OPINIÃO

Mitos e verdades sobre a celulite

Em tempo de praia, seis mitos e verdades sobre a celulite.

O nome científico é arrepiante: lipodistrofia ginóide. O nome comum – celulite – não atenua o pesadelo. Mas há coisas que podemos fazer pelo nosso corpo. E umas quantas crenças que, desmistificadas, tornam esta luta mais fácil.

OS CREMES SÃO INÚTEIS
Falso. Podem não ser milagrosos nem capazes de resolver sozinhos o efeito «casca de laranja», mas funcionam como coadjuvantes graças a princípios ativos – como a cafeína, ginkgo biloba, sinefrina (obtida da casca da laranja amarga), carnitina, retinol, algas marinhas, centella asiática e muitos outros – que atuam nas células de gordura, favorecem a drenagem linfática e estimulam a síntese de colagénio, vital para a elasticidade da pele. Uma coisa é certa: fazem mais pelas nossas pernas do que o Photoshop, que não nos serve de nada na vida real.

CELULITE SÓ DEPOIS DOS 25
Falso. Ao contrário das rugas, que nos oferecem uma boa margem de tempo antes de fazerem das suas, a celulite pode começar a aparecer – e na maioria dos casos aparece mesmo – logo na puberdade, quando aumentam os níveis de estrogénio (a hormona sexual responsável pela ovulação). Se não quiser esperar que ela surja para lhe dar luta, aposte numa alimentação saudável e em atividades físicas que tonifiquem, oxigenem e facilitem uma boa circulação nas pernas. O uso de cremes anticelulite também ajuda a prevenir antes que tenha de remediar.

A CELULITE NÃO DESAPARECE
Verdade. Infelizmente é uma grande verdade, mas pode ser amenizada a ponto de se tornar quase impercetível em algumas situações menos graves. Para isso convém consultar um especialista, avaliar a fase em que se encontra a sua e seguir à risca o tratamento mais adequado, combinando-o com uma mudança de hábitos alimentares, prática de exercício e muita perseverança. E lembre-se: quanto mais tarde decidirmos atacar o problema, uma vez instalado naquelas partes que o biquíni não cobre, mais difícil vai ser sair dele.


Veja também: Operação biquíni.


CALÇAS APERTADAS CONTRIBUEM
Verdade. Se comprimem o corpo – e não há dúvida de que calças justas nos colam a alma ao estômago –, então seguramente vão prender a circulação e reter líquidos, formando progressivamente uma espécie de gelatina entalada nos tecidos, cada vez mais densa, que o organismo se vê incapaz de eliminar sem uma boa drenagem. Tem skinny jeans e cintas modeladoras no armário? Dê-as sem pensar duas vezes. De preferência a alguém que vista um número abaixo, não vá também sentir-se esmagada por elas.

OS HOMENS ESCAPAM
Falso. Apesar de a proporção ser de 20 por cento no caso deles – mal damos pelos homens com celulite – contra uns esmagadores 99 por cento da parte delas. Além da genética, hereditariedade, maus hábitos e pílulas anticoncecionais, outra grande culpada é a natureza, que faz que a elevada produção de estrogénio nas mulheres provoque acumulação de líquidos e proteínas nas células de gordura, sobretudo na região dos quadris, barriga, nádegas e coxas. Os homens não só têm um tecido adiposo diferente – os septos que permeiam as células gordurosas são mais grossos e resistentes – como a testosterona faz que ganhem mais massa muscular do que gorda. Uns sortudos.

MASSAGENS NÃO FAZEM NADA
Falso. Massajar as áreas afetadas pelo menos uma vez por dia, antes ou após o banho, em movimentos circulares, pode fazer milagres pelo aspeto «casca de laranja». O ideal é usar um creme anticelulite e uma escova macia para ativar a circulação sanguínea e linfática, oxigenar os tecidos, nutri-los, libertar toxinas e reduzir os nódulos de celulite. Comer bem e praticar exercício com regularidade – caminhe tanto quanto puder – são outros poderosos aliados que ajudam a potenciar os efeitos das massagens e valem para quase tudo na vida.