OPINIÃO

O português mais olímpico de sempre

Pela sétima vez consecutiva, o velejador madeirense João Rodrigues chega aos Jogos Olímpicos. É o português com mais presenças na principal prova desportiva do mundo. Neste ano será o porta-estandarte de Portugal.

Começou a velejar com 8 anos. Aos 9 já se equilibrava sozinho numa prancha de windsurf. Aos 20 chegou aos Jogos Olímpicos. Estreou-se em Barcelona, em 1992, e desde então não falhou nenhuma edição. João Rodrigues já competiu ao lado do então príncipe Felipe na capital da Catalunha, foi apanhado numa tempestade durante a preparação para Atlanta, enfrentou o azar em Sydney, viu escapar as medalhas em Atenas e espantou-se com a organização chinesa em Pequim. Em Londres tornou-se o atleta português com mais participações em Jogos Olímpicos. No Rio de Janeiro, aos 44 anos, o madeirense juntará esse título ao de porta-estandarte da comitiva nacional.

A primeira vez que conseguiu controlar sozinho uma prancha de windsurf mudou-lhe a vida para sempre. Tinha 9 anos, uma vela na mão e a possibilidade de sair a deslizar mar fora empurrado pelo vento. Até então, costumava andar à boleia do irmão mais velho: quando iam à bolina (contra o vento), João deitava-se na prancha para não o atrapalhar; logo que o vento soprava a favor, passava por debaixo das pernas de Alberto e, com o apoio dele, agarrava-se à retranca para sentir a adrenalina. Um dia, o irmão largou as próprias mãos e deixou-o velejar sozinho. Nesse instante, João percebeu que queria ir mais longe, ser mais forte e andar muito mais rápido. O que ele não sabia é que esses eram os ideais dos Jogos Olímpicos e muito menos que um dia se tornaria o português que mais vezes integrou a comitiva portuguesa ao mais importante acontecimento desportivo do mundo.

João Rodrigues nasceu no Funchal a 2 de novembro de 1971, filho de açorianos que decidiram procurar uma ilha maior para viver. É o segundo de quatro irmãos, todos rapazes, e cresceu numa casa onde o mar fazia parte da rotina. «As minhas primeiras recordações de infância são junto ao mar», recorda. «O meu pai andava de caiaque e fazia vela. Ir ao Clube Naval do Funchal era como assinar o livro de ponto.» Foi lá que João aprendeu a nadar. Aos poucos, sem o avisarem, os pais foram-lhe esvaziando as braçadeiras – até ele já não precisar delas.

A grande revolução chegou pouco depois, por influência do genérico da novela brasileira Água Viva, em que moderníssimas pranchas de windsurf cruzavam o mar num cenário tropical. Se no continente a modalidade era recente, na Madeira nem sequer existia, mas o pai de João lá descobriu forma de mandar vir uma prancha da África do Sul. «Eu tinha 8 anos e ir ao Clube Naval deixou de ser uma brincadeira para se tornar uma obsessão», diz o velejador escolhido pelo Comité Olímpico de Portugal (COP) para ser o porta-estandarte do país no desfile de abertura dos Jogos deste ano.

João praticava outros desportos, mas nem o judo nem a natação o empolgavam tanto como a prancha à vela, mesmo antes de ter força suficiente para velejar sozinho. Só descansou quando foi capaz. O windsurf, no entanto, nunca o desviou dos bons resultados escolares. Gostava de aprender, tinha paixão pela matemática e um talento especial para decorar números de telefone (chegou a saber mais de cem). Entrar em Engenharia Mecânica no Instituto Superior Técnico, em Lisboa, não foi surpresa.

Por essa altura, já participava em regatas há algum tempo. «Continuava a querer as mesmas coisas do que quando tinha 9 anos: velejar na perfeição, cada vez mais depressa e melhor. E, de repente, descobri que havia um palco onde podia testar se estava a fazer tudo bem – as regatas.» Não terminou a primeira prova em que participou, com 11 anos, mas daí em diante começou a somar sucessos. Por essa altura, inscreveu-se num curso de aperfeiçoamento com José António Gouveia, que havia de tornar-se o seu treinador até hoje. Três anos depois, estreou-se nos campeonatos nacionais.

«Os Jogos Olímpicos não eram um objetivo para mim. Costumo dizer que a minha primeira participação foi um acidente de percurso.»

João qualificou-se para os Jogos da XXV Olimpíada à tangente, durante o campeonato europeu na Polónia em 1991. A 41ª posição que alcançou garantiu-lhe um lugar em Barcelona no ano seguinte e o início de uma longa aventura.

