OPINIÃO

Um abrigo pediátrico chamado Kastelo

Do nada pode nascer muito. Do nada nasceu o Kastelo, a primeira unidade de cuidados continuados e paliativos para crianças, em Portugal.
Kastelo

É em São Mamede de Infesta, no concelho de Matosinhos, que fica a primeira unidade de cuidados continuados e paliativos pediátricos da Península Ibérica. Chama-se Kastelo e já abriu as suas portas.

Os sonhos concretizam-se. E o Kastelo é um sonho tornado realidade. O projeto criado pela enfermeira Teresa Fraga, presidente da associação NoMeioDoNada, e José Couceiro da Costa, também da associação, vem dar resposta a crianças em final de vida ou com doenças crónicas graves. É o primeiro centro deste género a abrir na Península Ibérica, e o quarto na Europa.

Inaugurada no passado dia 24 de junho pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esta unidade pediátrica tem capacidade para 30 camas e dará também apoio aos pais e irmãos das crianças que necessitem dos cuidados prestados pelo Kastelo. Começa agora uma experiência piloto de um ano, estando este centro integrado na Rede Nacional de Cuidados Continuados do Ministério da Saúde.

A Notícias Magazine recupera o artigo publicado em julho do ano passado sobre este projeto pioneiro em Portugal.

Cláudia Pinto