OPINIÃO

À lupa: Melissa Aranha

Ainda se lembra das suas?

As sandálias que nasceram em 1979 e andaram nos pés de toda a gente que viveu nos anos 1980 estão de volta e marcam as tendências desta primavera-verão de 2015.

Quem nasceu nos anos 1970 passou os longos verões da infância com umas sandálias aranha nos pés. Talvez não fossem as Melissa Aranha originais, criadas em 1979, em Rio Grande do Sul, no Brasil, pelos irmãos Alexandre e Pedro Grendene, donos de uma fábrica de plástico, que produziam garrafões de vinho até decidirem aventurar-se no calçado e conquistar o mundo, mas eram decerto uma dos milhões de cópias das sandálias que se tornaram um verdadeiro ícone de moda e que são o ex-líbris da marca brasileira.

Trinta e cinco anos depois, e apesar de a casa mãe ter produzido os mais variados modelos de Melissa, de sabrinas a botas ou sapatos de salto alto, e criado parcerias com designers internacionais, entre os quais Karl Lagerfeld, da Chanel, ou Vivienne Westwood, a Aranha de 1979, inspirada nas sandálias dos pescadores da Riviera Francesa, estão de volta, na coleção primavera-verão 2015. Não há dúvida de que a história está sempre, sempre, a repetir-se. Catarina Pires