OPINIÃO

É este o segredo para se manter jovem e saudável

Alexandra Vasconcelos, farmacêutica e naturopata, dá-nos a receita para viver mais e melhor.

É um facto da vida: todos envelhecemos. Mas ter mais anos não significa que fiquemos velhos, avisa Alexandra Vasconcelos, farmacêutica, naturopata e terapeuta biológica e ortomolecular. «Podemos manter-nos jovens e saudáveis até morrer, dependendo dos erros que cometemos até sermos adultos.» Teve mesmo que escrever O Segredo Para Se Manter Jovem e Saudável, ajudar as pessoas a fazerem pequenas mudanças de alimentação e de vida. Não podia cruzar os braços vendo-as incapazes de romper círculos viciosos, apesar de reconhecerem as sequelas dos seus maus hábitos.

«Incomoda-me o papel que a comida assume a compensar tudo o que nos acontece na vida. Não chega comer sementes em demasia porque ouviu dizer que são saudáveis, e depois não prescindir do bolinho cheio de açúcar ao fim da tarde. Por outro lado, há quem faça uma nutrição equilibrada e, no entanto, não se sente bem, não dorme bem, não emagrece. Não atinge estados satisfatórios de saúde e fica velho prematuramente.»

Um exemplo que gosta de referir é o da ilha de Okinawa, no Japão, onde mais de um milhão de pessoas comem apenas 1800 calorias por dia entre vegetais, arroz integral, fruta e pequenas porções de peixe e carne biológica. «Aí, a percentagem de pessoas com mais de 100 anos é três vezes superior à das populações da Europa e EUA», conta a especialista em nutrição celular ativa, sublinhando que vários estudos, publicados no Journal of Alzheimer Disease, sugerem ainda que uma dieta rica em polifenóis e ácidos gordos polinsaturados pode atrasar o aparecimento de doenças degenerativas do sistema nervoso.

«Consideramos a obesidade a epidemia da era contemporânea: só em Portugal temos cerca de 3,5 milhões de pré-obesos. É inestética e um dos principais fatores de risco para numerosas doenças, mas é também um sinal claro de que o organismo não está bem, pelo que não deve apenas ser entendida como a preocupação de não caber nas calças lindas que comprou o ano passado.»

E não, a questão não se resume a iogurtes magros e folhas de alface, garante a terapeuta. Aquilo que comemos e de que maneira, como vivemos e onde vivemos, o que pensamos, sentimos, o nosso grau de limpeza e capacidade de desintoxicação, o ambiente físico, emocional e espiritual que nos rodeia – tudo tem influência na eclosão, ou não, de doenças no corpo e é determinante na nossa longevidade. A abordagem, diz, deve sempre ser abrangente e integrada, somando alimentação inteligente, modo de vida e equilíbrio metabólico.

OS 3 PASSOS DO PROGRAMA:

1 – Corrigir a base. Segundo Alexandra, não chega corrigir o que comemos se tudo o resto não estiver bem – e o facto é que o corpo manifesta deficiências básicas consoante a genética que herdámos, a alimentação que fazemos e outros fatores intrínsecos à pessoa que somos. Conseguir identificar essas nossas fragilidades biológicas e características pessoais permite uma correção personalizada a todos os níveis: limpeza do fígado; regulação dos intestinos (um barómetro incontestável de saúde física e mental); controlo dos índices de oxidação, acidez e intoxicações; manutenção do bem-estar emocional; eliminação de carências em ácidos gordos essenciais; melhoria da nossa relação com o açúcar.

2 – Suprir necessidades específicas. Uma vez construída essa base sólida, é altura de perceber quais as particularidades específicas que nos vão permitir envelhecer bem, em equilíbrio. Está na menopausa ou na andropausa? Tem alguma doença – e de que tipo? Está numa fase de exames ou de mais trabalho? A partir daí, é tudo uma questão de mudar de atitude: saber o que comer, como, quando. Aprender a gerir o stress e a dormir o suficiente (Portugal é o país europeu onde menos se dorme). Exercitar o corpo, o cérebro e substituir as velhas rotinas instituídas por alternativas mais saudáveis.

3 – Satisfazer desejos. Porque viver em equilíbrio é sentirmo-nos bem connosco mesmos, faz sentido tratar também o exterior logo que consigamos calibrar o interior (a base onde o bem-estar começa). A autora defende que esta etapa pressupõe tratamentos faciais e corporais que melhorem o aspeto da pele, eliminem a flacidez ou alguma gordura localizada e corrijam imperfeições exteriores recorrendo a intervenções estéticas. Bem-estar continua aqui a ser a palavra de ordem.

Veja na nossa fotogaleria as regras de Alexandra Vasconcelos para construir um «eu» sólido. Não é este o sonho de toda a gente, afinal? Livrar-se das doenças e envelhecer sem ficar velho? Pois saiba que a luta para evitar tóxicos, stress, má alimentação, poluição eletromagnética e infeções silenciosas – qual deles o maior causador de envelhecimento e doença – começa dentro de nós.

jovemlivro
O SEGREDO PARA SE MANTER JOVEM E SAUDÁVEL
Alexandra Vasconcelos
Ed. Manuscrito
328 páginas
16,50 euros