OPINIÃO

Natal sem excessos

É difícil não cair em excessos nesta época do ano, mas existem alguns truques que podem ajudar a reduzir os danos.

Mesa repleta de doces, o bacalhau regado com azeite, os copos de vinho cheios… É difícil não cair em excessos nesta época do ano, mas existem alguns truques que podem ajudar a reduzir os danos e a desfrutar, na mesma, das delícias do Natal.

FAÇA BATOTA COM OS DOCES
Natal sem doces não é Natal e portanto a proposta não é fugir-lhes mas antes ten­tar confecioná-los de forma a reduzir os estragos na linha. Um dos preferidos des­ta época, a rabanada, é uma bomba de ca­lorias, mas se trocar a frigideira pelo for­no estará não só a cortar nas gorduras co­mo também a poupar tempo precioso que perderia em torno do fogão. São menos crocantes, é um facto, mas o sabor man­tém-se lá. Outros truques para reduzir calorias passam por fazer batota com os ovos, o leite, a manteiga e o açúcar: ten­te usar mais claras do que gemas em to­das as receitas que levem ovos, prefira o leite magro, opte por manteiga light e substitua metade do açúcar por adoçante. Nas receitas com farinha, substitua metade da quantidade indicada por fa­rinha integral. Embora possuam basica­mente o mesmo valor calórico, a farinha integral contém mais fibra e nutrientes do que a versão refinada, sendo por isso mais saciante – o que significa que pre­cisará de ingerir menos quantidade para se sentir satisfeito. O resultado não será exatamente o mesmo – a textura da fari­nha integral é bastante mais consistente – mas nem por isso ficará a perder em re­lação ao original.

NÃO ENXARQUE O BACALHAU
É verdade que o azeite é das melhores gorduras que podemos ingerir, mas, ainda assim, não deixa de ser uma gor­dura, com cerca de 90 kcal por colher de sopa. Lembre-se disso na hora de regar o bacalhau e tente não o afogar em azeite. Quanto ao acompanhamen­to, procure encher o prato com mais le­gumes, como couve ou o grão, e menos batatas, ricas em hidratos de carbono.

BRINDES COM MODERAÇÃO
No pós-festa, os doces são vistos como os vilões da balança, mas o álcool tam­bém tem a sua culpa. Em média, um co­po de vinho de 100 ml comporta cerca de 76 kcal. E uma imperial, com 200 ml, fica pelas 80 kcal. Beba, se gosta, mas faça-o com moderação – não é só o peso, mas também o cabelo, a pele e as unhas que saem a ganhar.

Laura Patrício
Fotografia de Corbis