DECO alerta: esta moda é prejudicial para os bebés

DR

Texto de Ana Sofia Reis

São usados com o intuito de ajudar os bebés a não sentir o desconforto causado pelo nascimento dos dentes. No entanto, a DECO, Defesa do Consumidor, revela que, além de não existirem estudos científicos que comprovem a sua eficácia, o uso de colares de âmbar pode trazer riscos para as crianças.

Desde 2007 que o Sistema Europeu de Alerta Rápido (RAPEX) vem alertando sobre os famosos colares, referindo que o produto não cumpre com as regras de segurança dos brinquedos e, por isso, deve sair do mercado por existir o risco de asfixia e de estrangulamento para os bebés. Entretanto, na Alemanha, a marca Gallmayer viu os seus colares de âmbar deixarem de ser comerciados.

Duas agências governamentais ligadas à segurança do consumidor, a Australian Competition & Consumer Commission e a National Consumer Agency, irlandesa, realizaram testes que mostraram que o colar de âmbar parte-se com facilidade. Dessa forma, as peças podem-se soltar, tornando-se um perigo para os bebés, que assim correm o risco de engoli-las ou inalá-las. Há também o perigo de o colar estrangular a criança enquanto dorme.

Este objeto é considerado um brinquedo e, por isso, não é recomendado o uso em crianças com menos de dois anos. A Royal Society for the Prevention of Accidents refere que é necessário ter cuidado com o risco de “as crianças se engasgarem com as pedras, caso o colar se parta”. Contudo, existem pontos de venda que garantem que há nós entre as peças para evitar que se espalhem caso o fio se parta.