As 72 discussões que um casal tem quando está a decorar uma casa

Juntar os trapinhos pode causar valentes dores de cabeça.

Casa nova, vida nova, uma nova realidade construída segundo os gostos de cada um. Para um casal que esteja prestes a “juntar os trapinhos”, a premissa soa idílica. Na prática, a questão pode encerrar alargadas doses de complexidade.

Se o cenário lhe soa familiar, saiba que não é caso único. Isso mesmo veio comprovar um estudo de opinião conduzido por uma loja de móveis online (Article), em parceria com a empresa de estudos de mercado One Poll.

Na sequência do inquérito, feito a dois mil americanos adultos, a propósito dos hábitos de consumo e da frequência das discussões, chegou-se à conclusão de que decorar uma casa nova motiva, em média, 72 discussões conjugais.

Mais: segundo o mesmo estudo de opinião, nisto de escolher o melhor tecido para o sofá ou de decidir se o quarto tem uma decoração mais ou menos minimalista, perdem-se qualquer coisa como 216 horas. De “bate-boca” puro.

Resultado? Mais de metade das pessoas inquiridas (58%) acabou a adotar a política do silêncio, deixando de expressar opiniões contrárias. Outros 15% recorreram a uma solução mais drástica: simplesmente deixaram de fazer compras juntos, no que toca a decoração.

O estudo vai ainda mais longe, apontando os locais onde ocorrem as discussões mais frequentes. A saber: numa média de 72 desaguisados provocados por discórdias decorativas, 15 acontecem dentro de casa, dez à frente de um amigo ou familiar, oito nas próprias lojas e quatro num avião. As restantes ocorrem nos mais diversos lugares.