OPINIÃO

Os objetos de Pedro Almeida Vieira

[…]
Reinaldo Rodrigues/Global Imagens

É licenciado em engenharia biofísica, mas é na escrita que faz caminho profissional: no jornalismo, nos ensaios sobre ambiente e nos romances históricos. Mas para o dia correr bem e as palavras fluírem, o multifacetado autor tem de ter três coisas por perto.

LIVROS
As bibliotecas são para ele como adegas: «não se consegue “beber todos os livros, mas pode-se sempre saborear um e outro quando apetece. Um trago apenas ou a garrafa inteira.» É por isso que escreve rodeado de livros na cave de casa, onde tem uma biblioteca pessoal.

CANDEEIROS
Porque gosta de escrever à noite, necessita de muita luz. E não basta ser de um ou dois candeeiros: «Preciso de luz intensa a rodear-me.» E como faz questão de ser ecológico, no escritório só usa lâmpadas LED, mais económicas do que as outras.

CHAVES
Sem o molho de chaves, não conseguiria fazer nada do que faz num dia normal. «Preciso de uma chave para entrar e sair da casa onde vivo, de outra para abrir a porta do carro, e de mais três para entrar no meu escritório. «Imaginem a minha vida se me esqueço de uma qualquer destas.»

nm1120_coisas04

Carla Amaro
Fotografia: Reinaldo Rodrigues/Global Imagens