OPINIÃO

«Lutar com alguém é como um jogo de xadrez humano»

As lições de vida de Telma Monteiro, vencedora da medalha de bronze nos Jogos do Rio2016.

Nunca entra em combate sem antes saltar três vezes. Não é superstição, não é um «amuleto da sorte», é uma forma de se preparar para vencer. Mas Telma Monteiro confia, acima de tudo, no trabalho. E na paixão com que todos os dias treina o seu desporto do coração, que a levou por estes dias até ao Rio de Janeiro, Brasil, para representar Portugal nos Jogos Olímpicos.

«O judo é um constante desafio pela complexidade que implica. Lutar com alguém é como um jogo de xadrez humano. É preciso aliar muito bem a força e a técnica à inteligência, à capacidade de antecipação. Nada é certo, tudo muda num segundo apenas», explica a atleta de 30 anos.

A vida encarregou-se de a ensinar a quebrar barreiras. Depois de uma infância marcada por sérias dificuldades económicas, que apesar de tudo recorda com um sorriso, a judoca encontrou nesse arte, e por incentivo de Ana, uma das três irmãs, uma forma de sonhar. «Ser atleta profissional foi algo que aconteceu sem planear», garante, mas a verdade é que acabou por se tornar uma das mais fortes figuras da modalidade a nível mundial. A sua fonte inspiração? «Nos momentos difíceis, lembro-me de tudo o que já fui capaz de ultrapassar e da quantidade de crianças que posso estar a inspirar com as minhas conquistas», revela.

A única que ainda lhe falta no currículo é a medalha olímpica. A pentacampeã europeia, que tem uma licenciatura em Educação Física e uma pós-graduação em Gestão, Marketing e Desporto em vias de ser concluída, sente-se «motivada, determinada e capaz de ultrapassar qualquer obstáculo». Portugal apoia-a e, como sempre, sonha com ela.

[Publicado originalmente na edição de 7 de agosto de 2016. Telma Monteiro venceu o bronze olímpico um dia depois.]

Carolina Morais
Fotografia Sara Matos/Global Imagens