OPINIÃO

Bernardo Pinto Coelho: «Quando uma pessoa é otimista, atrai isso para si.»

«Diagnosticaram-me esclerose lateral amiotrófica (ELA) em junho de 2009, tinha então 37 anos», conta Bernardo Pinto Coelho, o gestor que podia ter sido golfista ou jogador de futebol.

Texto de Ana Pago | Fotografia de Carlos Manuel Martins/Global Imagens

Dizer que a vida tem sido benevolente com ele seria um exagero, mas a verdade é que também não pode afirmar o contrário: os momentos bons – e tem tantos desses – são, de facto, muito bons.

«Diagnosticaram-me esclerose lateral amiotrófica (ELA) em junho de 2009, tinha então 37 anos», conta Bernardo Pinto Coelho, o gestor que podia ter sido golfista ou jogador de futebol. Em vez disso, ouvia o médico descrever aquela doença degenerativa e incurável e parecia-lhe não ser nada com ele.

Passados oito anos do diagnóstico, Bernardo não só contrariou as previsões catastróficas como encontrou a mulher da sua vida, Joana Horta e Costa, com quem casou em junho de 2016.

«As mãos perderam o músculo e a gordura, a falta de forças apanhou-me braços e pernas. Soube que muita gente morre dez meses após os primeiros sintomas, mas não eu.» Não ele, não podia. O facto de saber que a sua esclerose não tem cura não significa que se entregue a ela, obrigado.

Acabou por se tornar o rosto da ELA em Portugal pela positiva: «Percebi que quando uma pessoa é otimista e se sente grata pelo que tem, atrai mais disso para si. Da mesma forma, se está queixosa, irritada, revoltada, só atrai o mal.»

Acredita muito na sua cura, diz. Trabalha para ela todos os dias com exercício, uma dieta paleo e muita fé. «Ao fim de um divórcio, 16 empregos e várias relações fracassadas, estou a encontrar a minha estabilidade. O meu propósito é fazer a diferença para muita gente, o que me enche de prazer.»

E sim, tem dificuldade em escrever, falar, escovar os dentes, mas conduz o seu carro e é DJ em Cascais. Passados oito anos do diagnóstico, Bernardo não só contrariou as previsões catastróficas como encontrou a mulher da sua vida, Joana Horta e Costa, com quem casou em junho de 2016. «Um dia vou voltar a correr no Guincho. Agarro-me a esse sonho com tudo o que sou.»

UMA VIDA EM NÚMEROS

  • 4 – IRMÃOS
    Filipa é a irmã que, como ele, nasceu do casamento de Manuel Pinto Coelho com Maria Simões de Almeida. Há ainda Marta (fruto de um caso do pai), Manuel (do segundo casamento do pai) e Francisco (do segundo casamento da mãe).
  • 2014 – IMPACTO
    Foi preciso Cristiano Ronaldo ser filmado a levar com um balde de água gelada, num desafio que correu o mundo, para o país despertar para a realidade da ELA (a mesma de que sofre o físico teórico Stephen Hawking).
  • 12º – INTERCÂMBIO
    Graças a um intercâmbio escolar dos Salesianos, acabou a fazer o 12.º ano em Mount Vernon, South Dakota, nos EUA. Daí rumou a San Diego, onde ficou cinco anos a estudar Gestão.
  • 3 – VIRAGEM
    Não foram três anos redondos, já ia a caminho dos quatro quando finalmente aceitou a sua condição: quando mudou o chip e passou a sentir-se em paz com o mundo, começou a melhorar.
  • 37 – NOTÍCIA
    Era a idade que tinha quando os médicos lhe comunicaram, em Junho de 2009, que tinha esclerose lateral amiotrófica – uma sentença duríssima para quem vive com a doença ou morre dela.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.