OPINIÃO

Escritor do dia: Álvaro Magalhães

Hoje, Álvaro Magalhães é o escritor do dia. Com cerca de 80 livros e vários prémios de literatura, muitas das suas histórias são estudadas nas escolas. As respostas ao Questionário Proust do homem que gostava de ser uma andorinha.

O que é que está a ler?
A vida e opiniões de Tristram Shandy, de Laurence Sterne.

O que é que está a escrever?
Um romance juvenil.

Quem é o seu escritor preferido?
Franz Kafka.

Quem é o seu herói da ficção?
Joanica-Puff.

Qual é o seu palavrão preferido?
Procrastinar, procrastinar, procrastinar.

Que palavra nunca usa?
Expectável.

Quem é a pessoa que mais admira?
Jane Goodall, que preferiu os chimpanzés.

Que talento gostaria de ter?
O de escapar aos chatos.

Qual é o seu maior feito?
Ter feito 66 anos, um dia destes.

Se pudesse escolher, em que país teria nascido?
Talvez no Butão, onde existe o conceito de Felicidade Interna Bruta.

Qual é a sua ideia de felicidade?
Não pensar nisso sequer.

Qual é o seu maior medo?
Que a minha alma voe para longe (se é que já não voou).

Qual é o seu lugar preferido do mundo?
O deserto. Continua intacto.

Que qualidade mais aprecia numa pessoa?
Genuinidade.

Se pudesse reencarnar, gostaria de voltar em que pele?
Na de uma borboleta ou de uma andorinha.

Que livro ofereceria a Marcelo Rebelo de Sousa (para ele ler mesmo)?
Joanica-Puff, de A.A. Milne.

Se desse de caras com Donald Trump, o que faria?
Protegia a carteira; ou, então, fugia. Era o que a Rosa Lobato faria.

Com quem é que gostaria de tirar uma selfie?
Com a Vénus de Milo.

Qual é o seu lema de vida?
Antes de mais, acordar tarde.

Qual o final mais marcante que já leu?
O de Amor em Tempos de Cólera, de G. Garcia Marquez.