Como pensou que aquilo só iria acontecer-lhe uma vez na vida, tirou um ano de licença sabática para se preparar. Deixou o curso de Engenharia Mecânica em suspenso e só fez uma cadeira: Álgebra. Passava o tempo a treinar no Clube Naval de Cascais. Mesmo assim, só teve uma noção clara da dimensão dos Jogos na cerimónia de abertura, quando uma gigantesca bandeira olímpica cobriu todo o relvado do Estádio de Montjuic, ondulando sobre as cabeças dos dez mil atletas que iriam participar na competição.

Era impossível ficar indiferente à energia que invadiu o estádio enquanto Sarah Brightman e Josep Carreras cantavam Amigos para Siempre, o hino que Andrew Lloyd Webber compôs para os Jogos de Barcelona. «Ao meu lado estava um irlandês que chorava convulsivamente. Percebi que os Jogos significavam muito mais para algumas pessoas do que para mim.»

Sentia, porém, que aquela competição tinha uma mística própria. «Ali acontecem coisas que não se passam noutros campeonatos. Em Barcelona, lembro-me da infelicidade de um velejador canadiano [Murray McCaig] que era candidato às medalhas. Foi atropelado na Aldeia Olímpica por um carro da polícia, partiu uma perna e ficou fora das regatas. É de uma ironia sem descrição. » João recorda-se ainda, nesses Jogos, de um participante ilustre na vela: o então príncipe Felipe, futuro rei de Espanha. «Nunca falámos, apesar de ter estado a dez metros dele, e lembro-me de ter pensado que era quase mágico termos um príncipe entre nós.» O velejador chegou ao fim das provas da classe Lechner em 23º lugar, o seu pior lugar de sempre nos Jogos Olímpicos. O regresso a Portugal obrigou-o a uma dolorosa viagem num dos desconfortáveis jipes UMM que a Federação Portuguesa de Vela usava na época. Foi, no entanto, no topo de um deles, junto à fronteira, que tomou a decisão de dedicar os quatro anos seguintes a dois objetivos: terminar o curso e preparar-se convenientemente para os Jogos de Atlanta, em 1996.

As metas obrigaram-no a medidas drásticas. Guardou a televisão no armário e não a tirou de lá durante todo esse tempo. Estabeleceu um horário rígido: levantava-se às 06h30 e deitava-se às 22h00. Proibiu até os amigos e a família de lhe ligarem depois dessa hora. «Só fazia duas coisas: estudar e andar de prancha.» Sempre que ia de transportes para os treinos, em Cascais, levava os livros e ia adiantando a matéria.

O esforço compensou. Em 1995, sagrou-se campeão do mundo de windsurf, na África do Sul, e chegou a Atenas em grande forma física. O curso corria de vento em popa. Como as regatas se tornavam mais frequentes no segundo semestre, João aplicava-se a cem por cento no primeiro e fazia o que podia pelo grupo a que pertencia. Na outra metade do ano, o ritmo das regatas apertava e eram os colegas a garantir-lhe a retaguarda.

Um ano antes da abertura dos Jogos de Atlanta, o velejador passou uma temporada a treinar no local onde decorreriam as regatas olímpicas, em Savannah. O tempo estava quente, embora houvesse um padrão peculiar. «Ao fim do dia, por norma, aparecia uma tempestade e a temperatura caía perto de vinte graus. Não estou a exagerar. Chovia de uma forma inacreditável, era uma queda brutal de água gelada.» A marina flutuante construída numa ilhota ficava a 45 minutos de barco da cidade, na foz do rio Wilmington, e o horário dos treinos teve de ser definido em função daquela caraterística meteorológica diária.

«Mesmo assim, fomos apanhados duas vezes no meio da tempestade. Numa delas, a trovoada era tão violenta que o bote ficou em risco. Começámos a contar os segundos entre o relâmpago e o trovão para percebermos a que distância estavam os raios. A determinada altura não chegava a um segundo.» Com esforço, chegaram à ilhota e agacharam-se junto ao chão. Quando voltaram à cidade, o caos era tão grande que havia crocodilos nas ruas.

Quando os Jogos de Atlanta arrancaram, em julho de 1996, João conhecia bem as condições em que ia velejar. Nunca esteve na luta pelas medalhas, como aconteceria em Atenas, em 2004, mas alcançou o objetivo a que se propôs: acabou em sétimo e trouxe para casa um diploma olímpico, atribuído aos atletas que ficam nos oito primeiros lugares.
Entretanto, a engenharia chamava de novo. João Rodrigues concorreu a uma vaga na divisão de Gestão de Projetos na Direção Regional de Desporto, na Madeira, e foi aceite. Aquele emprego era o sítio ideal para quem queria continuar a conciliar as duas atividades.

