OPINIÃO

Conhece o poder da massagem?

[…]

Ajudam a relaxar, mas não só. Pesquisas mostram que, recebidas com regularidade, têm também uma palavra a dizer na manutenção da saúde e no combate a diversas doenças. Saiba por que as massagens não são um luxo e por que deve pô-las na agenda.

Entrou o ano novo a queixar-se de pro­blemas velhos como dores nas cos­tas, cansaço crónico, noites mal dor­midas, distúrbios digestivos e nariz a pingar? Experimente uma massagem. Vá­rios estudos recentes confirmam que as mas­sagens podem ser benéficas em vários dese­quilíbrios do organismo, ajudando na pre­venção e combate a inúmeras doenças. Exemplos? Depressão, ansiedade, fibromial­gia, hipertensão, problemas musculares e articulares, obstipação, asma, alergias e até alguns tipos de cancro revelaram melhorias após tratamentos com massagens.

Se as antigas medicinas tradicionais, co­mo a chinesa ou a ayurvédica, sempre defen­deram o seu poder terapêutico, no ociden­te a desconfiança falou mais alto até os cien­tistas começarem a esmiuçar o que acontece no corpo após uma sessão profissional. Ho­je sabe-se que basta uma massagem de cerca de 45 minutos para reduzir, no sangue, não só os níveis de cortisol, a chamada hormona do stress, mas também de proteínas ligadas a processos inflamatórios e a reações alérgi­cas. Mais: após uma sessão é vulgar o aumen­to da produção de substâncias promotoras de bem-estar, como dopamina, serotonina ou oxitocina. E os investigadores salientam ainda a multiplicação de células defensivas, o que significa reforço da imunidade.

Um estudo recente confirmou ainda o po­der da massagem no combate a uma das pra­gas da sociedade moderna: as dores nas cos­tas, que, só em Portugal, afetam cerca de 72 por cento da população, de acordo com uma investigação realizada junto de mais de 600 pessoas, com mais de 18 anos, organizada conjuntamente pela Sociedade Portugue­sa de Patologia da Coluna, pela Sociedade Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia e ainda pela Sociedade Portuguesa de Neu­rocirurgia. «Descobrimos que os benefícios da massagem nas dores crónicas nas costas são tão fortes como os de outros tratamen­tos habitualmente prescritos, como medi­camentos, acupunctura, exercício ou ioga, podendo prolongar-se mesmo ao longo de seis meses», afirmou Daniel C. Cherkin, um dos autores da pesquisa norte-americana divulgada, em meados de 2011, na publicação científica Annals of Internal Medicine.

Depois é certo e sabido que, além de aju­darem a esta descontração muscular e arti­cular, as massagens melhoram a circulação sanguínea e linfática, o que resulta numa diminuição de toxinas acumuladas. Algo muito útil neste período pós-festas em que o organismo está sobrecarregado de resídu­os de todo o tipo de abusos. Na estação fria, as massagens contribuem também para man­ter uma boa temperatura corporal e para combater a letargia típica do inverno, ao tra­zerem um acréscimo de energia. Mas não só. Ajudam igualmente a uma maior consciên­cia das necessidades do próprio corpo, mais esquecido quando começa a ser tapado por camisolas e casacos e, por vezes, maltratado pela mente controladora.

Antes de se entregar às mãos de um tera­peuta, note que, no caso de doenças graves ou crónicas, que exijam a toma diária de me­dicação, deve aconselhar-se com o seu médi­co. Precaução respeitada, é escolher a mas­sagem que mais se adequa à sua situação. Existem inúmeras técnicas diferentes: re­laxantes ou estimulantes, suaves ou inten­sas, de corpo inteiro ou parciais, com óleos ou sem eles, em que se tira a roupa ou se fi­ca com ela. Pergunte tudo na hora de marcar e informe sempre o profissional sobre o seu estado de saúde e motivos reais para a sessão. Só assim ele poderá oferecer-lhe tudo o que a massagem tem para lhe dar.

A ESCOLHA É SUA

SHIATSU: eficaz no stress, ansiedade, insónia, dores nas costas e outras tensões, esta terapia tradicional japonesa ajuda à vitalidade do orga­nismo e fortalece o sistema defensivo, utilizando pres­sões com os dedos e estiramentos em zonas específicas do corpo.

TUINA: disciplina da medicina tradicional chinesa, esta técnica vai além do relaxamento, sendo indicada como auxiliar no tratamento de desequilíbrios energéticos causadores de doença. É intensa e estimulante.

AYURVÉDICA: suave, mas atingin­do profundamente o organismo, esta antiga técnica in­diana é conhecida pelos seus efeitos apaziguadores no stress e sentimentos depressivos. Ajuda também nas dores musculares e articu­lares, enxaquecas e estimulação do sis­tema imunitário.

RELAXAMENTO: a mais conhecida, recorre a movimen­tos suaves para serenar o corpo e recuperar a vitalida­de. Útil no combate ao stress, ansieda­de, insónia e dores resultantes de más posturas, é também benéfica contra as toxinas acumuladas e na resistência das defesas.

DRENAGEM LINFÁTICA: muito suave, mas pro­funda, esta técnica estimula a circulação linfática, ajudando o organismo a livrar-se de resíduos e a reforçar a imunidade. Indicada para retenções de líqui­dos crónicas e pessoas sedentárias, nas quais o sistema linfático é preguiçoso.

PEDRAS QUENTES: muito em voga, es­ta técnica recorre a pedras de basalto aquecidas colocadas em pontos específi­cos do corpo. O calor é usado para promover o relaxamento, equili­brar a energia, libertar tensões, melhorar a circulação e expulsar toxinas, o que fortalece o sistema defensivo.

REFLEXOLOGIA: trabalhando os pés, repletos de terminações nervosas e local onde órgãos e glândulas se re­fletem, esta terapia pro­mete equilíbrio, ajudan­do na insónia, prisão de ventre, enxaqueca, aler­gias e dores musculares. Ao favorecer a elimina­ção de toxinas, estimula também as defesas.

AROMATERAPIA: técnica que associa a massagem de relaxa­mento aos óleos essen­ciais em busca de bem–estar físico e mental. Respeitando as neces­sidades do paciente, o terapeuta usa essên­cias que combatem o stress e a ansiedade, relaxam as tensões ou ajudam noutras queixas individualizadas.

Cristina Azedo [vamos-viver-melhor.blogspot.com]
Ilustração de Falcão Lucas/WHO