Ontem morreu o Zé Pedro. Eu sabia que ia acontecer. Breve. Estive no Coliseu de Lisboa, dia 4 de novembro, a despedir-me dele. No dia a seguir ao concerto, ele disse que estava na luta. E eu acreditei. Estava. Morreu na luta, como viveu. Com uma doçura que só nele podia condizer com a pele punk rock que escolheu para a vida.

Texto de Catarina Pires

Ontem os jornais e as televisões e as redes sociais encheram-se de homenagens ao «roqueiro com alma de punk e sorriso de miúdo», como escrevi numa entrevista que lhe fiz em 2008. Toda a gente tem coisas bonitas para contar sobre o Zé. É raro isso. Mas é justo. O Zé Pedro era único apesar de ter cantado que não. Todo generosidade naquele sorriso que manteve aberto até ao fim.

Não fui a todos os concertos de Xutos, não sei todas as letras de cor (sei algumas), nunca usei o lenço vermelho nem cruzei os braços em X, nem saltei, saltei, saltei (a não ser no Coliseu, no dia 4 de novembro), mas eles sempre estiveram presentes na minha vida, música de fundo, música a que se volta quando é preciso, música que se canta aos gritos, quando faz falta. Por isso, também tenho coisas bonitas para contar sobre o Zé.

Por isso e porque o Zé Pedro era igual ao meu primeiro amor.

De maneira que, quando via e ouvia os Xutos, era só o Zé Pedro que via e ouvia. O puto que um dia chegou a casa e anunciou que ia ser uma estrela do rock. A mãe entusiasmou-se, o pai, amante de jazz, condescendeu num sorriso de ombros encolhidos, os seis irmãos aplaudiram como sempre e para sempre. Mas ninguém duvidou. E o Zé Pedro cumpriu o sonho, apesar de só ter aprendido a tocar guitarra depois de já ter formado os Xutos & Pontapés e ter atribuído a si próprio o lugar de guitarrista.

«Lá fora era o auge do movimento punk, que tinha como lema o “faça você mesmo”», explicou-me ele na entrevista que lhe fiz, e à irmã Helena, em 2008. «E sob esse estado de espírito as pessoas desataram a fazer coisas, vivia-se uma revolução cultural em que a arte era restituída ao povo, a quem deve pertencer realmente, e não a uma elite de subsidiados, que faz arte para o seu umbigo. O punk trouxe a liberdade artística a toda a gente.»

Terá sido a liberdade que pautou os 61 anos de vida e 40 de música deste roqueiro com alma de punk e eterno ar de puto que, para desgosto do pai militar não foi à tropa por falta de peso, a quem o 25 de Abril de 1974 exortou a libertar o mundo, qual Che Guevara, a começar pelos Olivais, onde cresceu, integrando os vários movimentos de libertação do bairro que se criaram no rescaldo da revolução, e que achava que o seu principal problema, no início, era não saber afinar guitarras. «Felizmente apareceram os afinadores automáticos…»

Foi graças à biografia que a irmã Helena Reis, onze meses e um dia mais velha, escreveu – Não Sou o Único (Ed. Presença) -, que conheci o Zé Pedro e o entrevistei, no Hard Rock Cafe, em Lisboa, há nove anos. Mais de uma hora de conversa que, quando chegou ao fim, percebemos, não tinha ficado gravada. Perante o pânico estampado na minha cara, o Zé Pedro e a Helena: «vá, não há problema, repetimos tudo, ‘bora.»

E repetiram. A entrevista fica aqui, para quem quiser lê-la.

Obrigada, Zé Pedro. E obrigada também por, há dois anos, quando os meus filhos foram aos bastidores do Palco 25 de Abril, na Festa do Avante, pedir-te um autógrafo, teres ficado à conversa com eles. Deve ter sido fixe a conversa, porque se esqueceram do autógrafo. Mas de ti não. Nunca se esquecerão. Nem eu

As biografias exigem algum distanciamento, que se percebe não existir na vossa relação. Foi muito difícil biografar o seu irmão?
Helena (H) Não, porque optei por contar o máximo possível de histórias em vez de dar opiniões. Felizmente, não faltam histórias à volta dele. Começando pela nossa mãe – que sempre as contou para que as memórias não se perdessem, tendo muitas ficado registadas no livro de bebé: que ele adorava sopa de feijão e era guloso –, passando pelos nossos irmãos, que me ajudaram muito, os amigos, os próprios sobrinhos e todos os meus entrevistados. Escrevi três vezes mais do que ficou, tantas são as histórias do Zé Pedro e as facetas da sua vida. Por isso, este livro mais do que uma biografia, é um contar de histórias sobre o meu irmão. É assim que eu gostaria que as pessoas o entendessem.

