Escreveu o livro “Como matar o seu marido” e depois… matou-o

DR

Texto de Pedro Emanuel Santos

A realidade ultrapassou a ficção. Neste caso, a própria ficção escrita pela autora de um crime que está a chocar os Estados Unidos da América. Nancy Crampton-Brophy, 68 anos, assinou um livro intitulado “How to Murder Your Husband” – “Como matar o seu marido”. Foi agora detida por ser a principal suspeita de assassinar o cônjuge, na cidade de Portland.

Daniel Brophy, a vítima, foi baleado mortalmente quando se encontrava na cozinha da escola onde dava aulas de culinária. De início, ninguém adivinhou que Nancy pudesse ser a autora do homicídio. Sobretudo depois de ela deixar um sentido depoimento na rede social Facebook, onde expressou estar “devastada” com o sucedido. Pediu mesmo que não lhe telefonassem porque queria paz e tranquilidade. E apelou à participação de todos os que quisessem e pudessem numa vigília em memória do marido, com quem era casada há 27 anos.

For my facebook friends and family, I have sad news to relate. My husband and best friend, Chef Dan Brophy was killed…

Publicado por Nancy Brophy em Domingo, 3 de junho de 2018

Mas era tudo encenação, claro. A polícia rapidamente começou a juntar todas as pontas e chegou à conclusão de que Daniel foi abatido sem piedade por Nancy. Ela que havia causado algum furor, sobretudo na internet, por causa do seu livro e dado entrevistas em que quase parecia perita no que a crimes passionais diz respeito.

As razões do crime não foram confessadas por Nancy nem adiantadas pelas autoridades. Mas, na sua obra, alegava que haveria justificações plausíveis para abater um companheiro, tais como infidelidade, violência ou mesmo ganância. Elencava, até, uma lista de possíveis soluções para concretizar o homicídio: armas, facas, veneno, eventualmente um atirador profissional.

“Um processo de divórcio é caro. O leitor quer mesmo dividir os seus pertences? É mais fácil desejar alguém morto”, escreveu a autora assassina. Nancy Crampton-Brophy, autora do também polémico “The Wrong Husband” – “O Marido Errado” –, acabou por levar à letra muito do que imaginou e colocou em livro.

“Como autora de livros de suspense, passei muito tempo a analisar sobre crimes e a forma como a polícia os investiga”, chegou a afirmar, em tempos, Nancy. Bem vistas as coisas, toda a investigação que fez sobre tais procedimentos parece não lhe ter servido de nada. E a prisão deverá ser a sua casa nos próximos longos anos.