OPINIÃO

Jesus, o pecador

[…]

É rude, por vezes arrogante e cheio de bazófia, mas é um dos melhores treinado­res portugueses de sempre. E se em Inglaterra teve uma atitude menos feliz com o técnico adversário espetan­do-lhe três dedos, Jesus, o pecador, alegra estes dias de incerteza de um país falido através das suas atitudes desbragadas. Por este Jesus ninguém sente compaixão, ninguém admite que classe também é fazer rir toda a gente, porque o Jorge nasceu na Amadora, não em Setúbal, nem tão-pouco tem o apelido de «Mouri­nho», a quem tudo é permi­tido e concedido.

Emanuel Caetano