

Gostaria de ter uma pequena horta de aromáticas na minha pequena varanda. O que devo fazer?
Amélia Cruz, Barreiro

Antes de qualquer decisão, há duas perguntas às quais temos de responder: “Quantas horas de sol recebe a minha varanda?” e “Quanto tempo posso dedicar à minha horta?”. Só depois conseguimos escolher as plantinhas mais apropriadas. Nada tema! Vamos simplificar.

As ervas aromáticas dividem-se em três grandes grupos com características e necessidades muito específicas:

1) As ervas vivazes perenes (tomilho, rosmaninho, alecrim, por exemplo) são plantas resistentes, que duram muitos anos. Precisam de muitas horas de sol, nada de as ter num cantinho escuro da varanda, vamos estar a provocar-lhes uma morte lenta e dolorosa. Quanto à rega, são as nossas melhores amigas, nada exigentes. Basta espetar um dedo no substrato – se estiver seco, é altura de regar;

2) As ervas vivazes herbáceas (cebolinho, erva-cidreira, etc.), que perdem a sua parte aérea durante os meses mais frios;

3) As ervas anuais ou bianuais (salsa, coentros, manjericão…), que completam o ciclo de vida num ano.

Tanto as ervas vivazes herbáceas como as ervas anuais são de manutenção semelhante. Precisam de um local com boa exposição solar e substrato muito rico em matéria orgânica. Na rega, são bastante exigentes – assim que a primeira camada de substrato secar é hora de regar.

Vejamos em termos práticos:

– Um cantinho com oito horas de sol? Perfeito para ter uma floreira com tomilho, orégãos, rosmaninho e alecrim.

– Um cantinho com cinco horas de sol? Posso aventurar-me com uma floreira de manjericão, salsa e cebolinho.

– Um cantinho sem sol? Só mesmo um banquinho para apreciar a minha pequena horta.

Para finalizar, os vasos onde as nossas ervas aromáticas são vendidas são demasiado pequenos para um saudável desenvolvimento. É importante transferi-las para vasos ou floreiras de maior volume com furinhos na base, para facilitar a drenagem após a rega. O substrato deve ser próprio para plantas aromáticas e as plantas devem ser sempre plantadas com algum espaço entre si, de forma a crescerem sem restrições e a haver arejamento.

Agora, mãos na terra. A primavera chegou e não há melhor momento para começarmos a jardinar.

Sofia Manuel, designer de jardins e autora de “A Tripeirinha”

*A NM passa a ter um espaço para questões dos leitores nas áreas de Direito, Jardinagem, Saúde e Finanças pessoais. As perguntas para o Consultório devem ser enviadas para o email [email protected]