Como fazer desaparecer as olheiras

O sol deixa-nos mais morenos e com um ar mais saudável, mas no que toca às olheiras, apesar de as camuflar temporariamente, agrava-as. Já nascemos com tendência para a melanose periorbital, o nome científico das olheiras, mas podemos preveni-la, tratá-la e disfarçá-la.

Texto de Sofia Teixeira | Fotografia de Shutterstock

Benicio del Toro terá, provavelmente, as olheiras mais sexy de Hollywood. É caso raro entre o comum dos mortais, já que olheiras do tamanho das de um panda não acrescentam grande charme: dão apenas um ar cansado, mal dormido e descomposto. E não há quem não se queira ver livre delas. Menos, claro, o ator porto-riquenho.

A melanose periorbital ocorre, antes de mais, por causa das características da pele da zona: no resto do corpo ela tem uma espessura de cerca de dois milímetros, debaixo dos olhos apenas de 0,5 milímetros, o que a torna mais frágil e deixa que seja mais visível o que está por baixo.

Ter mais ou menos tendência para olheiras é uma questão de sorte ou azar, porque são sobretudo fatores genéticos que a determinam. Mas a idade não joga a nosso favor.

Apesar de todas as olheiras serem de tipo misto, podem ter duas causas: uma origem predominantemente vascular, quando há uma concentração anormal de vasos sanguíneos na zona, o que lhe dá um aspeto azulado, ou origem pigmentar, acusando uma alta concentração de melanina sob a pálpebra inferior, o que resulta numa coloração mais acastanhada.

Ter mais ou menos tendência para olheiras é uma questão de sorte ou azar, porque são sobretudo fatores genéticos que a determinam. Por outro lado, a idade também não joga a nosso favor: quanto mais velhos somos, mais colagénio perdemos – a proteína que confere elasticidade à pele – e esta deficiência deixa a zona dos olhos mais fina e mais flácida, o que acentua as olheiras.

Não controlamos a genética e o envelhecimento, mas, ainda assim, há muito que podemos fazer para evitar os dois círculos negros debaixo dos olhos. Quem se queira ver livre deles pode intervir em três frentes: melhorando os hábitos de vida, recorrendo a tratamentos dermatológicos e apostando em maquilhagem. Vamos a isso. Carregue nas setas para saber como prevenir, como tratar e como disfarçar.

9. PARA PREVENIR: PROTEJA-SE DO SOL

No imediato, o bronzeado parece atenuar as olheiras – uma ilusão que resulta de se esbater a diferença entre a tonalidade do resto da cara e da zona debaixo dos olhos –, mas o sol escurece permanentemente a pele por baixo dos olhos e faz que fique mais fina. Quando o bronzeado desaparece, a diferença nota-se mais do que nunca. O uso de óculos escuros com boas lentes de proteção UV e a aplicação diária de protetor solar na zona dos olhos é essencial para combater as olheiras acastanhadas, que resultam da acumulação de melanina.

8. DURMA BEM

Para quem não dorme bem, as olheiras serão o menor dos males. Dormir pouco não faz olheiras, mas acentua-as: porque a regeneração celular é muito mais rápida durante a noite e pouco sono não facilita esse processo e porque a falta de descanso afeta a circulação na zona dos olhos e leva à palidez.

7. COMA BEM

Não há alimentos que façam olheiras ou que as melhorem. Mas para quem tem predisposição para as ter, muito sal na comida, bebidas alcoólicas e pouca água podem contribuir para o edema na zona, aumentando os famosos papos nos olhos que, por sua vez, acentuam e tornam mais visíveis as olheiras que já lá estão.

6. PARA TRATAR: PEELING

É mais eficaz nas olheiras associadas ao excesso de pigmentação (as castanhas). São necessárias várias sessões que vão aclarando a pele, porque os ácidos provocam uma ligeira descamação e quando a pele regenera é mais clara. Deve ser feito apenas por dermatologistas.

5. ÁCIDO HIALURÓNICO

Também usado para combater rugas, o ácido hialurónico injetável (aplicado por dermatologistas ou cirurgiões plásticos) faz o preenchimento das olheiras fundas, aquelas que são causadas não por questões vasculares ou pigmentares mas pelo facto de a cavidade do globo ocular ser muito profunda, criando sombras e agravando o escurecimento da região dos olhos. A técnica dá volume à zona debaixo dos olhos, tornando-a mais nivelada com o resto da cara e fazendo desaparecer o efeito sombra que causa as olheiras.

4. LUZ PULSADA E LASER

A escolha da luz pulsada ou do laser também cabe sempre ao dermatologista depois de avaliar o tipo de pele e de olheiras, mas o princípio de atuação dos dois é semelhante: o calor gerado destrói os pigmentos de melanina, que são reabsorvidos pelo corpo, e faz que os vasos sanguíneos se contraiam, diminuindo de tamanho e sendo menos visíveis.

3. PARA DISFARÇAR: LIMPAR

A má limpeza dos olhos, particularmente quando se usou rímel ou sombra escura, faz que se acumulem resíduos pretos nesta região, escurecendo-a e criando «falsas olheiras». Mas cuidado com o excesso de força a limpar esta zona do rosto. Por ser tão sensível, esfregar demasiado vai macerar a pele e criar também olheiras: a limpeza desta zona é essencial, mas deve ser feita com mão leve.

2. HIDRATAR

Os cremes antiolheiras não fazem milagres, mas ajudam. Os cremes para a área de contorno dos olhos além de hidratarem, costumam incluir na composição princípios ativos que previnem edemas e má circulação além de terem propriedades que ajudam a aclarar a zona e a tornar a pele mais firme. A maioria também é antirrugas.

1. TAPAR

O corretor antiolheiras é rápido e eficaz se for bem escolhido e bem aplicado. Nas olheiras acastanhadas e avermelhadas, o tom que se aplica deve ser verde, nas olheiras roxas deve ser amarelo e nas azuis, típicas das peles mais claras, deve ser alaranjado. A aplicação pode ser feita com esponja, pincel ou com os dedos, de forma suave, e deve ser feita antes do corretor com o tom aproximado da sua pele ou misturado com ele.

 

 

 

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.