OPINIÃO

Alice Vieira: «Quero lá saber o que dizem sobre mim. Já tenho idade para dizer isto»

«Só Duas Coisas Que, Entre Tantas, Me Afligiram» é o quarto livro de crónicas desta jornalista que se tornou escritora por acaso. Um acaso que já dura há 40 anos.

Texto de Ana Patrícia Cardoso | Fotografia de Gerardo Santos/Global Imagens

Não mudava uma vírgula aos 80 ou 90 livros que já publicou. «Até mudaria se achasse que estava completamente errada na época. Mas ainda não aconteceu.» Os anos trouxeram-lhe a calma mas também o desprendimento «que só a idade consegue dar. Na verdade, quero lá saber o que dizem sobre mim. Já tenho idade para dizer isto».

Haveria tanto para escrever sobre a jornalista que se tornou escritora quando decidiu rascunhar, durante as férias, uma história para – e com – os filhos. «Queria compensá-los. Queixavam-se do pouco tempo que passava com eles por ser jornalista. Ainda por cima, lá em casa, éramos os dois.»

Desde o primeiro livro Rosa, Minha Irmã Rosa (1979), nunca parou de escrever. Inventa muito pouco. É da realidade que se alimenta para criar personagens e situações.

Desde o primeiro livro Rosa, Minha Irmã Rosa (1979), nunca parou de escrever. Inventa muito pouco. É da realidade que se alimenta para criar personagens e situações. «Vício de profissão, talvez.» Há anos que faz visitas regulares a escolas para falar da sua obra. «Do que gosto mesmo é das perguntas dos miúdos sobre os livros que já leram. Aquelas em que se nota que houve leitura por detrás.»

Esse hábito que «está a perder-se». É (também) por isso que está sempre a dizer às pessoas para irem buscar um livro lá a casa. «Ainda no outro dia doei uns quantos à Casa do Artista. Eu quero é que os leiam!»

4

Crónicas Só Duas Coisas Que, Entre Tantas, Me Afligiram, o quarto livro de crónicas da escritora foi apresentado a 24 de maio.

85

Casa Há mais de 40 anos que Alice Vieira vive no número 85 numa rua das Avenidas Novas, em Lisboa. Um dia gostava de voltar a morar na Ericeira.

2

Mários Teve dois grandes amores. Mário Castrim, com quem viveu 40 anos, e Mário Pinto, um amor da adolescência que voltou à sua vida anos mais tarde.

6

Família Foi com os filhos, Catarina e André, que Alice escreveu a primeira história quando ainda não sonhava em ser escritora. Hoje já tem quatro netos.

90

Presépios A escritora tem quase uma centena de presépios em sua, que lhe chegam de todo o mundo.