5 passos para fortalecer o amor-próprio

«Não faço nada bem. Não sou bom que chegue. Não vou conseguir.» Se a sua mente insiste em dizer estas coisas que lhe minam o amor-próprio, saiba que pode começar a ignorá-la desde já. E depois derrubá-la de uma vez por todas, pondo em prática esta rotina de fortalecimento.

Texto NM | Fotografias da Shutterstock

FALE CONSIGO

Mas faça-o com gentileza, como falaria com um amigo que precisasse de uma palavra amável. Muitas vezes, o nosso pior inimigo está na nossa cabeça, fazendo-nos sentir inúteis, incompetentes, dispensáveis. Assim que detetar pensamentos negativos deste género – com tendência para alimentar um comportamento correspondente no modo como nos olhamos e somos olhados pelos outros –, interrompa-os e substitua-os por um elogio a si mesmo. É mais do que merecido.

OUÇA-SE

Ignoramos as nossas emoções, os sinais que o corpo nos dá, e de repente estamos a viver em sofrimento, sem percebermos que corpo e emoções andam de mãos dadas e que, quando um fala, o outro reage. Se consegue ser o melhor ouvinte dos outros, faça o mesmo consigo. Perceba se está cansado, a precisar de movimento, ansioso, e responda à altura com uma sesta, uma caminhada vigorosa, um banho de imersão. O corpo é inteligente, sabe do que precisamos. Só temos de estar recetivos ao que nos diz.

PERDOE-SE

Tal como é estudado na psicologia, perdoar é um ato de compaixão face a alguém cujo procedimento nos magoou ou desiludiu (incluindo nós mesmos), mas também uma forma de nos libertarmos do ressentimento, que gera emoções negativas. «Acima de tudo, é centrarmo-nos na importância da nossa libertação emocional, recusando ser prisioneiros de emoções que podem ser destrutivas», sublinha a psicóloga Catarina Rivero. Não pense mais nisso: simplesmente, deixe ir.

CUIDE DE SI

Estamos sempre a colocar as preferências dos outros à frente das nossas, porém convém não perder de vista os sonhos que nos movem e reservar algum espaço e tempo de qualidade para nos dedicarmos a eles. Pense: o que o faz feliz? Quais são as suas prioridades? De que precisa? E o que é que verdadeiramente o impede de passar à ação? Na dúvida, se se sentir um pouco egoísta, lembre-se que a vida é demasiado curta para que nos cortem as asas.

PROTEJA-SE

Segundo a psicóloga Cláudia Morais, sempre que alguém se desenvolve sem carinho, atenção e disponibilidade em criança corre riscos acrescidos de vir a desenvolver padrões de vinculação amorosa inseguros enquanto adulto. Daí ser tão importante rodearmo-nos de pessoas que nos fazem bem e nos aceitam como somos. Fuja de gente tóxica: a insegurança que isso provoca traduz-se naquilo a que a especialista chama de «fome emocional», deixando-nos mais vulneráveis a relações pouco saudáveis.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.