Samuel Gonçalves, o arquiteto que promete erguer casas em três dias

Distinguido como um dos arquitetos mais promissores da Europa, este arouquense de 30 anos tem dado nas vistas graças a um sistema arquitetónico modular que permite construir edifícios em tempo recorde.
Sim, ele está atrás de um vidro: Samuel Gonçalves é um dos fundadores do estúdio Summary, criado no Porto em 2015

Texto de Ana Tulha e Foto de Leonel de Castro/Global Imagens

Atualmente, há três mil milhões de pessoas a viver em cidades. Em 2050, estima-se que o número já tenha escalado para os cinco mil milhões. O que é que isto tem a ver com a história de Samuel Gonçalves? Tudo. É que essa foi uma das premissas que levou este arquiteto de 30 anos a desenvolver um sistema (Gomos Building System) que permite erguer habitações seguras e resistentes em apenas três dias. Como? Através de “unidades de betão armado, que saem da fábrica completamente prontas”, resume o mentor da ideia, posta em prática pelo estúdio Summary, nascido no Porto em 2015.

Summary de “sumário”, o que tem tudo a ver com o caso. “É a primeira vez que temos um crescimento desta escala num período tão curto. E isso faz com que necessitemos de desenvolver estratégias e soluções com grande rapidez. Caso contrário, as cidades vão colapsar.” A este contexto, junte-se a necessidade crescente de imediatismo. Eis as sementes de um “sistema rápido de implementar, de alta resistência estrutural e fácil de transportar”, que já sai da fábrica finalizado – incluindo acabamentos interiores e exteriores, isolamentos, caixilharias, instalações de água e eletricidade e até peças de mobiliário fixas.

Um edifício misto construído recentemente em Vale de Cambra e um Centro de Incubação e Inovação Industrial em Arouca, ainda em fase de projeto, são dois dos exemplos práticos de um sistema que tem merecido o reconhecimento de arquitetos de todo o Mundo. Foi assim em 2016, quando a Summary se tornou no mais jovem estúdio de arquitetura a ser convidado para a Bienal de Veneza; e em 2017, quando foram distinguidos, em Singapura, pelo “Red Dot Design Award”, um dos maiores concursos de design a nível mundial, na categoria “habitat”. Foi assim também este ano, quando, em abril, Samuel Gonçalves foi considerado um dos jovens arquitetos mais promissores da Europa, no concurso internacional “Europe 40 Under 40”.

Ainda assim… “Os prémios não são um objetivo. Não quero que pareça falsa modéstia, mas gosto de os encarar como uma consequência natural do nosso trabalho.” E nem só de prémios se faz a ainda curta carreira de Samuel Gonçalves. No currículo deste arouquense há ainda uma passagem enriquecedora pelo Chile, onde pôde passar mais de um ano a trabalhar ao lado de Alejandro Aravena, vencedor do Prémio Pritzker 2016 – um ponto de viragem no trajeto deste arquiteto do futuro.