Ao longo do processo de pesquisa, descobriu muita coisa que não sabia sobre ele?
H. Imensa coisa. Por exemplo, teve piada a história da Xana [dos Rádio Macau, que viveu com o Zé Pedro], de ele gostar de bricolage, que eu não imaginava. Ou a do Kit, um amigo dele que vive nos EUA e descobriu uma carta de 1988, na qual ele dizia que ainda havia de ser condecorado pelo Presidente da República, achei delicioso, são aqueles sonhos do meu irmão que acabam por concretizar-se. Ou a história de como o Alex [dos Rádio Macau, que viria ser sócio do Zé Pedro no mítico Johnny Guitar] o conheceu no 1º de Maio de 1974, um punk de anorak amarelo cheio de crachás no meio dos trabalhadores, e que o deixou pasmado porque não havia punks em Portugal, naquela altura… coisas que nunca tinha ouvido contar dele e que me surpreenderam.

E para si como foi ler o livro?
Zé Pedro (Z.P.) – Fascinante. A Leny queria mostrar-me, perguntou-me se eu queria acompanhar o processo e eu disse logo que não, não queria ter nenhuma influência directa sobre o resultado. No fim, quando o li, tive surpresas fascinantes, a começar pelas cartas dos meus colegas dos Xutos & Pontapés a falarem de mim daquela maneira, emocionaram-me bastante. E depois as opiniões de tantos amigos, o relembrar de histórias passadas. É um privilégio ter uma irmã que consiga escrever assim a minha história toda e eu chegar aos cinquenta anos e perceber: Eh pá, já fiz isto tudo!

«Com a minha doença sinto que tive uma segunda oportunidade de vida, mas a primeira parte, antes do intervalo, já está toda registada.»

O comum dos mortais passa a vida sem saber o que os outros pensam dele…
Z.P. Pois, também há esse lado, mas acima de tudo é bom ver ao longo do livro a quantidade de amigos e de ligações que se criaram, laços que não são familiares, mas de amizade, amores que passaram, mas que foram tão importantes na altura… Com a minha doença sinto que tive uma segunda oportunidade de vida, mas a primeira parte, antes do intervalo, já está toda registada.
H. Consegui fazer-lhe algumas surpresas, como essa das cartas dos outros Xutos. Um segredo muito bem guardado desde os anos dele [14 de Setembro]. O Zé Pedro, em contrapartida, fez-me a surpresa de escrever o prefácio. Mesmo em cima da hora disse-me que o faria, e fê-lo bem engraçado, muito ao estilo das nossas conversas caseiras.

Já voltou a ler o livro? Se começasse de novo, mudava alguma coisa?
H. Olhe, achei imensa piada a lê-lo, pensei: fui mesmo eu que escrevi isto tudo? Foi muito engraçado, não lhe sei explicar o sentimento…

E defeitos, o seu irmão tem defeitos?
H. Tem, tem, e estão no livro.
Z.P. Eu pedi-lhe muito para não me estar sempre a elogiar.
H. Ele estava preocupadíssimo que eu só o elogiasse, mas lá está, optei por contar, e pedir às pessoas que contassem, histórias sobre ele, foi um processo alegre e divertido. E agora as pessoas lerão e farão o seu próprio juízo, sem serem encaminhadas num ou noutro sentido.

Na introdução, diz que começou a escrevê-lo após a morte do seu marido, como forma de terapia. Resultou?
H. Ajudou-me imenso. Acho que é um bocadinho de família, com ele também foi assim, em vez de nos deixarmos deprimir, reagimos sempre ao contrário, pela positiva. Penso que é essencial nunca ceder à depressão, ao isolamento. Comecei a escrever, nunca com a ideia de publicar, mas depois ele numa entrevista disse que eu estava a escrever uma biografia dele e entalou-me.