«A engenharia e o desporto sempre se complementaram. Uma exercitava-me o cérebro e ajudava-me a entender o impacto do vento, do peso e do material durante as provas. O outro fez que eu nunca desistisse nos testes nem deixasse de procurar a solução certa, mesmo que tivesse de partir do zero.»

Colaborou ainda com a Empresa de Eletricidade da Madeira, foi projetista numa empresa de engenharia civil. No Instituto do Desporto, que integrou em 1999, contou sempre com a compreensão de Francisco Fernandes, que então o dirigia no organismo, para poder exercer funções de engenheiro mecânico sem abandonar os treinos e as competições. Só assim conseguiu continuar a somar títulos internacionais, entre os quais o de campeão da Europa na classe Mistral, e preparar-se convenientemente para os Jogos da XXVII Olimpíada, em Sydney, em 2000.

Foi também por essa altura que começou a praticar yoga, depois de o fisioterapeuta lhe diagnosticar problemas musculares que podiam precipitar-lhe o fim da carreira desportiva. Desde então o tapete de yoga é uma peça fundamental da bagagem, tal como a granola que costuma comer ao pequeno-almoco. Habitualmente, quando está fora, é João quem trata das refeições. Ao almoço, opta por qualquer coisa leve e ao jantar prepara pratos que não lhe tomem mais de vinte minutos, com vegetais tão coloridos quanto possível, sem carne ou peixe. Nas aldeias olímpicas, no entanto, a oferta gastronómica é tão vasta que raramente tem de se preocupar com essa questão.

João conhecia bem a baía de Sydney, com a Ópera como pano de fundo.Tinha lá estado três meses no ano anterior, a treinar. «À exceção do que vamos ter no Rio de Janeiro, não houve nos Jogos Olímpicos outro campo de regatas tão bonito como aquele.» O problema é que na Austrália correu-lhe tudo mal. Fora um terceiro lugar numa prova inicial, reteve na memória onze regatas penosas. «Fui para a Austrália a pensar que iria conseguir um bom resultado e desviei-me do meu verdadeiro objetivo na vela: andar numa prancha sobre a água na perfeição. Saí de lá dececionado, mas se não fossem os maus resultados de 2000 nunca teria chegado à minha melhor marca de sempre em olimpíadas.» Em Atenas, em 2004, João ficou em sexto lugar e esteve a um passo de subir ao pódio.

Ficou em segundo lugar numa regata que foi anulada e noutra o júri penalizou-o por partir adiantado. Imagens de vídeo comprovaram que a largada fora regulamentar, mas o jurado não admitiu o erro e João Rodrigues foi desclassificado. «Foi muito difícil de gerir. Desde que soube da decisão até chegar a terra, enfiei várias vezes a cabeça dentro de água e gritei para ninguém ouvir, até perder a voz. Ali perdi a medalha. Escapou-me das mãos como água entre os dedos.» Leitor voraz, aproveitou os tempos livres em Atenas para ler a saga de Harry Potter – em Pequim, em 2008, foi a vez de O Senhor dos Anéis e neste ano vai levar para o Rio de Janeiro Dom Quixote, de Cervantes, e O Desaparecido, de Kafka.

Quando os Jogos da Grécia chegaram ao fim, João estava à beira dos 33 anos. Se queria manter-se na engenharia, precisava de se aplicar para não ficar desatualizado. Foi isso que fez durante um ano e meio. Entre 2004 e 2006 esteve ligado à construção do green hotel do resort da Quinta do Lorde, na Madeira, e desligou-se da competição. Só que a prancha utilizada nos Jogos Olímpicos mudou e João comprou a novíssima RS:X. «Era só para experimentar.»

«Achei tão divertido que pensei: gostava de fazer uma regata nisto.» Uma prova puxa a outra e quando deu conta estava na equipa pré-olimpica, com financiamento para fazer a campanha de preparação e um apoio da Região Autónoma da Madeira. Juntou-se a vários amigos velejadores experientes e, em dois anos e meio, foi melhorando o nível das prestações. A partir de 2006 começou a passar os Invernos no Brasil, sempre a treinar, e deixou definitivamente a engenharia – dedicou-se em exclusivo ao windsurf, graças aos apoios do governo regional da Madeira, às bolsas dos Projetos Olímpicos do COP e aos patrocínios. Em 2008 ficou em quarto lugar no mundial da categoria.

