OPINIÃO

Nas mãos da natureza

De acordo com João Beles, as plantas medicinais podem ser usadas para perder peso e tratar a maioria das doenças.

Diz que as plantas medicinais podem ser usadas para perder peso e tratar a maioria das doenças e que têm uma eficácia idêntica à dos medicamentos, mas muito menos efeitos adversos. Afirma que está tudo confirmado cientifica­mente e que o segredo é saber escolher as mais adaptadas a cada pessoa. O naturopata João Beles releva os benefícios para a saúde de um regresso à natureza.

Nesta altura do ano, somos inundados com pu­blicidade a produtos que prometem perdas de peso milagrosas, mas quase sempre inefica­zes. Acabou de publicar um livro – Plantas Que Emagrecem , uma edição Lua de Papel– e diz que aquelas podem ser a chave para se atingir o peso desejado. Qual é o seu segredo?
_ O meu livro pretende informar sobre o uso e contributo das plantas medicinais para a perda de peso, acabando precisa­mente com a ideia das plantas da moda. É que uma planta que pode ser benéfica e surtir efeito numa pessoa, pode ser desa­justada e ineficaz se usada noutra. Depen­de das características de cada um.

Pode dar um exemplo?
_ Olhe, as cetonas de framboesa. Estão ago­ra muito em voga e são um suplemento mui­to eficaz. Mas a verdade é não têm o mesmo efeito em todas as pessoas. Os tratamentos de emagrecimento com plantas medicinais de­vem ser individualizados, adaptados às ca­racterísticas de cada um. Na origem do exces­so de peso, além dos erros alimentares e do es­tilo de vida, podem estar alterações da tiroide, hormonais, emocionais, entre outras. Embo­ra o livro se destine ao grande público e conte­nha informação generalista, penso que per­mite que cada pessoa identifique o seu perfil e as plantas medicinais mais adaptadas. Têm características diferentes. Umas são termo­génicas (queimam gorduras), outras relaxam o sistema nervoso, outras diminuem o apeti­te. Também há as que regulam a glicemia, a tiroide, as que ajudam a dormir, etc. Podem ser usadas isoladamente – o chá verde é sem­pre benéfico para a eliminação de gordura – ou combinadas. Por exemplo, grifónia (que reduz o apetite), com guaraná (um tónico) e café verde (termogénico) é uma associação que tem grade eficácia na perda de peso.

Mas é preciso identificar as causas que estão na origem do excesso de peso?
_ Sim. Se o excesso de peso estiver ligado a questões emocionais, a grifónia pode ser mui­to eficaz pois tem efeito na redução do apetite e no aumento da saciedade mas também me­lhora os transtornos emocionais, nomeada­mente depressão, insónia, ataques de pânico e crises compulsivas que levam ao consumo de alimentos. Isto sucede por efeito dos seus constituintes fitoquímicos, nomeadamente o 5-Hidroxitriptofano, um aminoácido mui­to conhecido, que aumenta a produção de se­rotonina e de outros neurotransmissores im­portantes para o equilíbrio do humor.

Como é que se sabe quais as plantas medici­nais mais indicadas para cada pessoa?
_ Através da história clínica do paciente. As queixas, os sintomas, a história familiar e outras informações obtidas na consulta são fundamentais.

Mas se os naturopatas não podem pedir sim­ples análises ao sangue, como é que sabem se a pessoa que têm à frente tem os valores de glicose, colesterol e triglicéridos altos? Qual é o valor dos meios auxiliares de diagnóstico para as terapêuticas não convencionais?
_ São fundamentais. Esperamos, num fu­turo muito próximo, poder vir a prescre­ver análises clínicas e até outros exames de diagnóstico usados na medicina conven­cional. Por enquanto, os pacientes pedem aos médicos de família ou fazem por con­ta própria, por exemplo numa farmácia. Também há seguradoras que compartici­pam as nossas consultas e, em breve, uma das maiores do mercado vai permitir que os seus segurados tenham a liberdade de esco­lher entre um médico convencional ou um especialista em medicinas naturais.