«Não me arrependo de nada»

Num livro sobre a vida começa com a notícia de quase morte do seu irmão. Porquê?
H. Porque foi um momento muito intenso para mim – ainda na noite anterior tinha estado com ele numa festa –, e quando recebi o telefonema da Xana e da Marta Ferreira [manager dos Xutos & Pontapés, recentemente falecida] a dizer que ele estava no hospital, entre a vida e a morte, faltaram-me as forças nas pernas, caí no chão e não me conseguia levantar. Nunca esquecerei aquele baque. E mesmo depois de ele estar livre de perigo durante um ano não voltei a ler jornais ou a ver televisão com medo de receber a notícia da morte dele. Seria uma morte à roqueiro, em todo o caso.

Zé Pedro, há pouco dizia que sente que lhe foi dada uma segunda oportunidade. O que mudou na sua relação com a vida e com os outros?
Z.P. Acima de tudo, recuperei a autoestima. Foi muito importante não ter de deixar nada do que gosto realmente de fazer. Se tivesse que deixar a música e os concertos, seria muito mais difícil de aguentar. Vivi com grande intensidade as drogas e o álcool, mas nunca perdi de vista os meus interesses: os Xutos & Pontapés, o Johnny Guitar, nos anos noventa, a música, sempre. Mesmo assim, o ano de 2001, antes da hospitalização, em Agosto, tinha sido muito doloroso, sentia-me apagado, vazio, não tinha orgulho na pessoa em que me estava a tornar. A partir do momento em que fui hospitalizado e o médico me disse que nunca mais podia consumir álcool ou drogas foi fácil tirá-los da minha vida. Nunca mais toquei em nada. Mas não me arrependo de nada do que fiz, foram grandes momentos, ficam nas memórias.

«A heroína é uma droga totalmente à parte das outras, não é nada criativa, embora as pessoas achem que um mundo novo se abre, é tudo mentira. Toma conta da nossa vida e não leva a nada.»

Já tinha tido uma experiência de dependência de heroína, ultrapassada com a ajuda da sua mãe, que lhe pediu que não procurasse a morte quando ela lutava tanto para a manter afastada [tinha cancro]. Porque é que anos depois volta ao consumo problemático de drogas e álcool? É impossível controlar os consumos?
Z.P. Nunca mais voltei a meter heroína na vida. A heroína é uma droga totalmente à parte das outras, não é nada criativa, embora as pessoas achem que um mundo novo se abre, é tudo mentira. Toma conta da nossa vida e não leva a nada. Não é que as outras drogas levem a alguma coisa, mas a heroína não leva mesmo a nada. O que eu gostava mesmo muito era de beber, tinha bom beber, e quando se bebe muito, a cocaína começa a entrar com alguma facilidade e claro que depois isto leva a exageros e entra-se num ciclo complicado, mesmo para mim, que tenha uma cabeça especial, não muito dada a dependências.

Faz muitas sessões de esclarecimento com jovens, sobre este assunto. Adianta alguma coisa? Ouvem-no?
H. Posso responder eu? É que já assisti a algumas dessas sessões e os miúdos ouvem-no, e sobretudo fazem perguntas que se calhar não fariam aos pais ou aos professores. Outro dia, uma amiga telefonou-me toda contente a dizer que queria agradecer ao meu irmão, porque o filho veio da escola a pedir que lhe comprasse uma prancha de surf porque o Zé Pedro dos Xutos tinha dito que o melhor, para não se meterem na droga, era comprarem uma guitarra ou uma prancha de surf, e como ele não sabia tocar queria uma prancha. Os Xutos & Pontapés funcionam como elo de ligação entre gerações.

Como é que a família, e a Helena em particular, assistiu a este caminhar para o abismo?
H. Ele preservou muito a família, o pai e os sobrinhos, em particular, por isso não nos apercebemos bem do se estava a passar. Talvez por isso tenha sido um choque tão grande para mim. Mas penso que o Tim e o Kalu têm razão quando dizem que ele tinha que fazer o caminho dele, tinha que ir até ao fim. Espero que não volte a pregar-nos nenhum susto.

