10 hábitos que fazem uma diferença enorme nas nossas vidas (e mal damos por eles)

Falta de tempo, de disponibilidade ou de saber o que fazer já não servem de desculpa para não começar a implementar, agora mesmo, estes hábitos simples mas de grande impacto. Atreve-se a experimentar?

Texto NM | Fotografias da Shutterstock

LEVANTAR CEDO

Em vez de ficar na cama mais 20 minutos e ter de andar a correr por estar em cima do tempo, experimente acordar meia hora mais cedo, tomar um bom pequeno-almoço e arranjar-se com calma. Verá que o dia começa logo a desenrolar-se de maneira diferente a partir desse arranque consciente.

GARRAFA DE ÁGUA

Arranje uma bonita, reutilizável, que lhe encha as medidas sem atravancar a mala, e vá-se hidratando ao longo do dia (é ótimo para controlar também a fome). Se nem assim se sentir tentado a beber mais água, pode aromatizá-la com umas folhas de hortelã, limão, melancia, morangos, anis, canela ou outros sabores a gosto.

MENOS É MAIS

Que é outra forma de dizer: livre-se de tralhas desnecessárias para abrir espaço a outras coisas importantes na sua vida. Sabe aquelas roupas que já não veste há mais de um ano e só lhe ocupam espaço no quarto? Dê-as a quem precisar delas, sem pensar duas vezes. O mesmo para os livros que sabe que nunca vai ler e estão há décadas a acumular pó. Chega de excessos.

PROTETOR SOLAR

Não, não é algo que deva aplicar apenas quando vai à praia ou à piscina, mas sempre que põe os pés fora de casa – inclusive em dias nublados –, já que as radiações acentuam o processo de envelhecimento ao destruírem a elastina e o colagénio da pele. Se duvida, ponha os olhos nas chinesas e na sua aparência eternamente jovem: nunca saem sem protetor.

ANOTAR A VIDA

Compre um caderninho que possa trazer sempre consigo e habitue-se a registar os momentos bons por escrito – incluindo prazeres simples como comprar um verniz, comer um gelado ou falar com um amigo. É um ótimo princípio que nos ajuda a fazer o balanço do dia e, de caminho, relativizar os aspetos menos positivos face à lista daquilo que temos a agradecer.

EXERCÍCIO

Não precisa de se inscrever no ginásio, se não é a sua onda: basta procurar no YouTube uns vídeos que lhe encham as medidas, desviar a mesinha da sala para evitar acidentes e começar a exercitar o corpo segundo o seu próprio plano de treino. Ainda se sente um bocadinho descoordenado? Amanhã será melhor, com toda a certeza. Além de que não estará ninguém ao lado para o julgar.

CAMINHADAS

Estamos fartos de ouvir falar dos benefícios de se caminhar 30 minutos por dia e a verdade é que os cientistas de Harvard subscrevem: reduz a pressão arterial, previne inflamações das vias respiratórias, retarda o envelhecimento, combate a osteoporose, regula o sono, acelera o metabolismo, controla o apetite e mantém depressões à distância. De que é que está à espera?

REDES SOCIAIS

A ideia não é romper com a tecnologia (muito útil) e sim moderar o uso que fazemos delas e os comentários – uns mais negativos que outros – que sempre surgem. O mesmo vale para os fluxos ininterruptos de notícias, que só geram mais e mais ansiedade se a pessoa não se conseguir desligar um pouco para ir filtrando o que vê. Liberte-se do vício do imediatismo.

ARRUMAÇÕES

Englobam uma série de aspetos do dia-a-dia, desde arrumar a mala para levar para o trabalho e separar antecipadamente aquilo que vai vestir na manhã seguinte, às arrumações da casa. No fundo, são tudo formas de organizar a mente, equilibrar o espírito e deixar o corpo no ritmo certo para se concentrar no dia que tem pela frente.

PROCURAR AJUDA

Não é nenhum bicho-de-sete-cabeças nem algo que só deva fazer em casos extremos, pelo contrário: se vir que por algum motivo lhe está a ser difícil saber lidar com emoções, sentimentos de tristeza e culpa, perdas, separações ou o que for, procure um psicólogo que o ajude a conhecer-se melhor e às razões na origem de determinada situação. Loucura é querer guardar tudo para si.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.