Acabou por ir a Pequim, claro. Três meses antes dos Jogos Olímpicos de 2008, viajou com o treinador, José António Gouveia, para Qingdao, a localidade chinesa que iria receber as provas de vela. Ao chegar, ficou desolado. O campo de regatas estava infestado com uma praga de algas que impedia as pranchas de avançar na água. «Encalhávamos naquelas ilhas verdes e tinham de nos ir buscar de bote. Previa-se que a situação se agravasse no verão.» Tanto um como outro temeram que a realização das provas estivesse em risco. O que não imaginavam era que as autoridades chinesas chamassem 150 mil pessoas para limpar aquela área em barcaças que saíam ao nascer do Sol e só paravam ao fim do dia. Com um sistema de redes e boias com trinta quilómetros de extensão, mantiveram as algas à distância. Na abertura dos Jogos, a 8 de Agosto de 2008, não sobravam vestígios daquela maré verde. João terminou em 11º.

Em Londres, a dificuldade foi outra: um céu de chumbo e o mês de agosto mais frio das últimas décadas. Mesmo assim, o velejador – que nesse ano se tornou o atleta português com mais participações em Jogos Olímpicos – ficou em 14º da geral. Pensou que esses seriam os últimos Jogos, mas quando descobriu que a edição seguinte se realizaria precisamente no Rio de Janeiro soube que tinha de lá estar. «O Rio é a minha segunda casa.»

Até há poucos meses, João Rodrigues estava longe de imaginar que iria receber um telefonema especial do chefe da Missão Olímpica de Portugal em 2016. «Pedi-lhe que se sentasse e perguntei-lhe se queria ser o porta-estandarte na cerimónia de abertura», diz José Garcia, ex-atleta de canoagem e porta-estandarte na cerimónia de encerramento dos Jogos de Barcelona, em 1992. «Com aquela humildade que o carateriza, respondeu-me que não cabia em si com tamanha honra.»

Quando recebeu a chamada, João estava no Rio a preparar os sétimos e últimos Jogos da carreira. Desta vez, além da preparação física, há outro fator a ter em conta: a poluição da baía de Guanabara. «É ali que vão parar todos os esgotos das favelas. A água é imunda. Já lá vi várias camadas de plásticos, frigoríficos, aves e peixes mortos, e há quem já tenha encontrado um braço humano. Ponho sempre um spray impermeável e procuro não me cortar nos pés nem cair à água.» Tem bem presente o sufoco por que passou o amigo Mariano Reutmann em dezembro. O argentino cortou-se num pé a velejar em Guanabara e ficou com uma infeção tão grave que quase terminou em amputação – e teve de dizer adeus à presença nos Jogos do Rio.


Leia também: «Encontrar o ouro no meio do lixo»


No último ano dedicou-se quase em exclusivo aos treinos, a promover atividades de natureza e a praticar BTT, surf e paddle board. De vez em quando pedem-lhe para ser padrinho de iniciativas com crianças carenciadas. Ainda que, aos 44 anos, exiba uma forma física invejável, garante que a idade o obriga a dar mais descanso ao corpo. «Quando acordo, fico no chão a fazer estiramentos durante meia hora, tomo o pequeno-almoço e vou para o clube preparar o material. Depois de sair da água não sobra energia para mais nada.» Mesmo assim, tenta praticar yoga uma ou duas horas por dia. Sempre que pode, medita. A rotina não há de ser muito diferente no Brasil, para onde parte com o mesmo objetivo que tinha quando velejou pela primeira vez: tentar ir mais longe, ser mais rápido e mais forte. Foi assim que começou e é assim que quer acabar quando a chama olímpica se extinguir no Estádio do Maracanã. E na sua carreira olímpica.

COMO SE ESCOLHE UM PORTA‑ESTANDARTE?
Há um conjunto de caraterísticas obrigatórias para que o chefe de missão atribua este lugar a um atleta: ter um presente e um passado desportivos sólidos, um percurso exemplar enquanto cidadão português e um calendário de provas que lhe permita estar presente na cerimónia de abertura sem prejudicar o seu próprio desempenho na competição (muitos atletas estão noutras cidades ou só chegam a meio dos Jogos). «Não é fundamental que a escolha seja consensual entre toda a gente, desde que estas caraterísticas estejam reunidas», explica José Garcia, chefe da Missão Olímpica Portuguesa no Rio de Janeiro.

Rita Garcia