OPINIÃO

Síria chora a morte de ator aos 14 anos

Qusai Abtini morreu quando tentava fugir da cidade síria de Aleppo. Era adolescente e uma estrela de televisão.
Criança síria

Aos 14 anos, Qusai Abtini era uma estrela de televisão em ascensão. Mas fora do pequeno ecrã era um menino igual aos outros. Vivia na Síria e morreu enquanto tentava fugir aos bombardeamentos na cidade de Aleppo, a sua terra natal.

Qusai Abtini cedo revelou a sua veia para a representação. Com 10 anos já atuava em peças de teatro da escola. Afraa Hashem, o diretor da instituição de ensino, reconheceu-lhe o talento e apresentou-o ao produtor e realizador Basha Sakka, que não tardou a convidá-lo para integrar a série de comédia Umm Abdou the Aleppan.

Com a particularidade de ter sido protagonizada por crianças, a série conseguiu retratar o quotidiano dos residentes de Aleppo, uma cidade devastada pela guerra, mostrando a forma como eles lidavam com os problemas do dia a dia, desde os cortes de eletricidade e de água aos bombardeamentos violentos. Qusai Abtini tinha o papel principal: era Abu Abdou, o marido da personagem que deu nome à série.

Umm Abdou the Aleppan foi a primeira produção televisiva da zona rebelde da Síria. Estreou em 2014 no canal Halab Today TV e contou com 30 episódios, cada um com a duração média de dez minutos.  A série foi filmada em Aleppo, palco de guerra. Com o intuito de zelar pela segurança do filho, o pai do Qusai decidiu enviar o menino para longe da cidade e dos bombardeamentos, mas a criança acabou por morrer, a 8 de julho, quando o carro em que fugia foi atingido por um míssil. Dias depois da morte do jovem ator, dezenas de pessoas percorreram as ruas da cidade com bandeiras de oposição, segundo noticia a cadeia de televisão Aljazeera.

Desde 17 de julho que a cidade está a ser bombardeada ininterruptamente. Nos últimos dias foram criados corredores humanitários que permitiram a saída dos civis daquele local, onde ainda vivem cerca de 250 mil pessoas.

Cátia Pereira Matos