Pais, vou ser uma rockstar

Uma das coisas que se fica a saber pelo livro é que só aprendeu a tocar guitarra depois de já ter formado os Xutos & Pontapés. Como é que alguém que não toca, tem a coragem de formar uma banda, da qual é o guitarrista?
H. A lata, quer você dizer…
Z.P. Lá fora era o auge do movimento punk, que tinha como lema o «faça você mesmo» e sob esse estado de espírito as pessoas desataram a fazer coisas, vivia-se uma revolução cultural em que a arte era restituída ao povo, a quem deve pertencer realmente, e não a uma elite de subsidiados, que faz arte para o seu umbigo. O punk trouxe a liberdade artística a toda a gente. A mim, felizmente, aconteceu-me formar uma banda. Em 1977, depois de participar num festival punk em Mont-Marsan, França, cheguei a Portugal, arranjei uma guitarra, e comecei logo a fazer músicas. Quando formei a banda já tinha aquelas músicas todas, era o patrão, dizia: vocês tocam assim e assado, e aconteceu. Não saber afinar guitarras era o meu principal problema, felizmente apareceram os afinadores automáticos…

Um dia chegou a casa e disse que ia ser uma estrela do rock. Qual foi a reacção da família?
Z.P. A minha mãe achou muito bem, o meu pai disse, sim, podes ser uma rockstar, mas vê lá se arranjas um emprego.
H. A mãe teve muita culpa. Nós não sabíamos o que ele queria dizer com aquilo, mas como a mãe disse que se o que ele queria ser era rockstar, que fosse, que ela lhe dava todo o apoio, nos embarcámos todos nisso. Ele tinha tanta energia e aparecia com tantas ideias malucas, que pensámos que aquela era mais uma das ideias dele.

«Fui escriturário e ia vestido à roqueiro, com as correntes e as pulseiras e tudo. E cheguei a tesoureiro, cem contos à minha responsabilidade por semana.»

Mas teve de seguir o conselho do seu pai e arranjar um emprego. Foi escriturário durante anos. Inimaginável…
Z.P. Fui escriturário e devo dizer que não ia com o alfinete na boca para o emprego, mas ia vestido à roqueiro, com as correntes e as pulseiras e tudo. E cheguei a tesoureiro, cem contos à minha responsabilidade por semana. Quando tenho que fazer as coisas, faço-as bem. Também fui crítico de música n’ A Mosca, o suplemento do Diário de Lisboa, que era do nosso tio Ruella Ramos, antes já lá tinha trabalhado no arquivo e a distribuir bilhetes de cinema. Quando me tornei punk trabalhei numa empresa de distribuição de publicações, que distribuía desde a Heidi à Tele-Culinária, onde cheguei a fiel de armazém.
H. É esta a atitude dele, se tem de fazer, então empenha-se e faz bem.
Z.P. Ao menos tiro gozo. Com aquela atitude de baixar os braços e andar para ali a arrastar-se, sem fazer, nem deixar de fazer, o passar das oito horas de trabalho é ainda mais complicado.

«A casa confunde-me um bocadinho»

Os Xutos sem o Zé Pedro não existem, disse o Tim, em 2001, quando esteve hospitalizado. Ao ler este livro, fica-se com a ideia que o Zé Pedro é a alma da banda. Sente o peso dessa responsabilidade?
Z.P. Os Xutos não existem sem nenhum de nós. Recentemente, perdemos a Marta Ferreira, que foi quem nos agarrou e puxou para cima quando a banda estava de rastos [1990], cada um para seu lado: o Tim tinha ido para os Resistência, eu tinha aberto o Johnny Guitar, ao qual o Kalu veio juntar-se mais tarde, tínhamos levado uma banhada do manager, que nos roubou, estávamos na ressaca do Circo de Feras e do 88, anos muito intensos, com cerca de cem concertos por ano, numa altura em que ainda não havia autoestradas, e tudo isso levou a um afastamento. A Marta conseguiu unir-nos e pôr os Xutos onde eles estão hoje. Infelizmente morreu. Sem ela é mais difícil, mas não sendo músico efectivo dos Xutos, podemos continuar. Mas se um de nós, eu, o Tim, o Kalu, o João ou o Gui, estivesse impedido de tocar por alguma razão, os Xutos acabavam. Eu posso ser o ideólogo da banda, mas o Tim é o arquitecto das músicas, o Kalu é a nossa força, com aquele lado selvagem, a guitarra do João Cabeleira é que dá cor às músicas, o Gui dá-nos o humor. Cada um tem o seu papel bem definido e os Xutos & Pontapés não funcionam sem este conjunto de músicos a tocar e a compor.

Como é que a irmã, e a família, se relacionam com a família adoptiva do Zé Pedro: os Xutos & Pontapés?
H. São óptimos, têm todos um humor muito saudável. Depois têm a sua privacidade que não vendem por preço algum, nem às famílias, há ali um bloco que funciona entre todos e ao qual ninguém tem acesso. Mas quando convivem são óptimos companheiros.
Z.P. Somos uns pândegos.

