Venezuela em chamas vence World Press Photo

Vencedor do prestigiado prémio de fotografia foi conhecido esta quinta-feira. Raul Schemidt foi o fotógrafo que captou o momento em que José Víctor Salazar Balza está rodeado de chamas durante as manifestações contra Nicólas Maduro.

Texto de Alexandra Pedro | Fotografias DR

Ronald Schemidt nasceu em Caracas, na Venezuela, é fotojornalista da Agence France-Presse e venceu o prémio de melhor fotografia do ano.

A imagem eleita no prestigiado concurso World Press Photo mostra José Víctor Salazar Balza a correr rodeado de chamas durante as manifestações que aconteceram em Caracas contra o presidente Nicólas Maduro.

Balza, de 28 anos, sobreviveu às queimaduras de primeiro e segundo grau que sofreu durante os violentos protestos que se viveram no país no ano anterior. O manifestante surge ainda numa outra imagem do fotógrafo da AFP, Juan Barreto, também nomeada para o World Press Photo na categoria de notícia (ver em baixo).

Ronald Schemidt trabalha para a AFP desde 2004. No seu currículo tem já a cobertura de vários momentos marcantes, como a morte do presidente Hugo Chávez em 2013, a eleição do presidente Nicolás Maduro ou a morte de Fidel Castro, em 2016. Os desastres naturais do México e o Mundial de Futebol no Brasil (2014) também ficaram registados através da lente de Schemidt.

Atualmente a viver no México, o fotojornalista falou sobre a imagem vencedora do World Press Photo, em fevereiro, ao British Journal of Photograph: «Passou-se tudo em poucos segundos, por isso eu não sabia o que estava a fotografar. Guiei-me pelo instinto, foi tudo muito rápido. Não parei de disparar até perceber o que estava a acontecer. Uma pessoa em chamas corria na minha direção».

A cerimónia de entrega de prémios decorreu esta quinta-feira à noite em Amesterdão. A presidente do júri, Magdalena Herrera, justificou a atribuição do prémio, afirmando que esta «é uma fotografia clássica, mas tem uma energia e uma dinâmica instantâneas». «As cores, o movimento e a composição são ótimos, têm força. Senti uma emoção imediata», disse.

Whitney C. Johnson, diretora-adjunta do departamento de fotografia da National Geographic, destacou o simbolismo: «O homem tem uma máscara. É como se representasse não apenas a si próprio, e a si próprio em chamas, mas a própria ideia de uma Venezuela a arder».

Veja todos os nomeados do World Press Photo na fotogaleria em cima. Recorde-se foram submetidas ao prestigiado concurso mais de 77 mil imagens, de 4.500 fotógrafos.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.