OPINIÃO

Mas afinal, o que podemos comer?

QUANTIDADE E FREQUÊNCIA: estes são os segredos para uma alimentação saudável e equilibrada.

CÁTIA GOUVEIA É DIETISTA DA SAL & VIDA

Leia mais artigos do Movimento Saudável aqui.

Existem alimentos proibidos pa­ra manter uma dieta saudável e equilibrada?
Numa alimentação saudável e equilibrada não há alimentos proibidos. O segredo está nas quantidades e na frequência com que ingerimos cada ali­mento. O que devemos procurar quando nos alimentamos deve ser a prevenção da doença e a promoção da saúde. Nós somos o que comemos, por isso, temos de aprender a selecionar o que comemos e quando comemos.

Qual o impacto da alimentação na nossa saúde e no nosso aspeto físico?
A nossa alimentação é a nossa primeira arma na prevenção da doença e na promoção da saúde. O objetivo não pode ser perder peso a todo o custo (principal­mente se o custo é sobre a nossa saúde). Por exemplo, a principal causa de morte em Portugal ain­da são as doenças cardiovascu­lares causadas em grande medi­da por hábitos alimentares pou­co saudáveis, nomeadamente no que respeita ao consumo de sal ou, para sermos mais corre­tos, ao consumo de sódio que é o componente do sal que efeti­vamente faz mal e que, em Por­tugal, é o dobro do que é reco­mendado. As doenças que mais matam no país poderiam ser reduzidas se cada um de nós aprendesse a comer bem. Uma alimentação saudável é uma ali­mentação completa, equilibra­da e variada. Uma alimentação que inclui alimentos de todos os grupos alimentares, em quan­tidades que respeitem as reco­mendações e assegurando que não fazemos uma dieta monóto­na, sempre a comer o mesmo. O nosso corpo tem várias necessi­dades e só as conseguimos satis­fazer se comermos de tudo um pouco, e isto está longe de signi­ficar comer muito ou engordar.

Toda a culinária saudável é «sem sabor»?
Isso é cada vez menos uma ver­dade! Os cuidados que devemos ter durante a preparação pas­sam por optar por confeções com pouca utilização de gor­dura, como grelhados, cozidos e estufados. Agora que o tempo quente chegou, é altura de abu­sar das saladas frescas, saboro­sas e com cores porque os olhos são os primeiros a comer. Deve­mos ter cuidado com os tempe­ros que utilizamos: reduzir o sal tradicional (que contem 40% de sódio) deve ser prioritário, não só porque é um fator de risco de doença cardiovascular mas tam­bém porque provoca retenção de líquidos.

Que opções temos atualmente?
Para dar sabor às refeições po­demos recorrer a ervas aromá­ticas e especiarias mas também podemos inovar: juntando fru­ta aos cozinhados e saladas ou fazendo os nossos próprios cal­dos aromáticos com aquilo que habitualmente deitamos fo­ra: as cascas e talos dos legu­mes que podemos utilizar pa­ra fazer uma infusão onde co­zinhamos o arroz ou a massa. Quando sentirmos falta daque­le sabor que só o sal dá, pode­mos utilizar uma alternativa com menos sódio como é o caso de SAL&VIDA, um sal líquido 100% natural que tem cinco ve­zes menos sódio.

E há conselhos para perder peso de forma saudável?

_Ingerir pelo menos 1,5 l de água por dia;

_Não passar mais do que três horas sem comer durante o dia e oito horas durante a noite.

_Fazer um maior consumo de peixe do que de carne e con­sumir com menor frequên­cia carnes vermelhas e optar por carnes magras;

_Optar por cozidos, grelhados, assados, gratinados e estufa­dos e evitar fritos e guisados;

_Reduzir o consumo de sal e sódio (evitar o consumo de produtos de charcutaria, mo­lhos e polpa de tomate indus­trializados, snacks salgados, chá preto, chá verde e águas engarrafadas ricas em sódio;

_Ler os rótulos dos produtos embalados e optar por aque­les que, por dose, não ultra­passam os 5% da dose diá­ria recomendada de sal ou de sódio;

_Optar por sais com menor teor de sódio, como é o caso de SAL&VIDA;

_Praticar regularmente exer­cício físico, sobretudo com movimentos aeróbios (mar­cha, corrida, natação ou dan­ça, p. ex.). Se for hipertenso, evite levantar pesos.