OPINIÃO

A acne não é uma chatice exclusiva da adolescência

A acne não é apenas uma chatice da adolescência. Mulheres de 30 e 40 anos podem ter espinhas na cara. As alterações hormonais são a principal causa desse excesso de produção de gordura, mas há outros fatores que agravam o problema. O stress e os cremes de beleza estão nessa lista. A pílula, pelo contrário, ajuda a ter a pele lisa.

Texto Sara Dias Oliveira

Há um estudo que garante que a acne é a doença cutânea mais frequente, que afeta 85% a 100% da população em algum momento da sua vida. É sobretudo um problema que ataca os mais jovens, principalmente adolescentes, raparigas e mulheres até aos 25 anos – e a explicação de ser uma chatice particularmente feminina tem a ver com as alterações hormonais. No entanto, as borbulhas na cara não são um exclusivo da adolescência.

Há mulheres de 30 e 40 anos que não conseguem ter uma pele lisinha, livre de erupções cutâneas. Porquê? Porque a acne não se amarra apenas às hormonas, tem várias causas, e está ligada aos hábitos do dia-a-dia. As alterações hormonais são, efetivamente, a principal causa, só que há outros fatores que agravam o problema.

  • O stress
  • A utilização de cosméticos e cremes de beleza desajustados a um determinado tipo de pele
  • A exposição solar sem regras
  • A higiene em excesso
  • Alimentos como o chocolate
  • A menstruação

Estes fatores também contribuem para as espinhas no rosto. Já a pílula está do lado oposto. Sempre se soube que ajudava a combater a acne, mas agora é oficial. Esse poder está indicado, preto no branco, por ordens da Agência Europeia do Medicamento.

«As doenças de pele, e a acne é a mais frequente, são muito sensíveis aos nossos estados de espírito. O stress e andar em ambientes muito poluídos não ajudam», refere Fátima Palma, médica ginecologista e obstetra.

«As doenças de pele, e a acne é a mais frequente, são muito sensíveis aos nossos estados de espírito. O stress e andar em ambientes muito poluídos não ajudam», refere Fátima Palma, médica ginecologista e obstetra. De qualquer forma, é importante perceber as causas da acne, analisar o tipo de pele e se os produtos que são usados no rosto são os mais adequados. E evitar o que faz mal. No caso das alterações hormonais, não há muito a fazer e a acne leva a melhor.

Neste caso, não há relações genéticas. A acne não é transmitida de pais para filhos ou entre amigos e colegas. O seu aparecimento está relacionado com os hábitos do dia-a-dia, com a maior ou menor atenção que se dá aos fatores que estimulam o seu aparecimento.

Acne significa borbulhas indesejadas na cara. E como elas aparecem? A acne resulta de um excesso de produção de gordura, da acumulação de células cutâneas mortas que irritam os folículos pilosos. E as espinhas acabam por rebentar. Nada bonito de ver ao espelho.

Há muito tempo que se sabe que os métodos contracetivos combinados orais funcionam como um bom tratamento para a acne e para o excesso de pilosidade no corpo.

Há muito tempo que se sabe que os métodos contracetivos combinados orais funcionam como um bom tratamento para a acne e para o excesso de pilosidade no corpo. Há até quem os receite para eliminar a acne grave em tratamentos de seis meses. Mas agora a Agência Europeia do Medicamento deu indicações precisas para que a bula da pílula contracetiva à base de dienogest e etinilestradiol referisse que esse comprimido também pode ser utilizado para tratar a acne moderada.

A pílula bloqueia os recetores que dão luz verde às borbulhas e é mais uma aliada no combate a este problema de pele. Uma boa notícia para esta terça-feira, Dia Mundial da Contraceção.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.