OPINIÃO

Já existe uma solução para todas as pessoas que sofrem de incontinência

Tratamento para incontinência urinária e fecal foi melhorado e, pela primeira vez, será usado em pacientes com malformações de nascença. Ana Povo, médica-cirurgiã, otimizou a técnica da estimulação sagrada.

Texto Sara Dias Oliveira

Chama-se estimulação sagrada e é um procedimento cirúrgico usado no tratamento da incontinência urinária e fecal. É como um pacemaker do coração, mas mais pequeno, do tamanho de uma moeda de dois euros, que é colocado na nádega do doente.

A técnica é usada há vários anos, mas agora, e pela primeira vez, será aplicada a doentes com malformações de nascença. O que significa que todos os doentes terão uma resposta ao seu problema de incontinência.

Este é o resultado da investigação realizada por Ana Povo, médica-cirurgiã, no âmbito do seu doutoramento em Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Ana Povo, professora da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e médica-cirurgiã no Centro Hospitalar do Porto.

No nosso país, cerca de 600 mil pessoas, a maioria mulheres entre os 45 e os 65 anos, sofrem de incontinência. vários doentes têm medo de sair de casa.

Em Portugal, cerca de 600 mil pessoas, a maioria mulheres entre os 45 e os 65 anos, sofrem de incontinência. «O estudo desenvolvido permitiu não só desenvolver e otimizar a realização do procedimento cirúrgico em todos os doentes, mas também tornar possível a sua realização nos doentes com malformações do sacro – prova disto é que baseado nos nossos estudos, dois doentes com malformações do sacro foram recentemente tratados à sua incontinência fecal com esta técnica cirúrgica», diz, à NM, Ana Povo, assistente convidada da unidade de Anatomia do departamento de Biomedicina da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e assistente hospitalar do serviço de cirurgia geral ambulatória do Centro Hospitalar do Porto.

E como funciona a estimulação sagrada? Através da estimulação elétrica dos nervos que inervam os músculos e os órgãos responsáveis pelo controlo da micção e dejeção. Trata-se de uma operação e o doente precisa de ir duas vezes ao bloco com anestesia local. «

Neste procedimento cirúrgico é colocado no doente um elétrodo por via percutânea junto a esses nervos». Na primeira ida ao bloco, o elétrodo fica ligado a um neuro-estimulador externo, na segunda fica ligado a um neuro-estimulador permanente. É como um pacemaker do coração, mas mais pequeno e que é colocado na nádega.

A incontinência tem grande repercussão na qualidade de vida dos doentes e esta melhora significativamente com esta técnica que graças a esta pesquisa chegará a mais pessoas.

«Até recentemente a principal contraindicação para a realização desta técnica cirúrgica era a existência de malformações desde a nascença do sacro e/ou dos nervos aí localizados. Sabe-se também que neste tipo de doentes existe uma maior frequência de incontinência urinária e fecal do que na população em geral», sublinha Ana Povo que estudou a anatomia do sacro e dos nervos e ainda as malformações e suas implicações na realização da estimulação sagrada, através da criação de um modelo tridimensional dessa região.

A vida dos incontinentes melhora com esta técnica que, fruto dessas pesquisas, será alargada a mais doentes. «Quer a incontinência urinária quer a fecal têm grande repercussão na qualidade de vida dos doentes, referindo muitos deles medo de sair de casa», diz a médica.

«Sobretudo no caso da incontinência fecal, existem muito poucas opções terapêuticas, nomeadamente cirúrgicas e com sucesso terapêutico. A estimulação sagrada oferece uma solução a estes doentes, com significativo impacto na qualidade de vida dos doentes», explica Ana Povo.

As investigações que estão na base da sua tese de doutoramento foram publicadas em várias revistas científicas, nomeadamente na Internacional Colorectal Disease, uma das mais prestigiadas da área.