Se trabalhar estas competências, dizem os especialistas, terá maior facilidade em adaptar-se ao mercado de trabalho do futuro, que se caracterizará pela mutação constante.
  • 1. MUITA CRIATIVIDADE
    É o golpe de graça para sobreviver nestes tempos vertiginosos já que, à partida, o que não se consegue explicar não se pode automatizar. Sendo que criatividade não é apenas tocar piano, dançar ou pintar um quadro (em que nem os próprios artistas conseguem explicar ao certo o que fazem). Ser criativo pressupõe descobrir soluções originais para um problema, que por sua vez irá gerar novas questões e potenciar outras respostas transformadoras.
  • 2. APRENDIZAGEM CONSTANTE
    À velocidade furiosa a que o mundo está a mudar atualmente, os trabalhadores vão ter de se acostumar a aprender novos conteúdos, fazer atualizações e adquirir competências o tempo todo, de forma mais ou menos informal, para se manterem a par das novidades. Tutoriais na Internet são ótimas ajudas. A tecnologia será em simultâneo causadora da mudança e fonte dos novos conhecimentos.
  • 3. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
    Resulta de termos autoconsciência, motivação, autorregulação, competências sociais e empatia, o que influencia a gestão que fazemos das emoções (nossas e dos outros) e determinar o êxito que teremos no trabalho e na vida. Pessoas com inteligência emocional são trabalhadores mais confiantes, adaptáveis e flexíveis, que sabem lidar bem com o stress e trabalhar para cumprir os objetivos propostos.
  • 4. LITERACIA DOS NOVOS MEDIA
    Não basta conhecer as diferentes plataformas de media: há que entender as particularidades de cada uma e saber qual a melhor forma de comunicar em cada uma delas. Daí estimar‑se que especialistas em marketing e os empregos em vendas (a retalho e noutras plataformas) irão crescer entre 6,4 e 18,6 por cento até 2025.
  • 5. PENSAMENTO COMPUTACIONAL
    Tão importante como saber lidar com a tecnologia é ser capaz de lidar com a informação que recebemos diariamente, detetar padrões e tornar isso numa mais‑valia. Calcula‑se que os analistas de sistemas aumentem cerca de 21 por cento até 2024, e que empregos relacionados com o desenvolvimento de software subam perto de 19 por cento. Especialistas em marketing e pesquisa de mercado terão também mais 19 por cento de procura.
  • 6. FÁCIL ADAPTABILIDADE
    A tendência apontada pelos especialistas é a de que devemos ser versáteis muito por conta das novas dinâmicas laborais, em que o objetivo é trabalhar em função de projetos e faze‑lo rapidamente. Grande parte dos colaboradores vão ser independentes e trabalhar a partir de casa (home working), com acesso remoto às plataformas do escritório. Especialização e flexibilidade são palavras de ordem.