Como é viver sempre na estrada?
Z.P. É óptimo, para mim é facílimo, mais fácil do que viver em casa. Gosto de ter a casa arrumada e tento arrumar o máximo possível, mas volta e meia torna-se um caos. Quando vou para a estrada só posso levar determinadas coisas e nos hotéis tenho que ter tudo debaixo de controlo para não me perder, portanto acabo por ter uma arrumação mais de quarto de hotel do que casa. Às vezes a casa confunde-me um bocadinho.

Os Rolling Stones são a vossa referência…
Z.P. Minha, mais minha do que dos outros.

«Quando ando na rua sozinho, as pessoas têm muito respeito por mim. Sempre que vou ao talho, dão-me os melhores bifes, no café não me deixam escolher um croquete que não seja acabado de sair.»

Mas vocês serão o equivalente português aos Rolling Stones. Seria impossível esta entrevista num Hard Rock Cafe, a funcionar normalmente, ao Mick Jagger, sem uma legião de seguranças a impedirem que milhares de fãs se aproximassem. O que é ser uma estrela do rock em Portugal?
Z.P. Os Stones têm uma exposição planetária muito grande, para além de já terem quase o dobro dos anos de carreira que nós. Mas de facto os Xutos & Pontapés andam à vontade na rua. O nosso crescimento foi suave e bom. Penso que sempre soubemos gerir bem a distância entre nós e as pessoas. Quando ando na rua sozinho, as pessoas têm muito respeito por mim. Sempre que vou ao talho, dão-me os melhores bifes, no café não me deixam escolher um croquete que não seja acabado de sair, se for preciso mandam-me passar à frente nas filas, sinto-me protegido. Andar no meio das outras pessoas para mim é fantástico e, em Portugal, faz-me impressão ver tantos músicos afastados da realidade das pessoas sem se conseguirem misturar. Mas isso depende de cada um.

Sempre à espera do próximo concerto

É homem de muitos amigos?
Z.P. De muitos amigos não, mas de grandes amigos, sou.

O que é que não perdoa a um amigo?
Z.P. Nunca os deixo chegar ao ponto de me traírem. Os que entram no meu círculo de amigos, aqueles a valer, nunca me trairiam, tenho a certeza absoluta.

O facto de vir de uma família de sete irmãos contribuiu para a segurança e determinação com que avançou para a concretização dos seus sonhos?
H. Somos sete irmãos, mas com apenas onze anos de diferença entre o mais velho e o mais novo, e temos a particularidade de na infância termos andado sempre em viagem, a nossa mãe sempre quis acompanhar o meu pai (oficial do exército) para as suas missões. Portanto, sempre fomos todos muito amigos, eu e o Zé temos uma diferença de onze meses e um dia, tínhamos que partilhar, não havia espaço para egoísmos.
Z.P. As semanadas eram menores..
H. E por isso mais estimadas e bem aplicadas, sem esbanjamentos. Há uma série de tácticas e estratégias que os filhos das grandes famílias têm de criar que lhes servirão ao longo da vida. O Zé Pedro e a nossa mais nova, a Patrícia, dizem muitas vezes: quando é para dividir, é um tostão a cada um, mas quando é preciso ajuda, são seis ajudas muito fortes, acrescidas das pessoas que vivem connosco. É uma multidão. E a geração de sobrinhos que já vai na mesma, pior do que nós.

«O dinheiro para mim serve sempre à medida que o tenho. A única coisa chata no dinheiro é quando tem de se pensar nele, para pagar isto ou aquilo, e só o facto de não ter de pensar nisso já é um luxo.»

Vem de uma família grande. Porque é que nunca teve filhos, foi uma opção?
Z.P. Não, nunca aconteceu, mas estou com esperanças

Está com esperanças, não de esperanças?
Z.P. Tenho a certeza que virei a ser pai, mas não tenho pena de ainda não o ter sido
H. Tem os sobrinhos, que o mimam muito, muito.

