Filipe Carvalho: O “motion designer” que ganhou um Emmy

Gustavo Bom/Global Imagens

Texto de Cláudia Pinto

Está a viver um dos momentos mais altos da carreira. Aos 37 anos, o português, natural do Cartaxo, acaba de ser distinguido na 70.ª edição dos Emmy Awards, em Los Angeles, Estados Unidos da América. Freelancer há dez anos, o “motion designer” assinala como trabalhos marcantes as séries televisivas “The Killing”, “Cosmos”, o filme “The Architect” e o vídeo de abertura de uma conferência de design realizada em Sydney intitulado “Semi Permanent 2016”. Mas foi o genérico da série “Counterpart” que o fez subir ao palco e trazer o Emmy para Portugal. O projeto vencedor demorou duas semanas a ser concretizado. O maior desafio foi “escolher o que fazer já que a série e o tema eram muito bons”.

Para Filipe Carvalho, a notícia de que estava nomeado foi, por si só, uma vitória. “No entanto, sentia que tínhamos as mesmas hipóteses de todos os outros”, conta. É uma carreira solitária e à distância em que “a concentração exige isolamento”. Por outro lado, permite “trabalhar em qualquer mercado, sem sair do país. Pelos vistos, também é possível alcançar o derradeiro prémio, mediante a dedicação de cada um”. Criar remotamente permite-lhe desfrutar de algo muito valioso na vida de qualquer freelancer: o tempo. Escolheu essa opção profissional por ser “a única maneira de colaborar com estúdios americanos sem estar lá fisicamente”. Apesar de várias oportunidades para trabalhar fora de Portugal, nunca equacionou essa hipótese. “Estou cá para ficar”, garante.

Por ter um estilo dramático e minimalista, sente que se distingue de outros profissionais da área e é através dos princípios de design gráfico em animação, edição em vídeo e fotografia que conta uma história. Filipe está empenhado em desenvolver mais projetos para televisão e cinema, e uma série documental como realizador em parceria com a produtora “Até ao Fim do Mundo”. Pode gabar-se de ter mais trabalho do que o que consegue aceitar, fruto de um nome e de uma carreira já reconhecidos na indústria. Mas tem noção que o Emmy abrir-lhe-á ainda mais portas. “O prémio vai trazer mais segurança a quem me quiser contratar e dar-me acesso a projetos maiores.”

Nestas semanas de emoções e de felicitações, há uma pergunta que gostaria que lhe tivessem feito: se alguma vez se arrependeu de dedicar tanto à profissão, como noites e fins de semana sozinho a trabalhar: “Hoje em dia, já consigo encontrar um equilíbrio que me permite conciliar o Filipe Emmy winner e o Filipe com família e amigos.”