Sósia de ladrão preso 17 anos por engano

Texto de Pedro Emanuel Santos

Um cidadão americano passou os últimos 17 anos detido sem ter cometido qualquer ato ilícito. Tudo por causa de um homem extremamente parecido com ele e da confusão que testemunhas do crime fizeram entre os dois.

Richard A. Jones, assim se chama o infeliz inocente agora libertado, terminou na cadeia depois de ter sido condenado a 19 anos pelo roubo, que não cometeu, de um telemóvel num supermercado Walmart no estado do Kansas.

Apesar de sempre ter jurado inocência, Richard viu ignoradas todas as tentativas para provar que estava a ser vítima de uma enorme injustiça. Recursos atrás de recursos foram negados, tendo até parceiros de prisão a interceder por ele, garantindo saber quem era o verdadeiro ladrão, um indivíduo cujas parecenças físicas com Jones eram tantas que quase passavam por gémeos.

Richard A. Jones, à direita

Um advogado interessou-se pelo caso e prometeu que lutaria até que um juiz reavaliasse o dossiê de Richard. E assim foi: o caso regressou a tribunal e um magistrado reconheceu o erro judicial cometido há quase duas décadas, ordenando a libertação imediata do inocente.

Mas Richard A. Jones não está totalmente satisfeito. Quer uma indemnização de 1,1 milhões de dólares (cerca de 940 mil euros) que sirva de compensação pelos anos de privação da liberdade.

“Foi muito difícil o tempo que passei na cadeia porque estava bastante habituado a estar com as minhas filhas, que eram muito pequenas quando fui detido e agora têm 19 e 24 anos”, contou Richard ao jornal “Kansas City Star”. “Quando vi a fotografia do meu sósia percebi que tudo fazia sentido. Agora que fui libertado, sinto-me abençoado”, desabafou.
O verdadeiro ladrão, esse, já está atrás das grades. Mas garante que está… inocente.