Exercício pós-50

Nm1246_Bem-estar

Publicidade

O avançar dos anos não é desculpa para parar de treinar.

Pelo contrário: à medida que envelhecemos, o exercício físico é um dos maiores aliados para manter o corpo e a mente saudáveis. Conheça os melhores exercícios e as dicas de alimentação para uma vida ativa depois dos 50.

Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades? Talvez sim, mas no caso do exercício físico a verdade é que os anos não lhe retiram importância. Com o passar do tempo, manter o corpo em movimento é fundamental, já que o exercício não só ajuda a prevenir como permite, ainda, reverter alguns dos sintomas do envelhecimento.

Em 2014, um estudo canadiano, da Universidade McMaster, concluiu que a prática de exercício físico ajudava a manter a pele mais jovem – e podia mesmo reverter o seu envelhecimento no caso daqueles que se começavam a exercitar tardiamente. Também a mente agradece as horas passadas em atividade, com benefícios para o humor e para as funções cognitivas, prevenindo, por exemplo, a perda de memória e a demência. No caso das mulheres, os 50 anos trazem ainda um motivo acrescido para a prática de exercício: a menopausa.

«Muitas mulheres após os 50 anos já estão na fase de transição da menopausa. Com esta alteração significativa na qualidade de vida da mulher, surge a necessidade de compreender se o exercício físico pode ser benéfico no controlo da sintomatologia associada à menopausa e ao controlo de diversas patologias que prevalecem depois desta. Além disso, com o desenvolvimento da menopausa e o envelhecimento, as diversas alterações hormonais potenciam o aparecimento de patologias como cancro, diabetes tipo 2, autoimunes, osteoporose e doenças cardiovasculares.

Os benefícios do exercício a curto prazo incluem o aumento da resistência, metabolismo e energia, desenvolvimento dos músculos e articulações, ossos mais fortes e saudáveis, menores níveis de stress, melhor desempenho cognitivo e maior qualidade do sono. Assim, realizar exercício físico ou ter um estilo de vida ativo vai melhorar não só a sua perceção de saúde como também a sua qualidade de vida», explica a equipa da FHIT UNIT (www. fhitunit.pt), unidade de treino mais conhecida pelas sessões de exercício físico que orienta, aos fins de semana, na praia de Carcavelos.

Antes de iniciar uma nova rotina, porém, é fundamental visitar um médico. Um checkup permite avaliar diversos parâmetros de saúde, incluindo o coração. Além disso, a FHIT UNIT recomenda, «pelo menos numa fase inicial, um acompanhamento profissional especializado na área do treino».

E que tipo de exercício deve praticar-se a partir dos 50? Segundo os treinadores, «não existem exercícios certos ou errados para determinada idade. Cada pessoa tem características únicas, experiências e capacidades de treino específicas e limitações e condicionantes próprias, fatores estes que serão muito mais decisivos na prescrição de treino do que o género ou a idade. De qualquer forma, num quadro mais amplo e geral, o que se poderia recomendar seria um treino que contemple a melhoria da capacidade cardiorrespiratória, resistência muscular, equilíbrio e postura. Desta forma, a intensidade de treino deve ser gerida consoante as capacidades individuais tendo um foco superior no desenvolvimento do core e reforço muscular necessários pela perda acentuada de massa muscular e diminuição da densidade mineral óssea evidente na pós-menopausa».

Embora acreditem que «o exercício físico não vê idades», há algumas atividades que, havendo sintomas de osteoporose, osteoartrite ou hérnias na coluna vertebral, devem ser evitadas, nomeadamente as de elevado impacto. Para experimentar colocar estas recomendações em prática, os treinos FHIT UNIT são uma excelente opção, já que se adaptam a todos os indivíduos, com capacidades físicas e limitações distintas. No ginásio, as opções são muitas mas todas devem ser consideradas com conta, peso e medida. Aulas como yoga, pilates ou body balance permitem trabalhar músculos, postura, flexibilidade e equilíbrio, tendo ainda a vantagem de serem mais motivantes do que o treino a solo.

A IMPORTÂNCIA DE COMER BEM
Para potenciar os resultados, o ideal é apostar, também, numa alimentação saudável. «Um bom pré-treino com reforço de hidratos de carbono complexos e proteínas, juntamente com um chá verde ou de gengibre para a hidratação durante o treino, vai dar a energia necessária para um bom rendimento», explica a FHIT UNIT. Alimentos ricos em ferro, como carne, leguminosas, beterraba e folhosos verdes-escuros, consumidos juntamente com fontes de vitamina C de modo a potenciar a sua absorção, são também uma boa ajuda para a manutenção muscular. Dicas preciosas para manter um corpo e mente sãos mesmo depois dos 50.