OPINIÃO

Salve a sua pele: rastreios gratuitos em praias de norte a sul do país

Uma campanha de sensibilização sobre a saúde da pele põe na estrada uma carrinha que estacionará em cinco praias portuguesas de 17 a 21 deste mês. «Salve a sua pele» é o mote deste roadshow que ensina a observar os sinais da pele, faz rastreios gratuitos ao nível da hidratação e pigmentação, e ainda dá dicas sobre o protetor mais adequado. A farmacêutica Inês Dias explica o que vai acontecer e os cuidados a ter antes de se estender ao sol.

Texto de Sara Dias Oliveira

A carrinha estará junto às zonas balneares com rastreios gratuitos à saúde da pele das 9h00 às 13h00 e das 15h00 às 18h00. No dia 17, na praia da Torre em Oeiras, no dia seguinte na Costa da Caparica, a 19 em Faro, a 20 na Nazaré e a 21 em Matosinhos.

Chamar a atenção para a adoção de comportamentos saudáveis no verão, ensinar os banhistas a escolher o protetor solar mais adequado, identificar os sinais de cancro da pele, são os motores da iniciativa promovida pelas Farmácias Holon.

Inês Dias, farmacêutica

«É crucial passar a mensagem de que a exposição solar exagerada, repetida e sem proteção adequada pode aumentar o risco de cancro de pele, pois a incidência dos raios ultravioleta na pele desencadeia um conjunto de alterações ao nível do ADN das células», adianta a farmacêutica Inês Dias, das Farmácias Holon.

Convém não esquecer que a radiação ultravioleta que penetra na pele apresenta um efeito cumulativo. Até porque todos os anos, em Portugal, surgem dez mil novos casos de cancro de pele, dos quais 800 são melanomas e 90% causados pelo excesso de exposição solar.

Há erros que se repetem, hábitos difíceis de contrariar. Um deles é aplicar o protetor solar uma única vez. «Em primeiro lugar, deve aplicar o protetor solar cerca de 30 minutos antes de sair de casa. Depois da primeira aplicação na praia ou piscina, deve renová-la de duas em duas horas e de cada vez que tomar banho, mesmo que o protetor solar tenha a indicação de ser “resistente à água”.»

Além disso, é preciso aplicar uma porção generosa, cerca de dois mg por cm2 de pele, em todo o corpo, e espalhar o creme de forma uniforme, para que o protetor cumpra efetivamente a sua missão. E não esquecer nenhuma parte do corpo. «As queimaduras solares ocorrem muitas vezes quando o protetor solar não é aplicado em zonas como as orelhas, o nariz, as costas das mãos e dos pés, a pele junto aos limites do biquíni, a testa e a nuca», avisa a farmacêutica.

Mais importante do que o uso de protetores solares, é a redução da exposição à radiação ultravioleta. E como os raios ultravioletas não existem apenas no verão, o protetor solar deveria ser aplicado na pele todos os dias.

Outra desatenção é não respeitar o horário proibido. «Da mesma forma que a maior parte das pessoas não dá um mergulho quando a bandeira está vermelha, o mesmo devia acontecer em relação à permanência ao sol durante o período que vai das 11h00 às 17h00», sublinha Inês Dias. Mesmo nas outras horas, recomenda-se que não fique muito tempo exposto ao sol, é preferível manter-se à sombra.

A fotoproteção é um dos cuidados mais importantes na prevenção do cancro cutâneo. Engloba não só o uso de protetores solares, mas também a adoção de um conjunto de medidas para evitar a exposição solar exagerada. Mais importante do que o uso de protetores solares, é a redução da exposição à radiação ultravioleta. E como os raios ultravioletas não existem apenas no verão, o protetor solar deve ser aplicado na pele todos os dias. Para evitar a desidratação, é conveniente ingerir líquidos com regularidade, mesmo que não tenha sede. E estar sempre atento aos sinais. «O cancro da pele pode ser visualizado, por isso deve verificar a sua pele regularmente para monitorizar o aparecimento de alguma alteração», aconselha Inês Dias. A carrinha que circula pelas praias vai dar uma ajuda nesta matéria.