Como evitar que as plantas morram na sua ausência

Sofia Manuel dá cinco dicas super fáceis de implementar (Foto: Freepik)

O "Consultório de jardinagem" desta semana, por Sofia Manuel.

Vou de férias e estou super preocupada com as minhas plantas? Será que vão morrer à sede?
Maria Inês, pergunta recebida por e-mail

Costumo dizer que quem inventou o conceito de férias fora de casa nunca teve plantas na vida. Aquele momento que devia ser de paz e relaxamento torna-se num autêntico poço de ansiedade e culpa só de imaginarmos a carnificina que poderá estar à nossa espera quando voltarmos a casa. Mas, com alguma preparação, podemos ajudar as nossas plantinhas a resistir à nossa ausência. Vamos a cinco dicas essenciais para umas férias livres de preocupações plantahólicas:

  1. Regar muito bem. Começamos pela mais óbvia mas aquela que muitas das vezes é a mais negligenciada. Vamos incluir no nosso planeamento tempo para as nossas plantas. Ao contrário do que normalmente costumo recomendar, este é o momento de deixar o substrato completamente saturado. Investir algum tempo numa boa rega vai fazer toda a diferença.
  2. Juntas são mais felizes. Se possível, vamos juntar as suas plantinhas na mesma divisão. A companhia uma das outras ajuda a aumentar a humidade do espaço e assim a evaporação da água presente no substrato acontece mais lentamente.
  3. Espaço mais fresco. Deixe-as na divisão mais fresca da sua casa. Em divisões mais frescas a evaporação é ainda mais lenta e, também, a perda de água através das folhas, por transpiração, ocorre de forma mais suave.
  4. Cobertura substrato. Se o objetivo é não deixar as nossas plantas secar podemos criar uma cobertura na superfície do substrato que vai ajudar a manter a água “encurralada” assim que tentar evaporar. Pode utilizar pedrinhas que tenha por casa, bocados de um vaso partido ou, a minha preferida, casca de pinheiro.
  5. Caixa microclima. Coloque as plantinhas mais sensíveis numa caixa, tape e relaxe, que elas vão saber regular esse novo ambiente. No meu caso, costumo deixar algumas Calatheas, Fetos e Begónias. Atenção, tem de ser uma caixa transparente que as nossas plantas precisam de continuar a fazer fotossíntese.

Aqui ficam estas cinco dicas super fáceis de implementar e que vão fazer com que a nossa única preocupação volte a ser “será que ainda falta muito para chegar o senhor das bolinhas de Berlim?”. Boas férias!

Sofia Manuel, designer de jardins e autora de “A Tripeirinha”

*A NM tem um espaço para questões dos leitores nas áreas de Direito, Jardinagem, Saúde e Finanças pessoais. As perguntas para o Consultório devem ser enviadas para o email [email protected]