A naturopatia também é bem sucedida no tra­tamento da obesidade?
_ Geralmente a obesidade tem associada uma série de outros sintomas e doenças, incluindo a diabetes tipo 2. E aí nós temos vantagens relativamente à medicina con­vencional porque, através do uso combi­nado de várias plantas medicinais, pode­mos controlar a pressão arterial alta, a gli­cose e o colesterol e sem os efeitos adversos que resultam dos medicamentos de sínte­se química. Intervimos nesses fatores, na regulação do apetite, nas alterações emo­cionais ou hormonais e os pacientes per­dem gordura e volume e ganham saúde e vitalidade

E na alimentação e estilos de vida, os naturo­patas não mudam nada?
_Também damos alguns conselhos – so­bretudo redução de carnes vermelhas, lati­cínios e hidratos de carbono simples e fala­mos da importância da atividade física re­gular. Mas o naturopata não é nutricionista nem dietista. Nós alcançamos resultados através do uso de plantas medicinais.

As plantas medicinais podem ser consumidas em infusão ou é preciso recorrer a suplemen­tos alimentares?
_ As infusões são ótimas e podem ter efei­tos terapêuticos, mas para alcançar resul­tados, por exemplo, em 90 dias, é difícil fazer as infusões com as combinações de plantas necessárias e depois a pessoa levá–las para o trabalho ou para os sítios on­de se desloca. Por isso, receito suplemen­tos alimentares em comprimidos, ampo­las ou xaropes. Assim, temos a garantia de que os constituintes ativos estão presentes na quantidade certa para produzir efeitos terapêuticos e, para os pacientes, é mais fácil cumprirem o tratamento.

Qual é a vantagem das plantas medicinais comparativamente a uso de medicamentos inibidores de apetite, diuréticos e outros usa­dos no tratamento médico da obesidade?
_ Uma eficácia clínica idêntica ou superior aos medicamentos de síntese química, mas com muito menos efeitos adversos, pois es­tes, quando ocorrem, não têm gravidade.

Podemos tratar outras doenças com plantas medicinais?
_ Podemos tratar quase todas as doenças e complementar o tratamento de outras que de­vem ser tratadas pela medicina convencional.

A naturopatia também é competente para tra­tar doenças graves, por exemplo cancro? Se sim, qual é a abordagem?
_ A naturopatia oferece tratamentos que são complementares dos tratamentos mé­dicos convencionais do cancro, que os do­entes devem fazer. Recorremos a determi­nadas plantas medicinais que aumentam o efeito dos tratamentos médicos e da quimio­terapia, minimizam os respetivos efeitos se­cundários e estimulam o sistema imunitá­rio. Vários estudos comprovam que a tera­pêutica combinada – médica e naturopatia, entre outras especialidades – ajuda a reduzir as recidivas e a aumentar a sobrevida dos pa­cientes com vários tipos de cancro.

Tem noção de que pode estar a dar esperança onde ela já não existe?
_ Tenho o dever de informar que o recurso a plantas medicinais melhora a qualidade de vida dos doentes com cancro e reduz o nú­mero de recidivas. Os tratamentos são com­plementares aos da medicina convencional. Já fui convidado como orador para um con­gresso da Associação Oncológica do Algarve para falar sobre o uso na naturopatia em on­cologia e fui escutado com muito interesse.