Há pouco falava das semanadas. A sua fortuna não chega aos calcanhares da do Mick Jagger, pois não?
Z.P. Não, não, é impossível chegar (gargalhadas).
H. Ainda não, ainda não.
Z.P. Mas, olha, não sei se era mais feliz, acho que não. O dinheiro para mim serve sempre à medida que o tenho. A única coisa chata no dinheiro é quando tem de se pensar nele, para pagar isto ou aquilo, e só o facto de não ter de pensar nisso já é um luxo. Nunca fui de grandes gastos, não tenho de que me queixar, sou um privilegiado. Acima de tudo o amor e a amizade que tenho à volta são muito mais compensadoras do que qualquer dinheiro.

Como é a vida de um roqueiro no intervalo da música?
Z.P. Namoro, tenho o meu tempo para a família e amigos, para ver filmes, para ler revistas [é consumidor compulsivo de revistas especializadas em música], ouvir rádio, uma paixão, ver televisão, ir aos festivais. Ando sempre entretido com essas coisas. Actualmente, o escritório ocupa-me muito tempo. Mas geralmente o intervalo dos concertos é sobretudo à espera do concerto seguinte.
H. Ele lê muito e aprende-se muito com ele porque ele depois conta as histórias todas.
Z.P. Gosto muito de histórias do rockn’roll e de filmes tipo puzzle, como o Memento, o 11 e 14, o Pulp Fiction, que adorei.

«É preciso trabalho e dedicação, mas sobretudo temos de estar muito atentos para nos desviarmos do azar e para apanharmos a sorte quando ela passa ao nosso lado.»

O jogo está muito presente nas suas letras. Acredita no destino, acha que a sorte e o azar determinam alguma coisa na nossa vida?
Z.P. Determinam tudo, uma pessoa pode ter muito boa vontade, mas se tiver azar não consegue nada.

Não somos nós que fazemos a sorte e o azar?
Z.P. Claro que temos de ter trabalho e dedicação, mas sobretudo temos de estar muito atentos para nos desviarmos do azar e para apanharmos a sorte quando ela passa ao nosso lado. Quando estamos mais descuidados connosco, a sorte nunca nos bate à porta.
H. Se não estivermos com atenção não damos por ela, não damos por nada, não damos sequer pela vida. Há pessoas que passam a vida inteira desatentas.
Z.P. Uma pessoa que se está sempre a queixar do azar atrai o azar – povo português é muito assim -, mas se disser: não, eu vou ser diferente, as coisas boas acontecem. Lembro-me perfeitamente da primeira conversa com o Kalu, em 1978, disse-lhe que íamos ser a primeira banda em Portugal e que ainda íamos fazer a primeira parte dos Rolling Stones. Bingo. E, pelos vistos, disse ao meu amigo Kit que ia ser condecorado pelo Presidente da República. As coisas aconteceram, porque acreditámos que era possível e trabalhámos para isso. Claro que não podemos ficar de braços cruzados à espera que algo aconteça.

Tem cinquenta anos, como imagina o resto da sua vida?
Espero vir a ser pai, casar, descansar um bocadinho, conseguir reservar um pouco mais de tempo para mim e continuar por muitos anos ligado aos palcos e à música. Mas acima de tudo continuar a ser músico.

E a Helena?
H. Como é que eu vejo a vida dele?
Z.P. Com a minha podes estar descansada, fala da tua.
H. Ainda bem que me descansas, que dizes que não te vais meter em mais sarilhos.

A crítica musical em Portugal é uma merda

O percurso dos Xutos & Pontapés foi feito com ou apesar da crítica?
Z.P. A crítica musical em Portugal é uma merda.

Posso usar isso assim, tal e qual?
Z.P. Podes, pelo seguinte: nunca se preocuparam, e continuam sem se preocupar, com o mercado português. O mais fácil é dizer mal. Mas o mercado português tem de ser construído por todos, editoras, músicos e críticos, que sem músicos não têm trabalho, coisa que parece que ainda não perceberam. Infelizmente, a crítica musical em Portugal é muitas vezes determinada por ódios ou simpatias pessoais, o que é ridículo. Eu sou assinante há anos da Rock & Folk, cujo director é o Philippe Manouvre, e uma vez li uma crítica dele ao segundo álbum dos Stroke em que ele dava cinco estrelas, o máximo, e explicava: não é que fosse o disco preferido dele ou que o considerasse o supra-sumo, mas achava que conduziria ao surgimento de uma série de bandas, porque era uma novidade tremenda. E foi isso que aconteceu, os Stroke abriram as portas para o novo rock. Um crítico deve ter esse tipo de lucidez, esse tipo de abordagem, e não andar cá com guerrinhas.