OPINIÃO

Sete ideias para elevar o ânimo

Cansado da melancolia trazida pelos dias curtos? Tem bom remédio.

Se é daqueles que sofrem com a falta de luz solar e, nesta altura do ano, tudo lhe parece desinteressante e sombrio, recorra a estratégias simples para romper a rotina invernal. Pequenas mudanças bastam para garantir melhor humor e mais bem-estar.

1.
COMECE O DIA COM BOA ATITUDE
O ideal seria acordar natural­mente, sem o toque do desper­tador. Mas quem vive hoje no mundo ideal? A alternativa é usá-lo a seu favor. Escolha um com alarme à prova de pregui­ça e de cobertores, mas com som suave e crescente, e programe–o para dez minutos mais cedo. Não se vire para o lado, aprovei­te esse tempo para sentir o cor­po, espreguiçando-se ainda en­tre lençóis. Esse gesto simples, além de ajudar a despertar, es­timulando a circulação, previne também golpes de frio ao sair da cama bem como dores nas cos­tas e cansaço generalizado ao longo do dia. Sim, não é mania sua, o organismo precisa mesmo de um tempinho, especialmente no inverno, para começar a fun­cionar. Antes de saltar da cama, devagar e sem gestos bruscos, dê também graças a mais um dia que, mesmo sendo de chu­va e frio, trará bons momentos. Como todos trazem afinal, se permitirmos.

2.
ESCUTE UMA CANÇÃO POSITIVA
O que não faltam são estudos a confirmar o poder da música no bem-estar físico e emocional. Os cientistas garantem que escutar um determinado tema não mo­difica somente a forma como nos sentimos mas altera também o ritmo cardíaco e respiratório, a pressão sanguínea, a produção hormonal ou as ondas cerebrais. O que espera, então, para erradi­car da lista musical matinal os te­mas lamechas e sorumbáticos? Troque-os por sons que o ali­viem das sombras invernais e lhe tragam boa disposição. Pa­ra afastar o cansaço e aumen­tar a motivação, os especialis­tas aconselham música mexida e estimulante, capaz de disparar a produção de endorfinas e adre­nalina. Se o objetivo for acalmar o espírito e o stress, opte por uma seleção suave e melódica.

3.
ALMOCE COM AMIGOS
Uma vez por semana, pelo me­nos, esqueça a marmita e os co­legas do escritório e aposte nu­ma dose de mimo. Estar com amigos durante a semana, a meio de um dia de trabalho, ali­via qualquer mau humor. Mes­mo com os minutos contados, o encontro não só ajuda a reduzir o stress como permite deitar cá pa­ra fora ansiedades e preocupa­ções típicas dos dias curtos des­ta estação e não só. E a ciência, o que diz sobre estas escapadi­nhas? Está de acordo, claro. Afi­nal está provado que as ligações emocionais têm um poder cura­tivo. Ter amigos e estar com eles contribui claramente, garantem os cientistas, para viver mais e melhor. E se pelo meio existirem risadas soltas tanto melhor.

4.
TENHA A NATUREZA À VISTA
Ter a natureza por perto é um bálsamo contra as disposições mais sombrias. Mesmo que se­ja apenas uma jarra com flores coloridas ou um vaso com uma planta verdejante. Numa épo­ca em que lá fora reina o reco­lhimento e as árvores enfren­tam despidas os elementos, esse contacto, mesmo caseiro, com o mundo natural traz a lembran­ça dos dias longos, soalheiros e passados ao ar livre. São vários os estudos que têm, afinal, com­provado a importância do con­tacto com o verde. «Sem ve­getação, somos criaturas di­ferentes», disse Frances Kuo, investigadora da Universidade do Illinois, alertando que uma existência sem árvores potencia a agressividade. E, nalguns ca­sos, pode gerar quebras físicas e psicológicas.

5.
TOME BANHOS DE LUZ
Ela pode estar disponível du­rante poucas horas e ser me­nos luminosa, mas a nós, bem colocados na Europa do Sul, não nos falta. Portanto, toca a aproveitá-la para dissipar as nuvens negras. Logo pe­la manhã, faça-se da ida para o emprego o bilhete para go­zar os primeiros raios de sol ou use-se a hora de almoço, mais quentinha, para um pas­seio pelos arredores ou uma visita ao jardim. Já não é se­gredo: hoje sabe-se que a luz ultravioleta vai muito além da pele, alcançando as profun­dezas do sistema nervoso e le­vando ao aumento da produ­ção de endorfinas, as hormo­nas da felicidade, bem como de serotonina, neurotrans­missor ligado à sensação de bem-estar. Depois, claro, a luz solar é imprescindível para a obtenção da multifuncional vitamina D.

6.
FAÇA EXERCÍCIO LIGEIRO
Dizem os entendidos, como os autores de um estudo publica­do na revista científica Journal of the American Medical Associa­tion, que não vale a pena entre­gar-se a disciplinas intensas para correr com os maus hu­mores e aumentar a resistência do organismo. Caminhadas ao ar livre, passeios de bicicleta, braçadas na piscina ou aulas de dança são hipóteses mais li­geiras e com resultados garan­tidos, não só na conquista do bem-estar mental como físico. E que o mau tempo não sirva de desculpa. Protegidos com a roupa adequada, o embate do frio pode ser revigorante, aju­dando a dissipar pensamentos negativos. Caso se arrepie, op­te pelos ambientes interiores. Mas esqueça as tardes no sofá e mexa-se!

7.
DESCANSE MAIS
Se os dias escuros desta esta­ção lhe dão sono, durma. Aque­ça o quarto, vista um pijama largo e confortável e vá para a cama mais cedo. É natural nes­ta altura do ano sentirmos um maior apelo ao repouso. Afinal, à medida que as noites vão sen­do mais longas, aumenta a pro­dução de melatonina, a hormo­na que estimula o sono. Sem exageros, mas também sem as culpabilidades instigadas por uma sociedade que acredita na mais-valia da falta de descan­so, aproveite esse apelo ao re­colhimento para regenerar o corpo e a mente, deixando que as forças curativas do organis­mo façam a sua magia e lhe tra­gam energia renovada na pri­mavera.

RECARREGUE AS BATERIAS
A energia anda a bater no vermelho? Descubra três práticas milenares com provas dadas no aumento da vitalidade.

YOGA: através das suas posturas, assentes em exercícios respiratórios, trabalho muscular suave e muita concentração, estimula a energia disponível. Além disso, os praticantes ga­rantem que afasta a sonolência típica desta estação.

MEDITAÇÃO: estudada nas últimas décadas, são muitos os benefícios que lhe são reconhecidos, não só na obtenção de bem-estar mental como físico. No mindfulness, por exemplo, a atenção é centrada no aqui e agora. Resultado? Muito do stress e das preocupações que alimentam o desassossego ficam sem lastro para crescer.

TAI CHI: baseada em movimentos lentos e ritmados, que estiram suavemente o corpo e ajudam à concentração no momento presente, esta técnica trabalha diretamente a energia vital, ensinando a fluir, com mais sabedoria, pelas distintas situações da vida.

Cristina Azedo
Ilustração de Michelle Reis/WHO