Inicio Opinião

Opinião

Estarão Entre-os-Rios e Pedrógão amaldiçoados para sempre?

Sete ou oito vezes tinha o meu amigo Rui insistido para que fôssemos passar uns dias à terra dele. Eu desviava‑me sempre do convite, e nem era por não gostar da ideia de ir para o campo.

Mais viajantes e menos turistas (parte 1)

Venha quem vê o que vê e não aquilo que veio ver. Quem está disposto a perder‑se na paisagem e não a marcá‑la. Quem não quer levar nada para casa, a não ser uma memória. Boa.

Splendid Hotel

Anacleto Coelho está muito francamente exausto de tantos turistas. Tem defendido, por isso, a criação de uma taxa ou taxinha que contenha tamanha invasão – e fá-lo sempre com muita veemência e convicção, conforme se impõe a um homem honrado. «Os bárbaros descaracterizam a freguesia, conspurcam-nos o passeio público e as tradições, e não concedem um instante de sossego», protesta.

1992

Eram botas da tropa em segunda mão, compradas na Feira da Ladra — pousava a sola de uma na parede onde me encostava. Olhava sem preocupação para cada um dos lados, lá para o fundo, como se estivesse à espera de alguém. Tinha umas calças de ganga cuidadosamente rasgadas, a minha melhor camisola — Iron Maiden —, era um rapaz normal à porta do Gingão, no Bairro Alto. Pelo menos, essa era a aparência que achava que tinha, mas guardava um segredo — eu sabia que não era um rapaz normal à porta do Gingão.

Mudar o mundo a rir

Atuar na rua implica lidar com a imprevisibilidade. Há quem fuja dela e quem, como o palhaço Enano, goste da liberdade que é dada ao público.

Surfemos esta onda

O surf português, o que é feito nas nossas ondas e pelos nossos surfistas é hoje um bom herdeiro de outros tempos em que já fomos grandes no mar.

Recados para uma avó que vai ficar com os netos alguns dias em agosto

• A Matilde não come arroz. Diz que fica enjoada. Ainda não percebemos bem de onde vem isso, pensámos que fosse do glúten, mas ela só come arroz sem glúten. Aliás, ela não come glúten. A nutricionista naturopata recomendou. Também não come ovos de aviário.

O pontapé no cu

O Gabriel é bom de bola. Tem 11 anos, o puto, e um drible que é todo um segredo lisboeta – a miniatura de Messi mora no meu bairro. Desde que me mudei para o Intendente, e foi há mais de quatro anos, tornou-se impossível não reparar no treino de alto rendimento que o meu pequeno vizinho cumpre com rigor sistemático.

Matias Damásio une Portugal a Angola com as palavras de Camões

Na entrevista que hoje publicamos, o cantor Matias Damásio conta histórias que dão cabo de todas as teses de racismo, e mostram o que une a língua portuguesa, mais do que separam as ideologias.

Luz dos meus olhos

Há um olhar que se cruza e que apagará a memória de todos os outros olhares antes dele. Fica-se preso, amarrado, passamos a procurá-lo sempre e para sempre. O lugar onde ele mora, esse amor tão puro e infinito, tem um rosto e um corpo físicos.

Mais Recentes