OPINIÃO

Grande final do passatempo Brincar na Cozinha

O passatempo Brincar na Cozinha, promovido pela Notícias Magazine e pela Teka, juntou em Lisboa seis famílias para a grande final, em que recriaram ao vivo, perante um júri, a receita que tinham submetido em vídeo para votação.

Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de Sara Matos/Global Imagens

«Quero ser bailarina, cozinheira… e mãe» é a resposta de Camila Sousa, 5 anos, à pergunta «O que queres ser quando cresceres?» Em cima de uma caixa de papel para chegar ao balcão, a pequena vai mexendo o refogado da tarte de bacalhau com legumes, uma das seis receitas em concurso para ganhar o passatempo Brincar na Cozinha.

Não há quem não lhe ache piada, com as respostas afiadas e o carisma para lá da idade. Uma estrela em potência. A mãe Gabriela, mais tímida do que a filha, dá o apoio necessário para que tudo corra bem. Já se tinha notado a cumplicidade da dupla no vídeo submetido para votação no site do passatempo.

A interação ao vivo, entre pais e filhos, foi, aliás, um dos fatores valorizados pelo júri presente na final do passado sábado, 16. Neste concurso para toda a família, além do sabor, foram tidas em conta a divisão de tarefas, a técnica e a apresentação final.

Catarina Carvalho, diretora da Notícias Magazine, Teresa Lagoa, diretora de marketing da Teka Portugal, a chef Joa­na Byscaia, Adriana Freire, jornalista e responsável pelo projeto Cozinha Popular da Mouraria, Paulo Farinha, editor executivo da Notícias Magazine e Bruno Contreiras Mateus, editor multimédia do Dinheiro Vivo, do Global Media Group, acompanharam de perto cada equipa e chegaram a provar a comida à medida que ia sendo feita.

A interação ao vivo, entre pais e filhos, foi um dos fatores valorizados pelo júri presente na final. Neste concurso para toda a família, além do sabor, foram tidas em conta a divisão de tarefas, a técnica e a apresentação final.

O desafio passou por recriar de raiz as receitas que tinham tido mais votos.
O prémio final era aliciante [ver caixa], mas, ainda assim, foi consensual que a experiência se traduziu­‑se em mais do que prémios. Todos se sentiam vencedores e foi uma aprendizagem para as crianças.

«Só filmarmos o vídeo já foi tão divertido, não estávamos à espera de ser selecionadas, rimo­‑nos imenso e eu queria sobretudo que a Filipa participasse num concurso. Nunca tínhamos feito nada assim e ela adora cozinhar», diz Marília Pereira em conversa enquanto vai preparando as espetadas de porco com bacon e arroz de cenoura, sempre com a ajuda da pequena e da cunhada Susana. Sem esquecer o toque final – o alecrim no tempero.

As famílias nunca se tinham encontrado antes – lá para o fim, as crianças já corriam juntas em frente ao showroom da Teka, no Parque das Nações. Vieram de pontos tão diferentes do país como Alcobaça, Braga, Alverca, Oeiras ou Costa de Caparica com o objetivo de pôr mãos à obra. Ou no tacho. Os pratos variavam muito, de hambúrgueres a sobremesas. As espetadas de lombinhos de porco com bacon da família Pereira, os hambúrgueres artesanais da família Silva, as panquecas da família Gonçalves, a tarte de bacalhau com legumes da família Sousa, os bombons da família Coutinho e o vencedor bolo Arco­‑Íris da família Simões.

Dividido em camadas com as cores da bandeira de Portugal, a receita conquistou o júri pelo sabor, a originalidade, a técnica e pela participação de todos, com o Francisco (Kiko), de 4 anos, a Clara, de 8, e a Maria, de 10, a assumirem o controlo da receita. Os pais Rita e Alexandre estavam contentes com a vitória. «Vamos poder renovar os eletrodomésticos lá de casa que já têm quinze anos.»

A própria apresentação da família não foi deixada ao acaso e todos vestiam T‑shirts azuis para a ocasião. A decisão não foi fácil, o empenho era geral e a cumplicidade entre famílias era notória. Prova disso foi a família Silva e os seus hambúrgueses artesanais. Ainda que os olhinhos revelassem algum sono, Gabriel, com 4 anos, fez questão de participar em todos os passos da confeção do prato e foi ele que moldou os três hambúrgueres enquanto as gémeas Diana e Laura, 15 anos, tratavam dos condimentos.

No final da manhã, Teresa Lagoa, diretora de marketing da Teka, mostrava­‑se satisfeita com o evento. «Estamos muito contentes com a adesão ao passatempo e por ver estas famílias a cozinhar e a criar memórias em conjunto.»

Com três opções para provar, esta família primou pela simpatia. Sentada em cima do balcão da cozinha, a Mariana, com 5 anos, parte as bolachas que integram a receita dos bombons Bom Dia da família Coutinho.

Com marsh­mallows e chocolate preto, estes quadradinhos são uma tentação e o desafio é parar de comê­‑los. As três filhas de Alexandra vão dividindo tarefas com a destreza de quem já conhece bem cada passo. «Lá em casa fazemos muitas vezes, as crianças adoram, levam para a escola, para os amigos. É a nossa imagem de marca», diz a mãe.

No final da manhã, Teresa Lagoa, diretora de marketing da Teka, mostrava­‑se satisfeita com o evento. «Estamos muito contentes com a adesão ao passatempo e por ver estas famílias a cozinhar e a criar memórias em conjunto.» Depois dos prémios, as crianças despedem­‑se como se fossem amigas e os pais falam entre si das experiências na cozinha. É a prova de que a comida, de facto, aproxima as pessoas.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.