E doenças autoimunes? A naturopatia tam­bém ajuda a tratar?
_ Sigo alguns doentes com artrite reuma­toide e doença de Crohn, entre outras, mas neste campo a nossa abordagem também é complementar da medicina convencional. Queremos que os doentes continuem a ser seguidos pelos reumatologistas e gastren­terologistas, até porque precisamos de in­formação sobre a doença e a forma como está a evoluir, que só é dada por análises e exames imagiológicos e outros muito es­pecíficos e que só podem ser prescritos por médicos. Mas posso afirmar que temos pa­cientes que não respondiam aos tratamen­tos convencionais, que podem ter efeitos adversos muito severos, e que através de tratamentos específicos da naturopatia viram os sintomas reduzidos e a qualidade de vida aumentada. Tudo sem efeitos se­cundários. Aliás, nalguns casos a doença poderá mesmo ter entrado em remissão.

Tanto quanto sei, não há confirmação científi­ca do que está a dizer…
_ Tudo o que afirmo está sustentado cien­tificamente e pode ser comprovado na PubMed, a maior base de dados de artigos mé­dicos e científicos do mundo.

Uma das críticas feitas às medicinas naturais é precisamente a falta de sustentação cientí­fica. Quais são, afinal, as bases científicas da naturopatia?
_ O primeiro livro que publiquei [A Natu­reza Cura a Natureza, Edições Mahatma] resultou de uma pesquisa que fiz durante mais de dez anos e que me levou à consulta de milhares de estudos científicos, valida­dos, sobre o uso, os efeitos e os benefícios de centenas de plantas medicinais. Nesse livro cito, em concreto, 1250 estudos. To­dos podem ser consultados. Alguns foram publicados em revistas científicas como a Lancet ou o JAMA (Journal of the American Medical Association).

Nesse livro diz que podemos aumentar a espe­rança de vida entre dez a vinte anos se fizermos as escolhas certas. Que escolhas são essas?
_Vários estudos publicados em revistas como o JAMAou o Annals of Epidemiologydemonstraram que as pessoas que beberam sete chávenas de chá verde por dia durante seis anos (o equivalente uma/duas gramas em comprimidos) reduziram a incidência de vários tipos de cancro e a mortalidade cardiovascular. E estas são as principais causas de morte em Portugal. Beber chá verde todos os dias só trás vantagens e aumenta a longevidade. Este é um exemplo, há outros.

Há algum medicamento de síntese química a que não hesitaria em recorrer?
_Aos antibióticos, em caso de infeção, e a alguns analgésicos. E não hesito em ir para um hospital perante um caso de emergência, seja um enfarte, um AVC, uma apendicite, etc. A naturopatia é muito eficaz na prevenção da doença e no tratamento de doenças crónicas. Nas situações agudas e nalgumas doenças muito graves, a medicina convencional é mais eficaz e isto está muito bem definido.

As medicinas naturais são reconhecidas pelo Estado português desde 2003, mas só foram regulamentadas em 2013 (Lei n.º 71/2013, de 2 de setembro). O que é que falta para natu­ropatas, homeopatas, osteopatas, quiroprá­ticos, fitoterapeutas, acupuntores e especia­listas em medicina tradicional chinesa terem cédula profissional? É que os consumidores continuam sem conseguir distinguir os pro­fissionais dos impostores…
_A lei foi aprovada por unanimidade e per­mitirá o exercício das medicinas naturais nos sectores privado e público. Neste mo­mento, o que sei é que a Administração Cen­tral do Sistema de Saúde, um organismo do Ministério da Saúde, está a analisar o curri­culum e a qualificação dos profissionais pa­ra atribuição da cédula profissional. Alguns profissionais terão de fazer formação ou re­qualificação, mas a maioria só precisa do re­conhecimento oficial. Porque a formação, o conhecimento e o reconhecimento dos pa­cientes, esses, já o têm.

 

nm1145vidainteligente

QUEM É JOÃO BELES?
Naturopata, autor de artigos e livros sobre as bases científicas da medicina natural, professor no Instituto de Medicina Tradicional, em Lisboa. Acumula a atividade docente com a prática clínica, dá conferências e workshopse mantém colaboração regular em revistas e na televisão.

Célia Rosa
Fotografia: Paulo Spranger/Global Imagens